Lições da Argentina: quem semeia ódio e opressão, colhe tempestade!

É bom ressaltar que o grande indicador da vitória da Frente de Todos é o triunfo de Axel Kicillof, jovem ex-ministro da economia de Cristina Kirchner, que com cerca de 52,5% contra 34,5% derrotou a atual governadora macrista da província (estado) de Buenos Aires, Maria Eugênia Vidal.

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O povo argentino acaba de dar uma lição exemplar para o Macri e todos os governos neoliberais da região latino-americana, começando pelo Brasil de Bolsonaro. 

A contundente vitória do peronismo-kirchnerismo da “Frente de Todos” nas Primárias do domingo, onde o povo saiu massivamente a votar de norte a sul do país, como se já fossem as eleições decisivas de outubro, indicam a consciência popular para ser protagonista já, e colocar um basta à destruição do país , sob a condução do governo Macri. Não se aguenta mais, a fome, o desemprego, o tarifaço, as mentiras, as injustiças, o “lawfare”, o estado de guerra a que a Argentina foi reduzida nestes 3 anos e meio! “Nós, os argentinos, começamos a escrever outra história”, diz o candidato presidencial, Alberto Fernández, vencedor em 22 províncias (estados), com exceção de Córdoba.

Numa eleição onde houve cerca de 75 a até 80% de participação dos aptos a votar, Alberto Fernández e Cristina Kirchner, ao vencerem com larga diferença de 16 pontos (49,2,3% contra 33,1% de Macri/Pichetto) permitem prever uma irreversível vitória já no primeiro turno de 27 de outubro, a ponto de Macri já declarar-se derrotado antes do anúncio oficial dos resultados e amedrontar os eleitores, no dia posterior às eleições, com nefastas manobras político-econômicas que paralisam o país. 

É bom ressaltar que o grande indicador da vitória da Frente de Todos é o triunfo de Axel Kicillof, jovem ex-ministro da economia de Cristina Kirchner, que com cerca de 52,5% contra 34,5% derrotou a atual governadora macrista da província (estado) de Buenos Aires, Maria Eugênia Vidal. Vencer na província de Buenos Aires, que comporta um quarto da população do país, é de importância social crucial.  No amplo município industrial de Matanza, cuja prefeita é Verônica Magário e candidata a vice-governadora de Axel Kicillof, a Frente de Todos chegou a ganhar com 40 pontos de diferença. 

A unidade das forças políticas progressistas e dos movimentos sociais tem sido fundamental; sobretudo, em se tratando de que não se trata de uma simples coalisão de forças, de acordos do “toma lá e dá cá”, mas sim, uma frente programática muito clara de projeto popular de governo anti-neoliberal e de país soberano, como exposto na campanha eleitoral de Alberto e Cristina. Ao mesmo tempo, é bom avaliar que a recuperação do peronismo na província de Buenos Aires não se dá somente porque a pobreza chega ao fundo do poço e o neoliberalismo cai por si só pelas contradições interiores de interesses econômicos das altas finanças com parte da burguesia. A atuação de quadros políticos e das lideranças sindicais e populares na capacidade de mobilizar o povo, como Cristina Kirchner, senadora perseguida pelo “lawfare” no largo destes anos contra as privações impostas por Macri, tem sido um largo e exemplar trabalho. Kicillof, o mesmo para o qual a ONU por unanimidade tirou o chapéu quando enfrentou os fundos abutres e o FMI na ONU, percorreu sem parar, desde a derrota de 2015, mais de 90 mil km, conversando com o povo, indo nas escolas, clubes de vizinhança, sindicatos e até movimentos religiosos. A mídia independente contracorrente, resistentes rádios, jornais populares, um canal de TV (C5N), e perseguidos jornalistas da Telam têm cumprido uma função de desmonte das fakenews e conscientização popular durante estes 4 anos de perseguição macrista. E seguem a batalha da informação até que a vitória de outubro seja garantida.

Terrorismo financeiro na Argentina contra o voto democrático e popular

Um retrato visível da crise incontrolável que o resultado destas Primárias geram no governo, é o disparar da falta de credibilidade por parte do chamado “mercado financeiro”, com o risco país subindo a 1700 em poucas horas, e a queda de 59% das ações na Bolsa de valores, a subida disparada do dólar que passa de 45 a 60 pesos em um dia pós-eleições, com grandes consequências inflacionárias. Macri, abatido pela derrota eleitoral, em entrevista coletiva à imprensa, tenta reverter de forma cínica e ameaçadora, contra o kirchnerismo, o boomerang da crise, criado pela dependência total do seu governo ao FMI e às finanças internacionais. 

Macri, desrespeitando a democracia e o voto popular, responsabiliza a Frente de Todos e o kirchnerismo pelo caos e a reação dos mercados, cria o clima de terror: "Se o kirchnerismo vencer, esta é só uma mostra do que vai ocorrer. É tremendo o que pode ocorrer!”. É uma extorsão contra o eleitorado. Com uma economia recessiva e paralisada pela ameaça de explosão incontrolada da alta dos preços no consumo, combustíveis e energias, e o salario mínimo descendendo a 215 dólares (menos da metade do governo de Cristina Kirchner), o governo de Macri tentará usar todas as manobras para reverter em dois meses o seu fracasso nas eleições primárias, até 27 de outubro, quando tudo (fakenews, trolls oficialistas, tentativa de fraude eletrônica) fracassou. Um manifesto assinado por um grupo de cientistas, intelectuais e escritores protesta: “Não ao terrorismo financeiro. Que Macri respeite a democracia e a decisão das urnas”. 

Uma justa análise é feita pelo psico-analista e escritor argentino, Jorge Alemán: “É um caso insólito, nunca visto na história dos países autodenominados democráticos: um presidente ameaça seu próprio povo pelo suposto desgosto dessa abstração que ele denomina “os mercados” “. É certo também que a massiva vitória da Frente de Todos, seja um índice, na Argentina como no Brasil, de que mentiras não colam mais, sobretudo ditas por figuras presidenciais já popularmente caracterizadas como psicopatas. 

O povo que já inaugurou com festejos e alegria no “bunker” eleitoral a vitória eminente da “Frente de Todos” para as eleições de outubro, no tradicional bairro popular de Chacarita em Buenos Aires, circula hoje com esperança e organização determinado a livrar-se definitivamente, dentro de 2 meses, dos saqueadores da Argentina. Um grupo de cientistas, intelectuais e escritores sai na ofensiva com um manifesto denunciando o terrorismo financeiro e que Macri respeite a democracia e a decisão das urnas. Desta forma, a cidadania está alerta ao golpe, para poder cumprir mais uma vez o papel histórico do peronismo e estender um braço à Venezuela, ao México e à recuperação da década integradora da América do Sul. Sem dúvida que a Argentina estará presente nas manifestações de hoje no Brasil contra Bolsonaro/Moro, e na abertura das portas para que Lula seja livre.

Helena Iono, correspondente em Buenos Aires

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247