Janaína e o leão desdentado

Colunista do 247, Tereza Cruvinel chama a atenção para as declarações da advogada Janaína Paschoal, que se notabilizou ao subscrever o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ao comentar a decisão do Supremo Tribunal Federal, que definiu o rito do processo e barrou as manobras de Eduardo Cunha, a advogada acusou a Corte de "não fazer a defesa da Constituição como deveria", sugerindo que os ministros tomaram aquela decisão porque "o que o cacique mandar fazer, vai ter que ser feito"; "Quem seria o cacique que comanda a corte? Dilma, que já perdeu algumas disputas ali? O PT, que já teve nomes do quilate de um José Dirceu ou de um Genoíno condenados pelo Supremo?", questiona Cruvinel

www.brasil247.com - Colunista do 247, Tereza Cruvinel chama a atenção para as declarações da advogada Janaína Paschoal, que se notabilizou ao subscrever o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ao comentar a decisão do Supremo Tribunal Federal, que definiu o rito do processo e barrou as manobras de Eduardo Cunha, a advogada acusou a Corte de "não fazer a defesa da Constituição como deveria", sugerindo que os ministros tomaram aquela decisão porque "o que o cacique mandar fazer, vai ter que ser feito"; "Quem seria o cacique que comanda a corte? Dilma, que já perdeu algumas disputas ali? O PT, que já teve nomes do quilate de um José Dirceu ou de um Genoíno condenados pelo Supremo?", questiona Cruvinel
Colunista do 247, Tereza Cruvinel chama a atenção para as declarações da advogada Janaína Paschoal, que se notabilizou ao subscrever o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff; ao comentar a decisão do Supremo Tribunal Federal, que definiu o rito do processo e barrou as manobras de Eduardo Cunha, a advogada acusou a Corte de "não fazer a defesa da Constituição como deveria", sugerindo que os ministros tomaram aquela decisão porque "o que o cacique mandar fazer, vai ter que ser feito"; "Quem seria o cacique que comanda a corte? Dilma, que já perdeu algumas disputas ali? O PT, que já teve nomes do quilate de um José Dirceu ou de um Genoíno condenados pelo Supremo?", questiona Cruvinel (Foto: Tereza Cruvinel)


Janaína Paschoal é uma jovem advogada que se notabilizou ao subscrever, juntamente com o tucano Reale Filho, o pedido de impeachment apresentado pelo ex-petista Helio Bicudo, acolhido pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, horas depois de o PT decidir votar contra ele no Conselho de Ética. Com a assinatura, Janaína foi até promovida a jurista. Em entrevista à rádio Jovem Pan ela desfechou ataques ao STF que nenhum jurista ousou fazer, ao comentar a decisão do tribunal sobre o rito do impeachment que desidratou o projeto da oposição.

 "Eu senti como se tivesse tomado dois murros na cara!", disse Janaína, tentando explicar para os ouvintes sua indignação.

 -  "Não foi pelo impeachment, porque não queremos o impeachment a qualquer custo. Mas a constatação que o STF tomou uma decisão completamente contrária do (sic) que diz a Constituição Federal, isso nos assusta! Porque é aquele sentimento que você constrói um discurso bonito,  impactante, e que pode ser decidido qualquer coisa! A gente se sente inseguro (...) O que o cacique mandar fazer, vai ter que ser feito! (...) Um advogado quando entra em uma causa tem que estar preparado para ganhar ou perder. Mas o meu ressentimento é com essa constatação (sic)  que o STF não faz a defesa da Constituição como deveria" .

Embora a fala dela seja confusa e apesar do atropelo a regências e concordâncias, naturais numa fala ao vivo, a última frase deste texto acima é uma acusação grave. Ela diz que o Supremo “não faz a defesa da Constituição como deveria”, sugerindo que os ministros tomaram aquela decisão porque “o que o cacique mandar fazer, vai ter que ser feito!”. Quem seria o cacique que comanda a corte? Dilma, que já perdeu algumas disputas ali? O PT, que já teve nomes do quilate de um José Dirceu ou de um Genoíno condenados pelo Supremo?

Menos, doutora Janaina. Para insultar a maior corte, em qualquer país democrático, o atacante precisa de muita autoridade moral, política e intelectual. Mesmo discordando deles.

 Os entrevistadores perguntaram o que ela e os outros autores do pedido de impeachment esperam que aconteça agora.

"A bem da verdade, é que o STF falou e ele é a instância final! Até seria possível (entrar com recurso), mas duvido que eles dariam ouvidos. Eu entendo que eles deixaram claro que eles quiseram blindar a Presidente, não sei o motivo. Talvez eles tenham conhecimento de coisas que nós não temos", opinou.

 Aqui ela vai além e diz que os ministros faltaram ao dever para blindar a presidente contra o impeachment. Eu, rábula, acho que ela disse que eles prevaricaram.

 Mas a doutora Janaína não desistiu. Completou dizendo que “agora (a questão) está mais no campo do legislativo do que do judiciário".

É verdade. Definido o rito, quem inventou o impeachment vai ter que embalar Mateus. Mas terá que fazê-lo seguindo as normas definidas pelo STF. Ou seja, elegendo a comissão especial por voto aberto, sem chapas avulsas e, mesmo que a Câmara autorize a abertura do processo, o Senado terá poder para acolher ou não a acusação dos senhores deputados.

Cunha e aliados vão recorrer da decisão do Supremo com embargos declaratórios e isso poderá prolongar o desfecho, como deseja a oposição para continuar sangrando Dilma e impedindo que o governo governe. Mas, depois do STF, o fantasma do impeachment tornou-se parecido com um leão que perdeu os dentes, embora continue rugindo.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247