Lançada campanha nacional de boicote aos postos da Shell no Brasil

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

“Brasileiros tem de reagir ao esbulho da nação”  

reproducao

A Federação Nacional dos Petroleiros – FNP lançou neste domingo (31/01) uma campanha nacional de boicote aos postos da Shell no Brasil. Na realidade tudo indica que os interesses da a Shell são a principal causa do desmonte que vem sofrendo a Petrobrás e a sangria do povo e da economia brasileira o que vai ao encontro das reivindicações dos caminhoneiros em sua paralisação. 

Mais do que nunca vemos presente a frase da carta testamento de Getulio Vargas : 

“Quis criar a liberdade nacional na potencialização de nossas riquezas através da Petrobrás. Mal a empresa é criada a agitação se avoluma ....Eles não querem que o Brasil seja independente...Eles não querem que o povo seja livre”

Nossas riquezas estão sendo escandalosamente entregues para a sanha do capital internacional. O povo brasileiro precisa reagir. 

Leia no site da FNP http://www.fnpetroleiros.org.br/noticias/6430/federacao-nacional-dos-petroleiros-convoca-atos-de-apoio-a-greve-dos-caminhoneiros  

reproducao1

A política de preços da Petrobrás – PPI 

Desde o final de 2015, ainda no governo Dilma, e estando a Petrobrás sob o comando de Aldemir Bendine, com a queda do preço internacional do petróleo, a Petrobrás mantem no mercado interno preços acima do internacional. 

Com o início do governo Temer (maio/2016), Pedro Parente assumiu a presidência da Petrobrás e em 14 de outubro/2016, oficializa uma política de preços que posteriormente passou a ser conhecida como Preço de Paridade de Importação – PPI.

Com esta política os preços adotados pela Petrobrás para alguns combustíveis produzidos em suas refinarias (primeiramente gasolina e diesel, depois também para o gás) passaram a ser calculados como se o produto fosse importado. 

Ou seja, a Petrobrás toma como base o preço internacional no mercado americano, soma a ele o custo de frete até o Brasil, soma o custo de internação (porto, alfandega etc), o custo de transporte até as refinarias, adiciona um seguro para garantia de estabilidade de câmbio e preço do produto e finalmente atribuiu um lucro. 

Os preços assim artificialmente elevados permitem que refinarias no exterior coloquem seus produtos no Brasil tomando mercado da própria Petrobrás.

Esta política prejudica o consumidor brasileiro que mais caro do que deveria. Prejudica a Petrobrás que fica com ociosidade em suas refinarias. Prejudica a econômica brasileira que fica menos competitiva com custos desnecessariamente elevados.

Os beneficiados são as refinarias no exterior os traders internacionais e os importadores no Brasil. 

A esdruxula justificativa dada pela Petrobrás é de que o Brasil é um mercado de livre concorrência e as distribuidoras tem de ter o direito de escolher entre comprar os combustíveis da Petrobrás ou importar. 

Vejam que esta foi uma decisão tomada de livre e espontânea vontade da direção da Petrobrás pois não havia qualquer queixa por parte dos distribuidores.  

Aliás, criada em 1953, a empresa sempre adotou uma política de preços com base nos seus custos de produção e na capacidade de pagamento do brasileiro. Assim a Petrobrás se desenvolveu sem precisar de ajuda de ninguém. Nunca teve reclamações de distribuidores, revendedores ou caminhoneiros. 

Resta perguntar se os administradores da Petrobrás são brasileiros ou representam interesses de empresas ou capitais internacionais.

Uma empresa em especial está sendo extraordinariamente beneficiada com esta política da preços: a Royal Dutch Shell. 

Graças ao PPI passou a exportar para o Brasil de suas refinarias no golfo do Mexico, em sociedade com a saudita Saudi Aranco, cerca de 200 mil barris dia de combustíveis. Em torno de US$ 15 milhões dia. 

Isto é apenas coincidência ou premeditado?

reproducao3

A Medida Provisória – MP da Shell (do trilhão) 

Esta mesma Royal Dutch Shell em 2016 comprou a Britsh Gás-BG, empresa que entre outras atividades era a maior produtora de petróleo no Brasil, depois da Petrobrás. 

Em 2017 o governo Temer enviou ao Congresso Nacional a MP 795 isentando de impostos as petroleiras estrangeiras na exploração e produção de petróleo no Brasil. 

A MP previa uma renúncia de receitas de R$ 50 bilhões por ano até 2022. 

Quando foi verificado que o ministro do comercio do Reino Unido, Greg Hands, veio ao Brasil fazer lobby no Congresso Nacional, a MP passou a ser conhecida como MP da Shell. 

O relator da matéria deputado Júlio Lopes (PP-RJ) ampliou o prazo do beneficio de 2022 para 2040, e assim a Lei 13.586/2017 foi aprovada, com renúncia de receitas de R$ 1 trilhão, e perda de 1 milhão de empregos de brasileiros. 

Hoje a Shell produz mais de 400 mil barris dia de petróleo no pre-sal brasileiro. Exporta sem pagar qualquer imposto.

No inicio da colonização brasileira o pau-brasil era retirado mas pelo menos os índios recebiam alguns brindes (espelhos, machados etc). Hoje nada fica. 

Isto é apenas coincidência ou premeditado ?

A Abicom – empresa de fachada 

Em julho de 2017 foi criada a Associação Brasileira dos Importadores de Combustiveis – Abicom, formada por um grupo de 9 importadores. 

Como no Brasil existem perto de 200 importadores, a Abicom não seria muito importante se não fosse sua sistemática atuação junto ao CADE (Conselho de Defesa Economica) que chegou a justificar um Termo de Compromisso (TCC) da Petrobrás para venda da suas refinarias, num processo absurdo. Afinal o Cade foi criado para a defesa econômica das empresas brasileiras e dos brasileiros ou dos investidores estrangeiros ?

Ocorre que o presidente da Abicom é nomeado por uma empresa chamada Greenergy, com sede no Reino Unido, onde tem diversas plantas de refino em sociedade com a Royal Dutch Shell. 

Isto é apenas coincidência ou premeditado ?  

A venda da refinarias 

Atualmente a Petrobrás está finalizando a venda da Refinaria Landulfo Alves – Rlan na Bahia, para o fundo de investimento Mubadala da Arabia Saudita. Como fundos de investimentos não administram refinarias, quem os leitores acreditam que vai administrar a Relan se o negócio for fechado.

No Brasil a Shell em sociedade com a Cosan formou a Raizen, empresa que está prestes a comprar a Refinaria Getulio Vargas – Repar no Paraná. 

Isto é apenas coincidência ou premeditado. 

Conclusão 

Vamos abraçar o boicote lançado pela FNP. Os verdadeiros brasileiros tem de reagir ao esbulho da nação.Temos a obrigação de defender o futuro de nosso filhos e netos. O Brasil não póde ser uma eterna colônia.  Este movimento se associa e complementa a paralisação dos caminhoneiros.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email