Lula voltou maior de Curitiba

Realizado na sede da República da Lava Jato, o comício em defesa de Lula confirma "a ruptura do clima de consenso artificial construído em torno da Lava Jato e da perseguição ao mais popular presidente de nossa história republicana", escreve Paulo Moreira Leite, colunista do 247, presente ao ato. "Não foi uma ação entre amigos, mas uma manifestação popular, onde marcaram presença os eleitores mais humildes, que se reaproximam de Lula aos saltos, na mesma velocidade em que ocorre o desmanche dos empregos e salários", descreve. Num fator que ajuda o crescimento da mobilização pelos direitos de Lula, "a luta popular também tem sido estimulada pelos conflitos da camada de cima da pirâmide, onde se briga pelos rumos da Lava Jato e pela tragédia da economia", conclui PML

Lula
Lula (Foto: Paulo Moreira Leite)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A multidão que aguardou por quase dez horas pela aparição de Lula e Dilma no palanque da praça Santos Andrade, no centro de Curitiba, na noite de quarta-feira, testemunhou um momento histórico da resistência dos brasileiros contra o golpe de maio-agosto de 2016.

A mobilização popular em busca da defesa de direitos ameaçados por Temer-Meirelles e pela restauração do Estado  Democrático de Direito ainda parece longe do ponto de chegada mas realizou um avanço inegável, como uma caminhada em que se dobra uma esquina em direção ao ponto de chegada. Reunindo uma massa respeitável de mulheres e homens que se apertavam num dos pontos tradicionais da capital do Paraná, o ato sinalizou – justamente na sede da República de Curitiba -- para a ruptura do clima de consenso artificial construído em torno da Lava Jato e da perseguição a Lula, cenário indispensável para toda iniciativa de excluir da cena política o mais popular presidente de nossa história republicana. 

Não foi uma ação entre amigos, embora eles tenham marcado presença. Foi uma manifestação popular, que mobilizou os brasileiros e brasileiras de várias camadas, mas uma grande parte daquela  parcela mais larga que reside no degrau inferior da pirâmide social,  que tanta falta fez aos candidatos do PT nas eleições municipais – e que, aos saltos, pressionada pelo desmanche de empregos e salários, se reaproxima de Lula, como mostram as pesquisas eleitorais para presidente.     

Ao longo do dia, viveu-se na praça Santos Andrade um ambiente onde a tensão permanente que sempre acompanha a Lava Jato havia sido reforçada por duas novas medidas intimidatórias. A primeira foi absurdo decreto de suspensão do Instituto Lula sem qualquer razão consistente. A outra foi a proibição de que a defesa pudesse gravar a audiência, pedido que tem base legal. Numa conjuntura em que o próprio juiz Sérgio Moro divulga vídeos pela internet, o veto ao segundo vídeo apenas garantiu que a mídia adversária de Lula fizesse o trabalho de sempre, num espetáculo editado conforme suas escolhas e preferencias, sempre previsíveis.  

Lula transmitia muita confiança sobre seu desempenho diante de Moro quando subiu ao palco. Era possível perceber – pelo tom de voz, pelo jeito desembaraço, pela segurança nos comentários improvisados -- que sentia-se vitorioso, o que contagiou o publico logo de cara.

Ele fez um pronunciamento curto e incisivo, em tom pessoal e compreensivelmente emocionado. Após o discurso de encerramento, da porta voz das ocupações Ana Julia, o  ato se dispersou num ambiente de confraternização, onde a sensação de vitória se somou a sensação de dever cumprido.

Veteranos que atravessaram a luta contra a ditadura militar não conseguiam evitar as lágrimas.

Um grupo de professoras que tomou um ônibus em Belo Horizonte passou o dia se divertindo com a palavra de ordem “Lula seu ladrão, roubou meu coração”.

