Janot e a hora dos outsiders

"Se Janot não é candidato, está com pinta de candidato. O problema dos outsiders é que, não dominando os códigos da política e da representação, costumam incorrer em erros que não levam à estabilização política e sim a mais turbulências", diz a colunista Tereza Cruvinel, sobre o estilo cada vez mais político do procurador-geral Rodrigo Janot; "Chegou a hora de quebrarmos também os grilhões do patrimonialismo, de nos libertarmos de um modo de ser que não nos pertence, daquele malfadado jeitinho associado à corrupção da lei que não traduz nossa verdadeira natureza. É hora de nos desvencilharmos da cultura de espoliação e do egoísmo. O país fartou-se desse modelo político", disse ontem o PGR, numa fala típica de candidato

15/10/2014- Brasília- DF, Brasil- O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no STF. Foto: Fellipe Sampaio/ SCO/ STF
15/10/2014- Brasília- DF, Brasil- O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no STF. Foto: Fellipe Sampaio/ SCO/ STF (Foto: Tereza Cruvinel)

A recém divulgada Pesquisa Ipsos mostrou, além da impopularidade de Temer (70% de rejeição), a desaprovação geral da população aos políticos potencialmente candidatos a presidente em 2018 : 56% desaprovam Marina Silva; 63%, Aécio Neves; 68%, Lula; 55%, Geraldo Alckmin e José Serra.   

Em compensação, 55% aprovam Sergio Moro, e 42%, Joaquim Barbosa. Este é o cenário ideal para o surgimento de um outsider, um nome de fora do sistema político tradicional,  sem experiência eleitoral mas com atributos, adquiridos em outras atividades, que os credenciam aos olhos do eleitorado.  É o ideal da Lava Jato: deslegitimar tudo o que está aí para que das cinzas surja o novo.  O procurador-geral Rodrigo Janot não apareceu na pesquisa Ipsos, apenas Moro e Barbosa, mas o discurso que ele fez ontem, na abertura de um seminário,  é perfeito para esta hora propícia aos outsiders.

Entre intenção e a fala  sabe-se lá quantos quilômetros existem mas o discurso foi neste sentido:  acabou-se o sistema e com ele seus atores. É hora de olhar para o novo. Revisitando algumas partes do que disse,  cheias de plural majestático, Janot não pode reclamar desta interpretação. Vejamos.

Numa passagem ele diz que a Operação Lava Jato revelou que políticos e empresários transformaram "o Estado em um clube para desfrute de poucos". "Algumas vozes reverberam o passado e ensaiam a troca do combate à corrupção por uma pseudo estabilidade, a exclusiva estabilidade destinada a poucos. Não nos sujeitaremos à condescendência criminosa: não é isso que o Brasil quer, não é disso que o país precisa". E mais adiante: "Chegou a hora de quebrarmos também os grilhões do patrimonialismo, de nos libertarmos de um modo de ser que não nos pertence, daquele malfadado jeitinho associado à corrupção da lei que não traduz nossa verdadeira natureza. É hora de nos desvencilharmos da cultura de espoliação e do egoísmo. O país fartou-se desse modelo político".

Depois, tratou o procurador de falar não para os participantes do seminário mas para o “grande público”, digamos assim: "temos hoje um déficit de representação política. Um descompasso entre o que quer o eleitor e o que faz o seu representante". "Não chegaremos ao fim dessa jornada pelos caminhos do Ministério Público ou do Judiciário. Esses são peças coadjuvantes no processo de transformação e de aprofundamento dos valores republicanos. A Lava Jato, por si só, não salvará o Brasil, nem promoverá a evolução do nosso processo civilizatório. Para tanto, é indispensável a força incontrastável da cidadania vigilante e ativa".

Vigilante e ativa, manifestando-se por meios diversos e, não precisou dizer com todas as letras, através do voto, da escolha de pessoas não comprometidas com o sistema condenado.

Se Janot não é candidato, está com pinta de candidato. O problema dos outsiders é que, não dominando os códigos da política e da representação, costumam incorrer em erros que não levam à estabilização política e sim a mais turbulências. Outsiders, de certa forma, foram Janio Quadros e Fernando Collor mas não eram completamente estranhos à política. Faltava-lhes a experiência no plano nacional, que Dilma também não tinha.  Um perfeito outsider é o candidato republicano nos Estados Unidos, Donald Trump.

Profecias do mercado

Em fevereiro o banco Goldman Sachs fez uma avaliação da conjuntura brasileira e, entre outras previsões pessimistas, apontou o cenário favorável ao surgimento de um candidato outsider em 2018. As conclusões foram assinadas por Alberto Ramos, diretor de pesquisa para a América Latina.  Elas incluem previsão de queda do PIB entre 3% e 4%,  inflação acima de 7%, dólar entre R$ 4,30 e R$ 4,40 e aumento do desemprego para dois dígitos, o que é "socialmente e politicamente desafiador". Foi antes do afastamento de Dilma mas o quadro não mudou.

Com o gasto público estourado e a resistência a novos impostos, enfrentar o problema fiscal será "muito difícil" e a perspectiva para reformas de médio prazo são "sombrias", diz o banco. Pulando para 2018, avaliou que “dado o desencantamento e a rejeição ao status-quo político, há risco crescente da emergência de um candidato populista outsider de fora do establishment."

Um outsider não é, necessariamente, populista.

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247