Juiz Lenz do TRF-4 é partidário, pensa que fala à Nação e espera tirar Lula da corrida presidencial

As palavras do juiz Carlos Eduardo Lenz denotam, sorrateiramente, enquanto compreensível àqueles que têm a mínima capacidade de interpretar declarações, textos e palavras, que é necessário julgar em tempo hábil, ou seja, até agosto de 2018 para condenar Lula em segunda instância, a interligar o julgamento do líder popular e favorito a vencer as eleições presidenciais com o calendário eleitoral

Abertura da caravana Lula por Minas Gerais, em Ipatinga. Em defesa da Soberania Nacional. #LulaPeloBrasil #LulaPorMinasGerais Foto Ricardo Stuckert
Abertura da caravana Lula por Minas Gerais, em Ipatinga. Em defesa da Soberania Nacional. #LulaPeloBrasil #LulaPorMinasGerais Foto Ricardo Stuckert (Foto: Davis Sena Filho)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O juiz e presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, não consegue se segurar quanto à sua vaidade e vontade de aparecer; e, com efeito, deita falação quando se aproxima do magistrado a imprensa de negócios privados, golpista por natureza e vocação, que, nos últimos anos, tem pautado juízes, procuradores e delegados da PF, porque os interesses políticos e econômicos dos magnatas bilionários de todas as mídias cruzadas e oligopolizadas estão, neste País, à frente de quaisquer necessidades e demandas da maioria da população brasileira.

Contudo, como já disse, o juiz Carlos Eduardo Lenz se sentiu magnetizado pelos holofotes das mídias de mercado, e vaticinou como se fosse um sujeito alienado e desprovido de senso comum e de responsabilidade: "Minha expectativa inicial é que até agosto do ano próximo o Tribunal já estaria em condições de julgar este processo. É um interesse da própria Nação e dos réus envolvidos".

"Tá tudo muito bom, tá tudo muito bem, mas realmente...", como diria o pessoal da banda Blitz, se não fosse visível e perceptível a perseguição ao ex-presidente Lula, que há mais de três anos sofre com uma caçada midiática e judiciária feroz e sem trégua, sendo que os juízes, procuradores e delegados compreendem essa sórdida e infame situação, sem sombra de dúvidas, bem como sabem que impedir o político mais importante do Brasil de concorrer às eleições de 2018 se tornou uma questão de responsabilidade dos juízes políticos e partidários diretamente envolvidos com a caça ao Lula.

As palavras do juiz Carlos Eduardo Lenz denotam, sorrateiramente, enquanto compreensível àqueles que têm a mínima capacidade de interpretar declarações, textos e palavras, que é necessário julgar em tempo hábil, ou seja, até agosto de 2018 para condenar Lula em segunda instância, a interligar o julgamento do líder popular e favorito a vencer as eleições presidenciais com o calendário eleitoral.

O magistrado, na verdade, quis dizer o seguinte: "Aí Nação, deixe com a gente a interdição da candidatura Lula, já que a direita deu um golpe, tomou de assalto o Orçamento da União e mesmo assim, incompetente que é e sempre o foi, afundou a economia do País e ainda vende a preço de banana o patrimônio público nacional para cobrir o rombo promovido por esses incompetentes, que não têm um único candidato competitivo".

É por aí... Ou alguém por mais obtuso, incoerente e analfabeto político que seja tem dúvida de que o Judiciário e o Ministério Público Federal se associaram e se tornaram um único partido de direita e de toga, sustentado pelo contribuinte e que tem por propósito impedir que o Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula assumam legalmente e democraticamente o poder, como sempre fizeram em suas histórias?

Será que tem gente que duvida dos propósitos desses togados e meganhas que se mostram dia a dia completamente distanciados e alienados das questões brasileiras, porque o Brasil está a ser doado ou entregue em uma bandeja aos estrangeiros por criminosos que tomaram de assalto a Presidência da República, sendo que essa gente que se veste com a cor preta dos carrascos considera que o Lula é "ladrão".

"Ladrão" sem ter roubado, porque não existem quaisquer provas cabais e materiais que possam incriminá-lo, a despeito de sua absurda condenação política por parte do midiático Sérgio Moro, um juiz parcial e partidário, ligado umbilicalmente aos tucanos, que em sua própria sentença condenatória sobre o apartamento do Guarujá reconhece que o MPF não comprovou que o Lula tenha se beneficiado ilegalmente para ter um apartamento que nunca pertenceu ao ex-presidente, bem como ele jamais se aproveitou de seu cargo para obter vantagens pessoais.