Seis militantes que passaram dois dias numa viagem de 4000 quilômetros de Natal a Curitiba, onde desfilavam com duas bandeiras – do Estado e da capital distante – se aprontavam para o caminho de volta, convencidos de que o esforço tinha valido à pena.

A certeza de que se assistia a um episódio único em suas vidas fez muita gente acompanhar os discursos de celular na mão, seja para fotografar, seja  para transmitir som e imagem aos amigos, pelo Facebook. “Não consigo enxergar nada, só celulares ”, protestou, a poucos metros do palanque,  um sujeito de terno, acompanhado da namorado. Calou-se quando alguém rebateu: “É pelo interesse público”.  

Doze dias depois da greve geral, o ato de quarta-feira foi uma demonstração da capacidade de organização das entidades empenhadas na defesa dos direitos de Lula. Sindicatos e confederações se mobilizaram, em companhia do Partido dos Trabalhadores, do MST e do MTST. Foi uma vitória política e também logística, que envolveu promover uma manifestação de peso num único ponto do país. Num sinal da temperatura aquecida em que o país se encontra, o dia se encerrou com o início dos preparativos para uma concentração em Brasília, 24 de maio, para combater a reforma da Previdência.

A retoma das mobilizações  não ocorre no vazio, mas faz parte de uma conjuntura política propícia para o crescimento das manifestações das camadas debaixo, que costumam ganhar fôlego quando se acirram os conflitos nas  camadas de cima. Em maio de 2017, as  mesmas vozes engravatas que se mostraram eternamente  unidas para afastar Dilma e garantir carta branca para Sérgio Moro e a Lava Jato, agora travam uma luta aberta pelos rumos da operação.  

O conflito entre o PGR Rodrigo Janot e Gilmar Mendes, até ontem o mais influente ministro do STF, é bastante ilustrativo sobre limites aceitáveis para o estado de exceção. Aquilo que parecia líquido e certo para Janot já não parece garantido Gilmar, num conflito que, mesmo envolvendo denuncias de parte a parte contra familiares respectivos, envolve questões muito além de convicções e compromissos de um ministro do Supremo e o chefe do Ministério Público.

Principal aliado da Lava Jato entre os grupos de mídia, com uma credibilidade particular entre os membros do judiciário, o Estado de S. Paulo publicou um editorial em 10/5/2017 que é uma demonstração contundente de que acabou-se o tempo da unanimidade e do apoio incondicional. Combatendo a mitologia construída em torno da operação em seu cerne, o jornal diz que “é perniciosa a tentativa de transformar a Lava Jato na grande panaceia nacional.” O problema dessa postura “perniciosa”, nas palavras do editorial, é claro: “além de não tirar o país da crise, esse modo (de conduzir a Lava Jato) inviabiliza a saída para a crise.” O Estadão vai além. “Sendo importantes, os atos da Lava Jato não podem substituir a verdadeira prioridade nacional. Há uma profunda crise econômica, social, política e moral, que precisa com urgência ser combatida. Reconhecer essa hierarquia de valores não é um apoio velado a impunidade. É simplesmente não fechar os olhos, por exemplo, aos 14 milhões de desempregados.”

Ninguém tem o direito de aguardar uma postura piedosa em benefício de Lula. Seus adversários, que não se resumem a um único jornal,  já patrocinaram vergonhosas tentativas de destruir sua reputação como cidadão e líder popular, num insubstituível trabalho preparatório à Lava Jato. A perseguição não se apoia em nenhum valor moral. Apenas reflete o  tratamento que os 1% que mandam no país reservam aos inimigos de classe.

A novidade é que há rachaduras no pacto de dominação que conduziu o país até aqui – e por essa brecha a mobilização popular pode avançar. Nesta situação, o destino de Lula está longe de resolvido e são muitos os perigos a espreita, trabalhando além de qualquer consideração jurídica, como nós sabemos. Mas ele voltou para São Paulo maior do que saiu. Este foi o saldo da jornada na República de Curitiba.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247