Luz para poucos

O golpe impôs a retirada de direitos e dilapidação da soberania e do patrimônio nacional. O próximo ataque atende pelo nome de privatização da Eletrobras. Temos pautado nosso discurso em duas frentes: a preocupação com o aumento das tarifas e com o fim do regime de cotas. A primeira de fácil diálogo com a sociedade. A segunda uma bandeira que não está clara para todos

O golpe impôs a retirada de direitos e dilapidação da soberania e do patrimônio nacional. O próximo ataque atende pelo nome de privatização da Eletrobras. Temos pautado nosso discurso em duas frentes: a preocupação com o aumento das tarifas e com o fim do regime de cotas. A primeira de fácil diálogo com a sociedade. A segunda uma bandeira que não está clara para todos
O golpe impôs a retirada de direitos e dilapidação da soberania e do patrimônio nacional. O próximo ataque atende pelo nome de privatização da Eletrobras. Temos pautado nosso discurso em duas frentes: a preocupação com o aumento das tarifas e com o fim do regime de cotas. A primeira de fácil diálogo com a sociedade. A segunda uma bandeira que não está clara para todos (Foto: Jandira Feghali)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O golpe impôs uma dura pauta de retirada de direitos e dilapidação da soberania e do patrimônio nacional. O próximo ataque atende pelo nome de privatização da Eletrobras. Neste, temos pautado nosso discurso em duas frentes: a preocupação com o aumento das tarifas e com o fim do regime de cotas. A primeira de fácil diálogo com a sociedade. A segunda uma bandeira que ainda não está clara para todos.

Em setembro de 2012, a presidenta Dilma assinou uma Medida Provisória (MP 579, convertida na Lei nº 12.783/13) que alterou a forma de composição das tarifas de energia. Até então a fórmula incluía uma taxa de amortização, mesmo para as concessionárias que já haviam saudado suas dívidas e, portanto, sem saldo a amortizar. Havia também uma taxa de risco hídrico que todos os consumidores, residenciais ou industriais, pagavam como forma de compensar as concessionárias em caso de crise hídrica. A medida excluiu ambas as taxas.

Mas o principal avanço da MP foi o regime de cotas. O texto garantia a renovação de concessões por 30 anos para as empresas que aderissem ao regime. Essa mudança implicou em redução imediata das tarifas de energia elétrica que passaram de mais de R$ 100,00 por megawatt-hora para menos de R$ 30,00 por megawatt-hora. Uma drástica redução que beneficiou milhões de consumidores.

Mas o que é o regime de cotas? Nada mais do que uma mudança de conceito. A lógica do regime é que a energia é um bem essencial e não pode se submeter aos interesses do mercado ou colocar em risco os outros usos da água. As empresas, beneficiadas com a renovação da concessão, não podem decidir quanto de energia gerar de acordo com suas avaliações de maior ou menor lucro. Devem gerar uma cota suficiente ao abastecimento e entregar 100% da sua produção de energia a preços controlados. Com isso, os múltiplos usos da água são respeitados e não se coloca em disputa a função social e o lucro. A medida mirou no uso predatório de um recurso fundamental, a água, e acertou.

O fim do regime de cotas, além de elevar imediatamente as tarifas das geradoras e das distribuidoras, resultará em grave risco de desabastecimento em locais onde entenderem de baixa lucratividade. Estimativas iniciais indicam que essa elevação alcançará os 17%. A renda extra obtida irá para o bolso dos novos controladores privados e dificilmente gerará os investimentos de longo prazo que serão necessários para aumentar nossa capacidade de geração de energia.

A Eletrobras é a maior holding do setor elétrico da América Latina, a 16ª maior empresa de energia do mundo e uma das 5 maiores geradoras hidrelétricas do mundo em capacidade instalada. O impacto das alterações efetivadas em 2012 foi muito positivo para os consumidores. É claro que a Eletrobras tem tido lucros menores mas, mesmo com tarifas mais baixas e controle na geração de energia, ainda apresenta lucros e o seu endividamento caiu mais de 10%, como reconhece o próprio governo na exposição de motivos que acompanha o Projeto de Lei de privatização.

A União, se aprovado o projeto, abrirá mão do controle acionário da empresa e, de quebra, porá fim ao regime de cotas. Venderá uma empresa comprometida com o fornecimento de energia e entregará outra empresa, livre para aumentar as tarifas e vender sua energia onde melhor lhe convier. Esta é a negociata em curso. Uma negociata que terá como alvos os consumidores e nossa soberania numa área estratégica para o desenvolvimento do país. Uma negociata que poderá ter como consequência uma ação predatória sobre a água. Em nenhum país do mundo isso foi feita desta forma. Não desconhecemos que são necessários ajustes no sistema, mas sempre sob o comando e interesse do povo brasileiro.

Na realidade, uma de nossas maiores riquezas será entregue, a um valor inferior ao pior investimento anual da empresa, para mãos estrangeiras. Uma empresa que já teve, ao longo de sua história, R$ 400 bilhões de investimentos entregue por R$ 12 bilhões. Nossos rios internacionalizados. Um risco para a água que irriga a terra que produz os alimentos que comemos. Um risco para dois pilares de nossa cidadania: luz e água.

A revolução promovida pelo regime de cotas está com os dias contados. E é preciso difundir à exaustão o que significa sua extinção. É preciso impedir que se efetive mais um ataque ao patrimônio do povo brasileiro, com consequências severas ao crescimento econômico e ao direito à energia elétrica e à água. É isso ou voltar aos candeeiros. Voltar para a falta de convivência após o anoitecer. De proteção às nossas águas para risco hídrico. De luz para todos para luz para poucos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247