Leitura da última pesquisa

Segue tudo muito indefinido, com os mesmos personagens de outras eras embolados no meio de campo, Bolsonaro absoluto no reinado da coxilândia e Lula dando as cartas lá da PF de Curitiba

Belo Horizonte- MG- Brasil- 06/02/2015- Ex-presidente Lula discursa em evento que comemora os 35 anos do PT. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula
Belo Horizonte- MG- Brasil- 06/02/2015- Ex-presidente Lula discursa em evento que comemora os 35 anos do PT. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula (Foto: Sebastião Costa)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A saída de Joaquim Barbosa das eleições presidenciais foi comemorada nas hostes de Marina, soltaram-se foguetões no PDT de Ciro, espoucaram champanhe no ninho tucano, dançaram forró no arraial petista.

Velório nos guetos socialistas e muita desesperança na galera que habita o andar de cima. Aquela mesma que juntou Congresso, mídia e judiciário numa mesma farsa para interromper a ordem democrática do país e aniquilar a carreira política do nordestino que andou de pau-de-arara.

As comemorações pela desistência do ministro estão montadas no seu prestígio dentro do espectro político atual, conduzido pelo monopolismo midiático, tendo a ética como protagonismo absoluto.

Acrescente-se a isso, o seu perfil extraído de uma mixagem que envolve o intelectualismo de FHC e o pedigree humilde de Lula.

De um lado, arrastaria simpatizantes nas classes mais confortáveis da sociedade e do outro, atrairia a atenção do pessoal que vagueia pelos batentes mais humildes da pirâmide social.

E batendo panelas com muita disposição, setores da imprensa tradicional.

Tudo muito compreensível!

A direita pós-golpe, fale-se a pura verdade, ficou sem rumo, sem prumo e sem candidato. Candidato competitivo, esclareça-se!

Essa turma não tem mais estômago para suportar o militarismo ditatorial pregado por Bolsonaro (basta de 64!); a imagem de Marina, frágil e ao mesmo tempo atrelada ao seu radicalismo ecológico não desperta muita confiança.

Na reserva, apenas o eterno candidato, como diria Cláudio Lembo, da elite branca paulista, o tucano Geraldo Alckimin, que atolado na imagem golpista de seu partido, enrolado nas falcatruas de seu governo e enroscado com as traquinagens de Aécio, desceu a ladeira e foi se arrastar nos 4,5%, bem abaixo de Bolsonaro e Marina e comendo poeira de Ciro Gomes.

E o desespero tomou conta dos gabinetes refrigerados da burguesia nacional, quando as últimas pesquisas enxergaram Lula, mesmo depois de todos os massacres e prisão, imbatível, se for candidato, e decisivo (1/3 do eleitorado vota em que ele indica) se a farsa de sua prisão for mantida.

Noves fora, segue tudo muito indefinido, com os mesmos personagens de outras eras embolados no meio de campo, Bolsonaro absoluto no reinado da coxilândia e Lula dando as cartas lá da PF de Curitiba.

Esse país anda muito esquisito!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247