Mais educação, mais saúde; 2022 vai ser diferente!

Eeste sábado (4) será um marco para a luta pela emancipação feminina. Vamos derrotar esse presidente misógino, racista, LGBTfóbico

www.brasil247.com - Protesto contra o presidente Jair Bolsonaro no centro do Rio de Janeiro. 02/10/2021
Protesto contra o presidente Jair Bolsonaro no centro do Rio de Janeiro. 02/10/2021 (Foto: REUTERS/Ricardo Moraes)
Siga o Brasil 247 no Google News

Este sábado (4) entrará para a história do país como o dia no qual as mulheres tomaram as redes ruas mais uma vez para dizer Bolsonaro Nunca Mais.

Nunca mais prisões arbitrárias. Nunca mais apologia ao estupro. Nunca mais insultos à feminilidade. Nunca mais ofensas a quem pensa diferente. Nunca mais desemprego. Nunca mais mortes causadas pelo negacionismo. Nunca mais deboche do sofrimento alheio. Nunca mais desmatamento de nossas florestas. Nunc amais queimadas. Nunca mais excesso de agrotóxicos. Nunca mais falta de verbas para a agricultura familiar. Nunca mais corte de orçamento da educação, da saúde. Nunca mais desrespeito à vida humana.

Por todos esses motivos estaremos nas redes e nas ruas das maiores cidades do país para mostrar a nossa indignação com a  falta de rumo para o país.

PUBLICIDADE

As mulheres sempre estiveram na frente das principais lutas em favor da democracia, da liberdade, da educação, da saúde, da cultura, pelos direitos humanos, por justiça para todas as pessoas, por respeito a todas as pessoas, sem nenhum tipo de discriminação.

Tomamos as ruas pelo direito ao voto e de  sermos votadas. Tomamos as ruas por redução da jornada abusiva de trabalho, tomamos as ruas por direito ao descanso remunerado, às férias remuneradas. Tomamos as ruas pelo trabalho decente. Tomamos as ruas contra a exploração do trabalho infantil, contra a exploração e o abuso sexual. Tomamos as ruas pela democracia. Tomamos as ruas por escola de qualidade para todas as crianças e jovens por valorização dos profissionais da educação.

PUBLICIDADE

Continuaremos nas redes e nas ruas para tirar o Brasil do péssimo ranking do quinto países mais violento contra as mulheres e o primeiro mais violento contra a população LGBTQIAP+. Continuaremos nas ruas contra o genocídio da juventude preta, pobre e periférica. Continuaremos nas ruas e nas redes para denunciar a dupla e até tripla exploração sofrida pelas meninas e mulheres. Continuaremos nas ruas por um futuro com vida digna para todas as pessoas. Continuaremos nas ruas até que nenhuma menina ou mulher sofra violência doméstica, assédio, estupro. Continuaremos nas redes e nas ruas por equidade de gênero e por igualdade de condições no mundo do trabalho. Continuaremos nas ruas até que todas as mulheres possam viver livres e sem medo.

Por isso tudo, este sábado (4) será um marco para a luta pela emancipação feminina. Vamos derrotar esse presidente misógino, racista, LGBTfóbico. Vamos mostrar a toda a sociedade que nós podemos muito, nós podemos mais. Unidas para sepultar o fascismo e vivermos a liberdade. 

PUBLICIDADE

Neste sábado (4), as ruas ficarão pequenas para a grandeza de nossos corações e mentes. O futuro nos espera. Nossas filhas e filhos agradecem. Mais educação, mais saúde; 2022 vai ser diferente!

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email