Lula estava era puto. E com razão

Cientista político Luis Felipe Miguel relata que em seu depoimento prestado à Justiça Federal em Brasília, o ex-presidente Lula "ouviu perguntas de um procurador infantil, que queria porque queria passar um vídeo do Youtube que 'provaria' que Lula controlava todas as nomeações da Petrobrás", ou que teve que explicar também porque cometeu o "grave crime de conversar sobre política na sede do seu instituto"; "E o que a Folha tem a dizer é que Lula 'se preparou longamente' para o interrogatório, mas 'parecia bastante nervoso'. Com o perdão dos especialistas em lulogestologia da Folha, para mim, muito mais do que nervoso, Lula estava era puto. E com razão", afirma 

Cientista político Luis Felipe Miguel relata que em seu depoimento prestado à Justiça Federal em Brasília, o ex-presidente Lula "ouviu perguntas de um procurador infantil, que queria porque queria passar um vídeo do Youtube que 'provaria' que Lula controlava todas as nomeações da Petrobrás", ou que teve que explicar também porque cometeu o "grave crime de conversar sobre política na sede do seu instituto"; "E o que a Folha tem a dizer é que Lula 'se preparou longamente' para o interrogatório, mas 'parecia bastante nervoso'. Com o perdão dos especialistas em lulogestologia da Folha, para mim, muito mais do que nervoso, Lula estava era puto. E com razão", afirma 
Cientista político Luis Felipe Miguel relata que em seu depoimento prestado à Justiça Federal em Brasília, o ex-presidente Lula "ouviu perguntas de um procurador infantil, que queria porque queria passar um vídeo do Youtube que 'provaria' que Lula controlava todas as nomeações da Petrobrás", ou que teve que explicar também porque cometeu o "grave crime de conversar sobre política na sede do seu instituto"; "E o que a Folha tem a dizer é que Lula 'se preparou longamente' para o interrogatório, mas 'parecia bastante nervoso'. Com o perdão dos especialistas em lulogestologia da Folha, para mim, muito mais do que nervoso, Lula estava era puto. E com razão", afirma  (Foto: Luis Felipe Miguel)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Entre as acusações contra Lula, aquelas lançadas por Delcídio do Amaral estão entre as mais insubstanciais. Ontem, ele foi depor diante de um juiz que o chamava de "seu Luíz Inácio" - quando a praxe, nos círculos do poder, é usar sempre o cargo mais alto ocupado, no caso "presidente".

Ouviu perguntas de um procurador infantil, que queria porque queria passar um vídeo do Youtube que "provaria" que Lula controlava todas as nomeações da Petrobrás (uma fala de palanque banal, em que o ex-presidente dizia que ninguém tinha dado tanta atenção à empresa quanto ele). Teve que explicar também porque cometeu o grave crime de conversar sobre política na sede do seu instituto. Lula respondeu a tudo com calma, mas sem esconder a indignação.

E o que a Folha tem a dizer é que Lula "se preparou longamente" para o interrogatório, mas "parecia bastante nervoso". Eu não tinha notado que ele estivesse tão nervoso assim, mas a Folha explica. Ele coçou o bigode com o indicador direito. "Quem o conhece interpreta o gesto como sinal de nervosismo".

Com o perdão dos especialistas em lulogestologia da Folha, para mim, muito mais do que nervoso, Lula estava era puto. E com razão.

(Artigo originalmente publicado no Facebook do autor)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247