Lava Jato pagou para ver e quebrou a cara

cc; "O sinal de ontem é de mudança na situação política, mesmo lenta e parcial, que também atinge o governo Bolsonaro: em quase 100 dias no Planalto, não apresentou nenhuma ideia para criar empregos ou reforçar o bem-estar do povo". 

Lava Jato pagou para ver e quebrou a cara
Lava Jato pagou para ver e quebrou a cara

Por Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia - O fiasco das manifestações convocadas neste domingo para servir de escudo aos abusos contra o Estado Democrático de Direito mostra um sinal de mudança na situação política do país. 

Principal instrumento para a construção de um regime de exceção, a  Lava Jato pagou para ver -- e perdeu a aposta.  O objetivo óbvio de manifestações convocadas em tom de megalomania mas que só foram capazes de reunir dezenas de gatos pingados era realizar uma demonstração de força favorável a operação, devastada por um escândalo de R$ 2,5 bilhões em torno de uma fundação criada à margem da legislação brasileira, para cumprir tarefas que a Constituição reserva a autoridades eleitas pelo voto popular.

Em cinco anos de existência, a Lava Jato e seus porta-vozes foram tratados em clima de salvadores da pátria pelos grandes jornais e revistas do país. Neste domingo, nem a mídia mais amiga animou-se a defender uma denúncia bilionária de desvio de recursos públicos e transações suspeitas. A mesma máquina de comunicação da mídia corporativa que em 2015 chamava os brasileiros à rua, para bloquear o segundo mandato de Dilma, cruzou os braços. Entregou  Deltan Dallagnol, Joyce Hasselman & Cia à própria sorte.

Não se trata de uma ocorrência casual mas um sintoma maior. 

Capaz de manter apoio integral às  propostas econômicas de Paulo Guedes-Bolsonaro, a mídia corporativa já enxerga uma situação de risco politico no futuro do país,  que lhe parece difícil de enfrentar na presença de um governo sem compromissos  maiores com a democracia. Essa visão explica a postura distanciada -- e até crítica -- dos grandes jornais diante de várias iniciativas de Bolsonaro, a começar por seu discurso de apelo a violência.

Separados pela origem e pela respeitabilidade diferenciada, a Lava Jato e o governo Bolsonaro se encontram no mesmo barco depois que Sérgio Moro aceitou uma vaga no ministério.

Se os destinos se uniram, o fiasco de domingo mostra que a aliança política entre o juiz e o capitão produziu um efeito corrosivo sobre a imagem imaculada de Moro  e da Lava Jato -- no fundo, era isso que estava em causa, ontem.  

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O sinal de ontem é de mudança, mesmo lenta, parcial, sujeita a reversões. Ao ficar em casa, os eleitores que votaram a favor de Bolsonaro em outubro se mostram menos engajados, menos comprometidos com o  governo -- e há razões objetivas para esse distanciamento aumentar em futuro próximo.

Às vésperas de completar 100 dias no governo, o governo Paulo Guedes-Bolsonaro não apresentou uma única ideia para criar empregos ou reforçar o bem-estar de brasileiros e brasileiras.

Prioridade absoluta do Planalto, até agora o nefasto projeto de reforma da Previdência só contribuiu para ampliar a marcha dos descontentes e desencantados. O mais importante é que os próprios eleitores de Bolsonaro já começam a dar sinais de indignação diante de uma proposta que consideram como uma verdadeira traição. É o que se vê num vídeo -- disponível nas redes sociais -- no qual o deputado Boca Aberta (PROS-PR) desafia o presidente no qual votou a explicar-se no Congresso. 

Num sinal de que os problemas podem ser ainda maiores, no prazo de uma semana dois dos principais formuladores econômicos do PSDB, André Lara Rezende e João Sayad, publicaram críticas demolidoras contra a política econômica de Paulo Guedes em geral -- e os fundamentos da reforma da Previdência em particular.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247