Impeachment com cara de derrota

Golpes vêm sendo lembrados com os fantasmas de 64 e de 68 ainda na mente das pessoas, com seu rol de atrocidades. Dizem que se revelam impossíveis dentro das circunstâncias, como se estivéssemos protegidos por falta de clima para implantá-los

www.brasil247.com - STF - Supremo Tribunal Federal (Valter Campanato/Agência Brasil)
STF - Supremo Tribunal Federal (Valter Campanato/Agência Brasil) (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)


O pedido de impeachment entregue ao Senado contra o Ministro Alexandres de Moraes deu lugar a uma rápida entrevista de Jair Bolsonaro à TV CNN. Não havia alegria em seu semblante; confiança, também não; certeza das suas intenções, menos ainda. Em seu rosto, tenso, abatido, como se houvesse saído de uma sabatina para se submeter a um exame, expressava traços de desatino, à beira de um colapso. Sabia o que acabara de arriscar. Logo advieram as repercussões, todas negativas. O ex-Ministro Ayres Britto, numa leitura da Constituição, não localizou uma única indicação que reafirmasse a capacidade do Presidente da República para a solicitação de impeachment contra integrantes da Suprema Corte. Juristas que o acompanharam decretaram em uníssono a péssima qualidade do texto levado à Câmara Alta, prevendo a impossibilidade de que prospere.

A situação evoca as reflexões de Alexis de Tocqueville, em seu livro A Democracia na América, onde prevê aquele sistema de governo vitorioso na Europa contra as monarquias. Dava como exemplo o que se passava nos Estados Unidos, em cuja sociedade pouco importava a má qualidade dos dirigentes, uma vez que a população segurava as rédeas de seu destino, não deixando que derrapasse. O diagnóstico se mostrava tranquilizador. No entanto, cabe lembrar a premissa: para dar certo, cumpre que a população se assuma como o seu verdadeiro condutor. Isto posto, até um imbecil no poder não prejudicaria os negócios da sociedade. Trata-se de um requisito, para nós, saídos da colonização portuguesa e do Império no século XIX, difícil de entender. Não nos habituamos a assumir o controle dos governos, como se preferíssemos delegar tal competência a qualquer um, inclusive ao primeiro que se apresente. Vide as quarteladas e golpes de força que se acumularam ao longo da República.

A julgar pela expressão de Bolsonaro estampando a violência de sua iniciativa frente às telas de TV, não resta dúvida que temos um problema. Não há precedente de um conflito de semelhantes dimensões entre o Executivo e o Judiciário, ainda mais quando este se debruça sobre inquéritos envolvendo ações do ocupante do Palácio do Planalto. Para desembaraçar o nó, é preciso, não resta dúvida, a convocação de mestres da tolerância, gente que retira piolhos de cascas de ovo. Nos três poderes, ousadias despertam tempestades. Essa, provavelmente, era a intenção de Bolsonaro, afeito à ideia de jogar as cartas para desnortear e superar os inimigos, ainda que corra riscos, como se agora verifica. Resta saber se a assessoria fardada que o acompanha embarcará na tempestade ou parará para pensar e decidir. Golpes vêm sendo lembrados com os fantasmas de 64 e de 68 ainda na mente das pessoas, com seu rol de atrocidades. Dizem que se revelam impossíveis dentro das circunstâncias, como se estivéssemos protegidos por falta de clima para implantá-los. Esperemos que sim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para uma perspectiva favorável, sem dúvida preocupa a expressão de cachorro doido, acuado, como temos sido surpreendidos, a cada instante, frente às decisões apresentadas ao público pelo chefe do Executivo. Não será a primeira vez que a loucura toma corpo com vontade de incendiar grandes metrópoles. Um bom psiquiatra, com um remedinho na hora certa, mais do que os políticos de plantão, talvez, para a situação, fosse a melhor ideia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email