Lira coloca Câmara a serviço do jogo enganador de Bolsonaro e cúpulas militares

"Lira faz o jogo diversionista do governo militar, que passou a encampar a falsa de manipulação das pesquisas em lugar da fraude das urnas", diz Jeferson Miola

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro e Arthur Lira
Jair Bolsonaro e Arthur Lira (Foto: Agência Brasil)


Por Jeferson Miola, para o 247 

Arthur Lira, o notório colaboracionista do fascismo que safou Bolsonaro de dezenas de pedidos de impeachment e que coordena o bilionário orçamento secreto, agora coloca a Câmara dos Deputados a serviço da estratégia de Bolsonaro e dos generais no ataque às pesquisas eleitorais.

Lira faz, assim, o jogo diversionista do governo militar, que passou a encampar a bandeira falsa de manipulação das pesquisas em lugar da falsa bandeira de fraude das urnas.

Com isso, Bolsonaro e as cúpulas militares ganham um relevante aliado institucional na cruzada antidemocrática que promovem com a instalação do clima de caos, tumulto, instabilidade e arruaça no país.

A Câmara deveria agir de modo contrário e se sintonizar com a demanda da sociedade, da imprensa nacional e de outras instituições civis, como o TCU, TSE e o STF.

O país inteiro continua aguardando a prestação de contas das Forças Armadas em relação à apuração paralela realizada no dia 2 de outubro com desperdício de dinheiro público e uso das estruturas do Estado brasileiro.

Sintomaticamente, no entanto, as Forças Armadas e o general-ministro da Defesa silenciaram em relação à denúncia de fraude das urnas que eles mesmos irresponsavelmente alardeavam aos quatro ventos.

A razão do silêncio é evidente: as urnas não só não foram fraudadas, como a apuração mostrou um resultado favorável a Bolsonaro. O silêncio ilegal e abusivo dos fardados não surpreende a quem acompanha e manja as manobras diversionistas e enganadoras deles.

Para seguir a estratégia de avacalhação no segundo turno, Bolsonaro e as cúpulas militares simplesmente deixaram de lado a mentira sobre as urnas, como se o assunto nunca tivesse existido, embora tenha sido fabricado por eles mesmos, e passaram a alimentar a usina de mentiras e raciocínios torpes sobre pesquisas eleitorais.

Sob a presidência de Lira, portanto, a Câmara dos Deputados também passa a integrar, de modo orgânico e operacional, a poderosa máquina bolsonarista de corrupção, abuso e banditismo político-eleitoral.

Lira abusa do poder do cargo e corrompe o papel da Presidência da Câmara dos Deputados. A decisão deste colaboracionista do fascismo representa uma inversão total de valores, pois ele articula o Legislativo com a engrenagem da extrema-direita fascista, ao invés de fortalecer a democracia e preservar a independência dos poderes da República.

A Câmara deveria estar na linha de frente da defesa da democracia ante a intimidação e as ameaças criminosas de Bolsonaro e das cúpulas partidarizadas das Forças Armadas às instituições civis e ao Estado de Direito.

Se estivesse vivo, Tancredo Neves não hesitaria em subir à tribuna da Câmara dos Deputados para dirigir ao deputado Arthur Lira o merecido adjetivo dirigido ao senador Auro Moura Andrade, o então presidente do Congresso que em 2 de abril de 1964 se agachou aos militares golpistas e declarou falsamente que Jango havia abandonado a Presidência do Brasil: “canalha, canalha, canalha!”.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247