Este é o fato, a realidade e não as justificativas de carácteres mequetrefes para as convicções partidárias e ideológicas do juiz Moro e dos procuradores Deltan Dallagnol, Carlos Fernando Santos Lima e Roberson Pozzobon, autores do powerpoint leviano e mentiroso, que se baseou apenas em convicções de cores políticas e que têm a finalidade de perpetuar Lula nas páginas histéricas de uma imprensa burguesa, que demoniza diariamente o político de esquerda que tem 40% das intenções de votos, o que o transforma em um fenômeno eleitoral e histórico.

Se é assim por meio de convicções levianas, seletivas, parciais e, sobretudo, injustas, eu e milhões de brasileiros temos também a plena convicção de que os operadores da Lava Jato cometeram inúmeros crimes no decorrer dos processos contra o Lula e sua família, seus amigos, funcionários e advogados, bem como cometem crimes de lesa-pátria contra o Brasil e seu povo, porque aliados políticos de um golpe de estado terceiro-mundista, mas violento, que tem, dentre incontáveis propósitos, impedir que o PT e o Lula reconquistem o poder retirado deles por um golpe contra a presidente legítima e constitucional, Dilma Rousseff.

Golpe, diga-se de passagem, arquitetado por criminosos, com a aquiescência e cumplicidade inacreditável e surreal do STF, que poderia ter impedido que os golpistas consumassem seus crimes, a ter o presidiário Eduardo Cunha, o Romero Jucá, o *mi-shell temer, o José Sarney, o Aécio Neves e o José Serra, dentre muitos outros peemedebistas, tucanos e próceres do DEM e do PPS à frente desse processo diabólico, que rebaixou o Brasil, humilhantemente e vergonhosamente, a uma condição terrível de republiqueta bananeira.

A republiqueta cucaracha de "elite" miameira e destroçada, pois destruída em todos os setores e segmentos sociais, políticos e econômicos. A Banânia com a cara e o espírito de porco da casa grande escravocrata deste País, que, com absoluta certeza, tem vocação para o erro e o fracasso. A Nação bananeira cujos coxinhas de classe média cometem suicídio coletivo, porque se voltam contra seus próprios direitos, benefícios e garantias. Trata-se de uma aberração que deveria ser estudada por psiquiatras e sociólogos, a ter os coxinhas perpetuamente em divãs... Porque essa gente é realmente digna inclusive de estudos antropológicos. Nunca vi nada igual em qualquer país desenvolvido ou subdesenvolvido.

Os coxinhas brancos e da classe média tradicional são, indelevelmente, a antítese da antítese da antítese do que é inteligente, sensato, solidário e patriótico, porque pessoas que não possuem nem o espírito de preservação no que é relativo a defender a soberania, a independência e os interesses do Brasil e de seu povo.

Pelo contrário, eles são completamente colonizados e seus complexos de vira-latas demonstram o quanto as classes privilegiadas e remediadas, de uma forma ou de outra, sentem-se desconfortáveis em seu próprio País, pois mesmo no decorrer de gerações ainda são desprovidas de identificação nacional, bem como pensam que segurar a bandeira do Brasil e o hino nacional, dentre outras formalidades "cívicas", é o suficiente para demonstrar seus "amores" à Pátria. Ledo engano. Hipocrisia, cinismo e ignorância. Tudo junto...

Acontece que é público e notório o ódio e o desprezo que essa gente profundamente preconceituosa e de autoestima baixíssima, apesar da arrogância e da prepotência, sente pelo Brasil, sendo que é por isto que pararam de ir às ruas e, consequentemente, combater o desmonte criminoso do Estado nacional e os ataques dignos de bestas-feras perpetrados por bandidos golpistas aos direitos e garantias dos trabalhadores e do povo em geral.

E o que isto tem a ver com o presidente do TRF-4, o juiz Carlos Eduardo Lenz? Respondo-lhes: tudo! Não somente com o TRF-4 ou com seu presidente de forma isolada, porque tudo faz parte de conspiração e manipulação de grupos sociais levadas a cabo por diversos setores e segmentos conservadores da sociedade, que não aceitaram a quarta derrota consecutiva da direita brasileira em eleições presidenciais.

