Judiciário a serviço da banca

Depois de o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, defender a privatização da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a UERJ, o procurador-geral da República Rodrigo Janot, no retorno de Davos, também defendeu o fim das aposentadorias

Depois de o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, defender a privatização da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a UERJ, o procurador-geral da República Rodrigo Janot, no retorno de Davos, também defendeu o fim das aposentadorias
Depois de o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, defender a privatização da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a UERJ, o procurador-geral da República Rodrigo Janot, no retorno de Davos, também defendeu o fim das aposentadorias (Foto: Esmael Morais)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Depois de o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo, defender a privatização da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a UERJ, o procurador-geral da República Rodrigo Janot, no retorno de Davos, também defendeu o fim das aposentadorias.

Janot voltou ao país encantado com o "deus mercado", ou seja, firmou convicção no Fórum Mundial Econômico da Suíça de que a saída — para os ricos, é claro — é o neoliberalismo com suas desregulamentações, privatizações de universidades e petróleo, etc.

A última de Janot foi concordar com a tramitação do fim das aposentadorias no Congresso Nacional. O procurador negou pedido de entidades sindicais para suspender a emenda constitucional (PEC 287/2016 ) por ferir a Constituição e os direitos dos trabalhadores.
Retorno agora ao Supremo.

Há dez dias, Barroso escreveu um artigo no Globo defendendo a privatização do sistema de ensino no Brasil. Falou o que quis, ouviu o que não quis.

"Um ministro do STF propõe privatizar universidades. Que tal substituir o STF por tribunal arbitral privado?", disparou na época o senador Roberto Requião (PMDB-PR).

As posições pró-mercado do chefe do Ministério Público Federal e do ministro do STF são provas consistentes de que o Judiciário, assim como a Lava Jato, sucumbiu à lógica do Consenso de Washington e do mercado em detrimento aos interesses nacionais.

Portanto, não basta eleições direitas à Presidência da República para "purificar" o país dos golpistas. É necessário refundar o judiciário contaminado pelas ideias mercantis contrárias à dignidade humana e à Constituição Cidadã de 1988.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email