Lula que se cuide

Jornalista Leandro Fortes compara a situação de Lula à de Hugo Chávez, que também foi preso. "A diferença fundamental é que, ao sair da prisão, Chávez, ele sim, estava livre. Lula está apenas solto. As engrenagens que o levaram, inocente, ao cárcere ainda se mantêm, senão íntegras, fortemente ativas no Poder Judiciário e no Ministério Público"

Lula na vigília em Curitiba
Lula na vigília em Curitiba (Foto: Ricardo Stuckert)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Leandro Fortes, para o Jornalistas pela Democracia - Assim como Hugo Chávez, ao sair da prisão em que lhe meteram os golpistas venezuelanos, em 2002, Lula pediu paz e preconizou que o amor há de vencer o ódio, ao deixar a Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. 

A comparação é exagerada, mas não descabida. Chávez voltou ao poder, com apoio das Forças Armadas e de uma população politizada, pronta para a guerra. Naquele momento, incitar um conflito levaria o país a uma guerra civil. 

Lula teve essa mesma percepção, aliás, deu continuidade a ela: poderia ter conduzido as massas a defendê-lo, quando foi preso, mas preferiu se entregar e fazer da paciência uma virtude. Conseguiu.

A diferença fundamental é que, ao sair da prisão, Chávez, ele sim, estava livre. Lula está apenas solto. As engrenagens que o levaram, inocente, ao cárcere ainda se mantêm, senão íntegras, fortemente ativas no Poder Judiciário e no Ministério Público.

Sérgio Moro é uma serpente ferida. Dois dias antes da decisão do STF sobre a segunda instância, tentou prender a ex-presidenta Dilma Rousseff. No mesmo dia, mandou agentes da PF invadirem a cela de Lula para intimá-lo a depor, uma ação tão absurda quanto ridícula.

É de se esperar que, com Lula solto, novas investidas do tipo sejam levadas a cabo. Porque é bastante provável que Moro, desmoralizado pelos vazamentos do Intercept Brasil e pelas sucessivas derrotas no STF, acabe apelando para alguma medida desesperada.

Lula que se cuide.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247