Jornalões falam da intervenção no Rio sem analisar as causas e debater as verdadeiras soluções

No Valor Econômico, três manchetes em sua capa falam sobre o tema, atribuindo a penúria financeira dos estados como uma das causas da violência e chamando a intervenção de “popular e de alto risco”. O Globo discute tentativas de fugas ocorridas nos presídios do Rio. Folha e Estadão seguem a linha de justificar meios extremos com exemplos pautáveis

No Valor Econômico, três manchetes em sua capa falam sobre o tema, atribuindo a penúria financeira dos estados como uma das causas da violência e chamando a intervenção de “popular e de alto risco”. O Globo discute tentativas de fugas ocorridas nos presídios do Rio. Folha e Estadão seguem a linha de justificar meios extremos com exemplos pautáveis
No Valor Econômico, três manchetes em sua capa falam sobre o tema, atribuindo a penúria financeira dos estados como uma das causas da violência e chamando a intervenção de “popular e de alto risco”. O Globo discute tentativas de fugas ocorridas nos presídios do Rio. Folha e Estadão seguem a linha de justificar meios extremos com exemplos pautáveis (Foto: Luiz Henrique Dias)

Nesta segunda-feira, no Valor Econômico, três manchetes em sua capa falam sobre o tema, atribuindo a penúria financeira dos estados como uma das causas da violência e chamando a intervenção de “popular e de alto risco”. 

O carioca O Globo discute as rebeliões e tentativas de fugas ocorridas nos presídios do Rio durante o final de semana,  inclusive com detentos armados dentro das unidades. 

Os jornais paulistas Folha e Estadão seguem a linha de justificar meios extremos com exemplos pautáveis, como a velha questão das entregas por parte dos Correios em áreas consideradas “de risco” das grandes cidades. 

Mas pouco se abordou sobre a complexidadeda situação. 

A intervenção do governo federal, através das forças armadas, em um Estado da Federação gera ainda muitas dúvidas e deixa algumas perguntas:

I. os resultados práticos serão realmente efetivos ao longo prazo ou apenas paliativos, como aconteceu nas Olimpíadas ou em outras ações menores do Exército na cidade?

II. medidas outras, como a melhoria dos investimentos em áreas sociais, serão também pensadas para no futuro essa situação extrema não ser nunca mais necessária e para se acabar com o caos carioca de forma definitiva? 

III. o Brasil vai debater de forma soberana e racional a legalização das drogas como medida comprovada de diminuição da violência urbana?

IV. é certo utilizarmos forças armadas - cujo papel é a proteção da nação contra ameaças externas - para legitimar e institucionalizar uma guerra contra civis dentro de nosso próprio território? 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247