Assim como também incomodava, no âmbito internacional, o papel de destaque do Brasil quanto à sua diplomacia independente nos governos petistas, que afrontava os interesses da burguesia nacional e, principalmente, a hegemonia dos Estados Unidos na América Latina, a ser o Brasil ainda um dos formuladores da criação de novos espaços de poder em âmbito mundial, a exemplo dos Brics, do G-20, do Parlatino, do Mercosul e da Unasul, sendo que os dois últimos blocos praticamente inexistem como vozes ativas e deliberativas após o golpe de estado acontecido no Brasil.

O gigante sul-americano que voltou a ser, a despeito de seu tamanho econômico e importância política, um paíseco de terceiro mundo atrelado à órbita norte-americana. Passamos então a realizar, no desgoverno dos usurpadores e bárbaros *mi-shell temer/PSDB, a diplomacia macaquita com a cara da casa grande colonizada e subalterna, aquela que tira subservientemente os sapatos sem a mínima vergonha na cara e amor próprio. A diplomacia da casa grande cucaracha à moda coxinha bananeira e com um porrete nas mãos para roubar o Brasil e seus trabalhadores.

E o que diz o meritíssimo desembargador sobre tudo isto que ocorre no reino da Banânia? Nada sobre nada. Aliás, os juízes das mais baixas às altas instâncias, os procuradores, os promotores, os delegados etc. e tal não estão nem aí, porque não pensam o Brasil e muito menos têm noção de soberania, projetos estratégicos, desenvolvimento econômico, independência política e poder de barganha junto às nações.

Não sabem nem como funciona um governo de coalizão e quais são os procedimentos mais comezinhos no que é relativo à governança. Não sabem nada porque ignorantes e a cuidarem durante décadas apenas de suas regalias e ganhos monetários, como comprovaram os togados e meganhas no decorrer do tempo no que tange à Lava Jato.

Trata-se, a maioria e sem generalizar, de "mauricinhos" e "patricinhas" a manterem o status quo e a personalizarem suas alienações, ignorância e arbitrariedades. São eles irremediavelmente divorciados das realidades e das necessidades do povo brasileiro. Não se importam e demonstram sem dar margem à dúvida em suas cretinas e preconceituosas declarações pelas redes sociais e até mesmo em entrevistas.

Será que algum ou alguma cara pálida ainda tem dúvida sobre a conduta, os valores e os princípios de certos togados e meganhas?! Vá, então, às redes sociais e veja o que pensam certos tipos de juízes, procuradores e delegados. É de arrepiar, porque pensamentos assombrosos repercutidos por aqueles que zelam pela Lei. É de amargar...

Os juízes que irão julgar o Lula e o que já julgou, a impor-lhe uma condenação de nove anos e meio são partes intrínsecas deste desditoso e perverso contexto político e social que vive o Brasil. Não resta dúvida quanto a isto. O problema é que esses caras estão realmente dispostos a intervir na política brasileira e, com efeito, impedir que o Lula dispute a corrida presidencial em 2018, sem terem comprovado de que o líder trabalhista incorreu em ilegalidades para se beneficiar.

Esta é a questão principal e a que realmente importa. Se o Lula tivesse cometido crimes, como, por exemplo, foi comprovado com os caras que são do grupo de *mi-shell temer e que estão presos, ou com os tucanos que são sócios de um golpe violento, que se desmoralizaram e sabem que não elegem ninguém para ser presidente, além de terem em suas hostes inúmeros políticos e lideranças que comprovadamente incorreram em crimes, segundo filmagens, gravações, fotos, contas bancárias no exterior e documentos conseguidos pelo MPF e PF, a exemplo de Aécio Neves, Geraldo Alckmin, FHC, José Serra e Aloysio Nunes Ferreira, que sempre foram blindados ou protegidos inclusive pelos barões e empregados da imprensa de negócios privados.

E o que aconteceu? Nada! Não há um único tucano do PSDB, do DEM e do PPS preso no Brasil, pelo menos de relevância. Vou mais além: não há um único tesoureiro tucano preso, sendo que o doleiro principal dos tucanos está livre, leve e solto. Agora vamos à pergunta que não quer calar: Por quê? Vou repeti-la: Por quê? Eu já respondi a esta pergunta um milhão de vezes e o leitor que lê meus artigos sabe disso. Ou não sabe?

Neste contexto, o leitor que responda por mim. Ou melhor: Juiz e presidente do TRF-4, Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, o que o meritíssimo acha ou considera sobre prender o Lula e não serem presos os tucanos? Responde-me, por favor, meritíssimo: os tucanos e o PSDB são i-nim-pu-tá-veis ou estão subordinados a uma Constituição elaborada somente para quem tem bico grande e voo curto, um voo que só chega ao poder por meio de golpe de estado?

