Lula mais ou menos livre

"Segundo as leis atuais Lula é, ao mesmo tempo, inocente o suficiente para ter liberdade de ir e vir, porém culpado o suficiente para seus eleitores não poderem votar nele", escreve Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia. "O punido não é somente ele, são milhões de brasileiros que desejavam e foram impedidos de elegê-lo em 2018"

(Foto: Ricardo Stuckert)

Por Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia

Ainda não é aquela liberdade desejada, completa, mas já é alguma. O STF, por 6 a 5 colocou Lula com os dois pés para fora da cela de Curitiba, o que põe fim à ilegalidade de que estava sendo vítima, mas não lhe devolve a plena cidadania.

Apesar de a partir de ontem não poder ser considerado culpado no caso do tríplex, ainda assim Lula não recuperou o direito de ser votado porque suas condenações até à terceira instância continuam valendo.

É esdrúxulo, mas verdadeiro: segundo a constituição, ele ainda não tem culpa; segundo a Lei da Ficha Limpa já é culpado, sim. Pois se não fosse culpado de algum delito não poderia ser impedido de concorrer a eleições.

Ou não é culpado e tem todos os direitos de qualquer cidadão ou é culpado e não tem direito algum.

Mas segundo as leis atuais Lula é, ao mesmo tempo, inocente o suficiente para ter liberdade de ir e vir, porém culpado o suficiente para seus eleitores não poderem votar nele.

O punido não é somente ele, são milhões de brasileiros que desejavam e foram impedidos de elegê-lo em 2018, como mostravam todas as pesquisas e continuam sendo impedidos de votar nele.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Ao vivo na TV 247 Youtube 247