Interesses dos EUA em ser o único fornecedor de gás e petróleo à Europa dificultam a paz na Ucrânia

Os planos para impedir que a Rússia atue como fornecedora de energia para a Europa e que seja substituída nessa função pelos Estados Unidos já vêm de longa data

www.brasil247.com - Logo da Gazprom em coluna em unidade de processamento de gás na região de Amur, Rússia.
Logo da Gazprom em coluna em unidade de processamento de gás na região de Amur, Rússia. (Foto: REUTERS/Maxim Shemetov)


Pelo visto, o conflito armado deflagrado com a incursão de forças russas em território da Ucrânia deve se estender ao longo do tempo.

Mas, como explicar isto sabendo que as consequências desta guerra estão sendo catastróficas para o povo ucraniano, para o povo russo e para todos os povos europeus?

Se não se chega a um acordo no sentido de possibilitar o cessar das hostilidades bélicas, é preciso indagar o que está por trás das mesmas, visto que nenhum dos povos da região onde se desenrola o confronto parece estar sendo beneficiado por ele. Muito pelo contrário.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira dúvida surge a partir da análise da situação existente antes do início dos choques armados. Se tudo poderia ter sido evitado com a simples concordância do governo da Ucrânia de não se somar à aliança guerreirista da OTAN em sua estratégia de cercar a Rússia, por que os dirigentes ucranianos se recusaram a tomar tal decisão?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em segundo lugar, cabe-nos perguntar quais as razões que levam o governo da Ucrânia e seu presidente a, um dia, dar indicações de concordância com alguma das propostas russas para uma solução negociada dos problemas, para, no dia seguinte, fazer declarações em sentido completamente oposto?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Logicamente, esta constatação é um claro indício de que existem forças interessadas em que a situação de guerra perdure por um bom tempo. Que forças poderiam ser essas? É o que este curto vídeo do link indicado ao final vai tratar de esclarecer.

Podemos adiantar que boa parte do problema está relacionada com um velho desejo dos Estados Unidos de impedir que a Rússia (antes, a União Soviética) desenvolva laços de relacionamento normal com seus vizinhos europeus.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Neste sentido, há muito tempo, os coordenadores da política estadunidense identificaram no fornecimento de hidrocarburantes russos aos países da Europa um dos principais entraves para que os Estados Unidos pudessem manter a totalidade da Europa sob sua inteira submissão.

Por isso, os planos para impedir que a Rússia atue como fornecedora de energia para a Europa e que seja substituída nessa função pelos Estados Unidos já vêm de longa data. A eclosão do atual conflito na Ucrânia é tão somente uma nova oportunidade surgida para que os Estados Unidos ponham em ação sua antiga pretensão de permanecer como a única potência em condições de exercer influência determinante sobre os países europeus.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email