Inacreditável: em 2017 se precisa falar de novo “Diretas já”

Quem poderia imaginar que se chegaria a este ponto – o de se precisar invocar o ultrapassadíssimo slogan 'Diretas já'. Algo que não homenageia nenhuma democracia, muito pelo contrário, mas que sempre se presta, requentadamente, para desafiar toda e qualquer ditadura

Brasil, Brasília, DF, 23/04/1984. Manifestação pedindo eleições diretas (Diretas Já) em Brasília (DF). Contato: 08.184.01 - Negativo: 840784/S.3(17) - Crédito:ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:133806
Brasil, Brasília, DF, 23/04/1984. Manifestação pedindo eleições diretas (Diretas Já) em Brasília (DF). Contato: 08.184.01 - Negativo: 840784/S.3(17) - Crédito:ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:133806 (Foto: Jean Menezes de Aguiar)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O Brasil é mesmo uma história surpreendente, com previsibilidade zero.

A grande imprensa e sua futurologia blasé querendo enxergar o 'óbvio' em tudo que acontece, faz um excelente papel. De profeta do passado.

Quem poderia imaginar que se chegaria a este ponto – o de se precisar invocar o ultrapassadíssimo slogan 'Diretas já'. Algo que não homenageia nenhuma democracia, muito pelo contrário, mas que sempre se presta, requentadamente, para desafiar toda e qualquer ditadura.

Pois é, gritar 'Diretas já' cabe. Mas cabe num país sob governo ditatorial, ou minimamente que não respeite o povo e o sufrágio. No Brasil, agora, é a diplomação do absurdo.

Vigendo há décadas uma ótima Constituição – pelo menos na análise interna e técnica de muitos juristas-, plenamente democrática, e o povo legitimamente tendo a necessidade de brigar por eleições diretas. Quem diria este retorno histórico.

Pode parecer um paradoxo o fato de haver desenhada a sucessão presidencial na Constituição e a sociedade pedir 'Diretas já'. Mas 3 fatos somados dão uma causa muito séria à situação.

O primeiro, o fato da convulsão política havida há mísero um ano, com um impeachment desgraçático – e duvidosíssimo- sobre Dilma Rousseff, com repercussões internacionais graves para a história, a economia e o nome do país.

O segundo, um novo pedido de impeachment para Michel Temer, flagrado absurdamente – como se não tivesse um esquema mínimo de segurança que cuidasse do presidente, ou, muito pior, como se tivesse, sim, dispensado todo esse esquema para se mancomunar a coisas ilegais na calada da noite-, em conversa mafiosíssima, ato flagrancial ímpar na história de qualquer país.

O terceiro, os agora remendos de sempre, com figuras inexpressivas ou neo-aventureiras em termos de patamar eleitoral-presidencial como Tasso Jereissati ficarem arvoradinhas e alvissareiras, escolhendo, quando não eles próprios para o cargo, seus parceiros.

É esta soma de vícios sociais – 2 impeachments, cada um medonho por um motivo, e arranjos histéricos do PSDB mesmo antes de seu aliado Temer-agora-que-se-dane cair, de politicagens, que gerou a legítima voz do povo em pedir 'Diretas já'.

Triste a sociedade democrática que precisa pedir diretas já em 2017.

Por outro lado, é-se forçado a ver a Constituição da República e seu sistema de suprimento do cargo presidencial. Mas se sabe, também, que ela é feita, como ensina o Direito Constitucional, de normas 'abertas'. E diante de uma crise da envergadura atual, há toda a plausibilidade para que ela própria 'aceite' novos rumos, desde que democráticos e não violadores de seu espírito maior, como, o de, por exemplo, serem ouvidas as gentes do país.

Nem se fale que haveria viabilidade jurídica com uma proposta de emenda constitucional exatamente para este fim – que existe e está posta-. Mas não se aposta na presteza do político brasileiro em geral para uma 'homenagem' desta envergadura para com o povo do Brasil.

É lamentável a necessidade da invocação das 'Diretas já'. Haverá quem a queira impossível, ante normatividade constitucional 'existente'. Mas a sociedade é a dona do país. Nos países efetivamente democráticos isso pesa acima de qualquer coisa. Não é apenas uma firula filosófica.

Sangre Brasil. Ou reaja. Parece não haver outra saída para você.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247