Afinal, lembro a vossa excelência que quando o senhor abre a boca ou deita falação, apesar que o correto e republicano é se ater aos autos do processo, a imprensa de mercado e entreguista também considera, por ter instinto de malandra e ser oportunista, que o senhor desembargador está a falar à Nação. A Nação que, entrelinhas, deve ter percebido que o magistrado que preside o TRF-4 dará uma de Dom Pedro I e, para o "bem da Nação", impedirá que o ex-presidente Lula concorra à Presidência da República, sem cometer crimes, ou seja, ter roubado.

Quero ainda asseverar que o senhor magistrado não me representa e, por sua vez, não fala por mim e nem por dezenas de milhões de brasileiros que desejam votar em Lula por acreditarem que ele não roubou, assim como realizou o governo mais responsável, popular, democrático e vitorioso dos últimos 50 anos. Pode acreditar.

Afinal, o juiz Lenz já deve, do alto de sua nobreza e importância, ter lido ou se certificado dos números, dos índices, dos gráficos e dos resultados econômicos e sociais dos governos Lula e Dilma. É o mínimo que se espera de um juiz, apesar de eu saber que grande parte do Judiciário e do Ministério Público ignorar a realidade e as provas, a não se importar com nada, a não ser consolidar o golpe que humilhou, desmoralizou e envergonhou a maioria dos brasileiros perante a comunidade internacional. Banânia!!!

De antemão, o Partido dos Trabalhadores, por intermédio de sua presidente, a senadora Gleisi Hofmann, já avisou: "Com condenação no TRF-4 ou sem condenação no TRF-4, Lula será candidato de qualquer maneira". A luta será renhida, árdua, porque o PT terá de recorrer aos tribunais e, por seu turno, franquear as comprovações junto aos juízos, que observem simplesmente e pragmaticamente as leis.

A observância do Código Penal e da Constituição, de maneira que cheguem à conclusão de que o ex-presidente Lula não roubou, como está a ser comprovado por dezenas e dezenas de pessoas que prestaram depoimentos e isentaram o ex-mandatário de participação em crimes, além dos documentos, comprovantes, recibos, declaração de imposto de renda apresentados pelos advogados de Lula aos operadores da Lava Jato e a outros tribunais.

Lula teve seu sigilo telefônico, suas contas bancárias, suas redes sociais abertas ou quebrados pela PF e o MPF, além de ter sua casa, seu escritório, seu Instituto invadidos, assim como seus parentes e amigos sofreram também com tais invasões. Nada, mas nada mesmo foi encontrado. Mesmo assim Lula foi condenado.

Lula não tem conta no exterior, e como "chefe de quadrilha" é muito incompetente, porque nunca se viu um chefe tão bocó, afinal qualquer delinquente das quadrilhas que assaltaram os cofres públicos obteve, de forma ilícita e ilegal, verdadeiras fortunas, enquanto isso o Lula fica a visitar o sítio de Atibaia, que nunca foi dele, bem como foi comprado com cheque administrativo, conforme comprovado à Justiça, o que dificulta corrupção, além de ter "comprado" um apartamento no Guarujá que nunca pertenceu ao Lula, segundo o juiz Moro, volto a ressaltar, em sua própria sentença condenatória. É o fim da picada!

É como se fosse o teatro de absurdo ou história fantástica. Será que alguém com o juízo em dia não teria a consciência, a sensatez e a inteligência de pensar que o Lula não teria dinheiro para comprar um sítio ou um apartamento? Imagine! Só mesmo togados e meganhas compromissados com a luta política e partidária para acreditar em uma coisa absurda dessa e com o apoio da imprensa de mercado, que é o alicerce fundamental do golpe de 2016.


Por isso que o juiz Sérgio Moro sempre disse: "A imprensa é fundamental para a Lava Jato continuar seus trabalhos de investigação". Está escrito nas estrelas há muito tempo: a Justiça, o MPF e a PF têm nome: golpe! Luiz Inácio Lula da Silva não roubou e será candidato a presidente da República. Setores do Judiciário se tornaram o Partido da Justiça, a atuar no campo da direita e a servir vergonhosamente o establishment — o promotor do status quo. Sem Justiça não há paz! É isso aí.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247