Legando banditismo e fanatismo como exemplos, Lava Jato dá motivos para a extinção do MP

Para o jornalista Jeferson Miola, "não se trata de meros desvios institucionais, mas estamos diante de uma instituição que se mostra nefasta, deletéria e ameaçadora à sociedade e à democracia". Confira seu artigo

(Foto: Reuters | ABr | ASCOM)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção tentou assassinar uma juíza na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, na capital paulista.

Segundo noticiou o saite Conjur – Consultor Jurídico [aqui], o procurador “invadiu o gabinete da juíza Louise Filgueiras, convocada para substituir o desembargador Paulo Fontes, em férias, e chegou a acertar uma facada no pescoço dela, mas o ferimento foi leve”.

Outras notícias ainda mencionam que o ferimento foi próximo à veia jugular que, se atingida, poderia ter causado a morte da juíza.

O procurador aparentava estar em estado de surto no TRF3, e pronunciava fanaticamente frases sobre “acabar com a corrupção no Brasil”.

O procurador ainda invocava o exemplo homicida do ex-chefe do MPF Rodrigo Janot, dizendo que deveria ter entrado armado no tribunal, ‘para fazer o que Janot deixou de fazer’”.

Se poderia estar diante de mais uma corriqueira tentativa de homicídio por uma pessoa transtornada e desatinada, mas não é este o caso presente. Validar essa hipótese, inclusive, seria irresponsável e atentatório à democracia.

O fato envolve um procurador federal, da carreira da Fazenda Nacional, que se reconhece ideologicamente – ou religiosamente – como alguém imbuído da “missão” de combater a corrupção no país,  decerto missão divina, atribuída exclusivamente a esses seres, os procuradores de qualquer tipo.

O procurador também parece se considerar onipotente e inimputável, com poder supremo inclusive para tirar a vida dos desafetos que atrapalham a realização da missão da sua vida.

Este acontecimento doentio e inconstitucional segue um exemplo, um modelo; e é forçoso se reconhecer que este exemplo/modelo é a Lava Jato.

O fanatismo que beira à loucura religiosa e que inspirou o procurador Assunção é uma marca dos procuradores mais engajados da Lava Jato, como o pastor batista Deltan Dallagnol, que capturou o discurso do combate à corrupção para praticar a corrupção direta em proveito próprio, e para praticar a corrupção do sistema de justiça do Brasil com propósitos políticos e partidários.

O banditismo da força-tarefa, fartamente comprovado pelas revelações do Intercept e confessado no livro do Janot [aqui], que confessa sua personalidade homicida-suicida, é a outra inspiração do procurador Assunção.

O lastimável nisso tudo é a falta de indignação de procuradores e procuradoras decentes do MPF, que devem ser a maioria dos 1.151 em atividade, e que não se insurgem contra a proteção corporativa e institucional, via ANPR, CNMP, PGR, Corregedoria do MP assegurada a colegas que, a despeito da vocação criminosa, também pertencem à carreira de procuradores [aqui, aqui, aqui].

O fruto podre da força-tarefa da Lava Jato não compromete somente o combate à corrupção e a carreira dos procuradores, mas atinge de morte o Ministério Público.

Legando como exemplos o bandidismo e o fanatismo, a Lava Jato dá motivos de sobra para a extinção do Ministério Público. Não se trata de meros desvios institucionais, mas estamos diante de uma instituição que se mostra nefasta, deletéria e ameaçadora à sociedade e à democracia.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247