Malandro rastaquera

O sujeito é evangélico, vive escondido em ternos bem cortados, usa belíssimas gravatas e fala como um santo. Um rouba e reza

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Lênin dizia que o bom gosto e os bons modos são virtudes da burguesia que o proletariado deve preservar.

Há um ditado que diz que um homem se conhece pelo chapéu, pela gravata, pelos sapatos e pelo guarda-chuva.

No Congresso Nacional, o que se vê é que foram-se o chapéu e o guarda-chuva, muito pouco usados hoje em dia; permaneceram os sapatos, a gravata, os ternos bem cortados; chegaram a gomalina e a malandragem travestida, dissimulada.

Assim andam por aí certos malandros "de fino trato", muitos deles afáveis, de fala mansa, carregados de trejeitos, sempre de trapaça velada, armada na ponta da língua.

Chico Buarque diz em uma de suas músicas que o malandro caminha na ponta dos pés, como quem pisa nos corações. O malandro anda assim de viés, diz ele.

Outro dia uma amiga viu um desses, dando uma entrevista. Disse admirada: - que homem elegante, distinto, sensível!

Cá com meus botões, pensei: coitada de minha amiga! Elegância, na amplitude do significado, vai além das aparências visuais. Foi enganada por um rastaquera* de comportamento abominável.

O sujeito é evangélico, vive escondido em ternos bem cortados, usa belíssimas gravatas e fala como um santo. Um rouba e reza.

É fichado na polícia por vários golpes na praça, há décadas responde a processos por falcatruas na vida pública e agora é investigado pela suspeita de ser um dos políticos mais corruptos do país.

Por mais que faça para se esconder, com ardil e dissimulação, vi a aridez do malandro de gravata e capital estampada no olhar por detrás dos óculos, capturada pela câmera de Orlando Brito, um dos maiores repórteres fotográficos do Brasil.

Não vi naquele olhar nenhuma sensibilidade social. Somente obstinação por negócios e poder, para ostentar.

Um homem capaz de vender geladeira no Polo Norte, a alma ao diabo, tamanho o poder de convencimento e simpatia mecanizada, para conseguir o que quer.

Uma frieza assustadora. Na tribuna da Câmara dos Deputados, muitos parlamentares, de dedo em riste, por incontáveis vezes o desmoralizaram, desmentiram, denunciaram sua falta de ética, suas trapaças.

Frio, imóvel, como um bloco de cimento, às vezes esboçando um riso cínico, no canto da boca, na sua extrema insensibilidade, ele desprezava solenemente seus interlocutores.

O sujeito não demonstra sentir nenhum constrangimento, vergonha, culpa, raiva, indignação ou qualquer outro sentimento.

Um homem sinistro, que faz lembrar aquele que mata, corta o corpo em pedacinhos, coloca numa mala, no bagageiro do carro, e vai ao cinema.

Curioso é que esse tipo hoje está sendo valorizado, como se a frieza, a insensibilidade, a malandragem na vida pública fossem valores.

Pior, parte da sociedade se identifica com rastaqueras como ele. E os apoia para mudar leis a fim de viabilizar o moralismo religioso, negócios de grandes corporações empresariais nacionais e estrangeiras e o impeachment da Presidenta Dilma, legitimamente eleita, sem que exista contra ela nenhuma denúncia. Sequer é investigada pelas instituições da República.

(*) Rastaquera - Ridículo personagem Le Brésilien (O Brasileiro), de uma famosa ópera-bufa de Jacques Offenbach chamada La Vie parisienne, que estreou em Paris em 1866. O Brasileiro em questão era um novo-rico, sujeito dado à ostentação e inteiramente destituído de modos, verniz cultural e bom gosto.

Fonte: Sérgio Rodrigues (20/09/2011), para a Editora Abril.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247