Lavajatismo, bolsonarismo, globismo, jornalismo...

O que a mídia pode representar para a Historiografia? Tudo e nada

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O que a mídia pode representar para a Historiografia? Tudo e nada.

Tudo, em função  da liberdade de expressão e apreço pela verdade; e nada, quando ocorre o lobismo empresarial e os interesses capitais dos projetos pessoais, que se fazem acima do bem e do mal.

Quando seguimos os preceitos fidedignos que se inserem no código representativo da profissão de jornalista: há um sacerdócio na função, porém como o  "liberalismo" é altamente contagioso, e afeta ao longo do tempo, as mentes e os corações dos indivíduos, os jornalistas não fogem à regra.

A declaração de uma jornalista global demonstra isso cabalmente, quando diz: "...O coronel Hugo Chávez era um amador…". Tal afirmativa é parte de um artigo redigido por   profissional imersa na mídia corporativa  comparando a gestão do ex-presidente da Venezuela com a performance do atual presidente brasileiro.

Agora é momento de refletirmos sobre a afirmação, em questão: Quem foi Hugo Chávez? Foi filho de pais professores, e filho de um país latino-americano  com o IDH de 0.711, apesar do recuo em dezesseis posições nos últimos cinco anos. Mesmo assim, o índice de desenvolvimento humano venezuelano está a frente do Brasil, que ocupa o octogésimo lugar no ranking.

O petróleo do país que hoje possui um presidente socialista, e ex-maquinista, o senhor Nicolás Naduro - conta com uma reserva do "ouro negro"  em torno de 300 bilhões de barris. E a educação no país demonstra que o seu antecessor, o tenente coronel Chávez, apesar da patente, tinha o sonho de igualdade em seu coração, por isso tornou-se um anti-imperialista e um anticapitalista que no ano de 1992 fez cair o fantoche da vez.

O bolivarianismo era seu sonho, porém depois de três mandatos, um tumor cancerígeno ceifou sua vida, logo após sua reeleição à presidência, em 2013. Assumindo seu vice, que está no comando do país que teve sua "liberdade" e independência conquistada pelo empreendedorismo de líderes como Simón Bolívar. 

O iluminismo trouxe a valorização da razão ao mundo. O "lavajatismo" trouxe através do maneirismo um golpe travestido de combate à corrupção. E o bolsonarismo, filho do lavajatismo, dilacera a redemocratização instituída pós-golpe militar de 1964 e Golpe de 2016.

E o jornalismo? Se divide em um tipo que subestima a ética e o serviço social e  gera um jornalismo de cativeiro e coleira. Aquele jornalismo que se aproveita da baixa cognição de pessoas incautas, que enxergam em brincos brilhantes, olhos verdes, cabelos louros e patente global: traços de excelsa confiabilidade e proficiência.

Ainda bem que a segunda parcela oriunda da divisão é composta por jornalistas comprometidos (principalmente) com o que reza o artigo 4 do capítulo II do Código de Ética dos jornalistas, de agosto de 2007.

  #FORADESIGUALDADE

  #LEIABRAZILEVIREBRASIL

  #BRASIL247JORNALISMODEVERDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email