Luto pelos mil dias

www.brasil247.com - Jair Bolsonaro em Nova York
Jair Bolsonaro em Nova York (Foto: Alan Santos/PR)


O Estado de S. Paulo, quase um século e meio de defesa dos fazendeiros paulistas, líder do movimento contra Getúlio Vargas, algumas vezes censurado, mas coerente no conservadorismo político e liberalismo econômico, na página A3, dedicada a suas matérias editoriais (Notas & Informações), sob o título Negacionismo energético, registrou (23/09/2021): “cada vez mais, um misto de negacionismo, improviso e perversidade se consolida como a marca do governo também na área econômica”.

O Estadão não mudou de lado, esteve com todos os embusteiros, sem base política, mas que representavam o conservadorismo em 1960, Jânio Quadros, em 1989, Fernando Collor, e, agora, em 2018, Jair Bolsonaro. O Estadão não gosta dos pobres, dos miscigenados, da esquerda, seja ou não democrática. É, definitivamente, um jornal das elites que governam secularmente o Brasil, elite de base fundiária e financeira.

Por que então esta oposição ao Bolsonaro?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Talvez a primeira pista seja a palavra “improviso”, do editorial. Mas não devia surpreender. Jair Messias foi claro para a plateia de empresários da direita estadunidenses ao afirmar que veio para desconstruir, e não para construir. "O Brasil não é um terreno aberto onde nós iremos construir coisas para o nosso povo. Nós temos que desconstruir muita coisa", afirmou Bolsonaro e, também, disse ter sido eleito com base num preceito bíblico sobre a verdade (!).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Se bem medida, esta manifestação do mito carrega toda insanidade de sua “administração”. Um enviado de Deus, sem projeto para o País, sem capacidade administrativa, cercado de oportunistas e igualmente incapazes administrativamente.

Agora pretende comemorar seus mil dias de desgoverno. Mas comemorar o que? Quase 600 mil mortes pela corrupção, negativismo, incompetência ministerial no trato do covid 19? Que ainda nesta semana (19 a 25/09), diante da plateia de chefes de Estado, na ONU, mostrou desconhecer a diferença de vírus e bactéria e de como se os tratam.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A inflação em alta, o Produto Interno Bruto (PIB) em baixa, os juros em alta, o desemprego crescendo assustadoramente, e a violência assombrando as grandes, pequenas e médias cidades, as paulistas em especial, embora sem exclusividade.

A educação nas mãos tremendamente evangélicas, nem de longe parecidas com as jesuíticas que os paulistas devem recordar com saudade, lembrando seus fundadores.

O editorial conclui com o seguinte parágrafo:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Vinte anos depois (da crise que custou a eleição de José Serra), racionamento se tornou palavra proibida no governo. Interessado apenas em sua reeleição, o presidente Jair Bolsonaro se esconde atrás da figura do ministro Bento Albuquerque (que prefere um ministério a manter sua postura militar), escalado para fazer os impopulares pronunciamentos sobre o tema em rádio e TV”.

E, como o instrumento mais usual deste governo, espalhando informações desencontradas, que nem mesmo ajudam a economizar água.

Faltou ao Estadão, se realmente irá manter sua postura oposicionista, sugerir o luto pelos mil dias de governo, na próxima semana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email