Mandetta está mais enrolado do que ele e a mídia contam

O colunista do 247 Alex Solnik destaca que o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-Ms), indicado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) deveria ter ciência de que as acusações do MPF contra o seu escolhido para chefiar o Ministério da Saúde 'são robustas e não têm nada de eleitoreiro, como Mandetta tem propagado'; 'O que torna seu caso ainda mais grave é que as acusações pelas quais responde – quando foi secretário de Saúde de Campo Grande - resultaram em prejuízo de R$14 milhões justamente ao ministério para o qual foi indicado', observa; 'Esse é um trecho do currículo do homem a quem o próximo governo pretende entregar um ministério com orçamento de R$130 bilhões', completa

www.brasil247.com - Mandetta está mais enrolado do que ele e a mídia contam
Mandetta está mais enrolado do que ele e a mídia contam (Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados)


O presidente eleito Jair Bolsonaro deveria ler um texto publicado no site do Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul a 14 de agosto deste ano, intitulado "Ações por improbidade por fraudes no Gisa serão julgadas pela Justiça Federal", que cita investigação da CGU, antes de assinar a nomeação do deputado federal Luiz Henrique Mandetta como seu ministro da Saúde.

Segundo o texto, a sua situação judicial é mais grave do que ele e a imprensa têm dito: incurso na Lei de Improbidade Administrativa, ele pode ser punido com perda de função pública e até suspensão dos direitos políticos. E as provas contra ele são robustas e não têm nada de eleitoreiro, como Mandetta tem propagado.

O que torna seu caso ainda mais grave é que as acusações pelas quais responde – quando foi secretário de Saúde de Campo Grande - resultaram em prejuízo de R$14 milhões justamente ao ministério para o qual foi indicado. O ministério cobrou do município de Campo Grande, que está restituindo em 60 parcelas.

De acordo com o texto, "em 2015, o MPF ajuizou duas ações de improbidade administrativa por fraudes na implantação do sistema Gisa, criado para integrar as informações em saúde do município de Campo Grande. Se corretamente executado, o sistema facilitaria o agendamento de consultas e exames e a troca de informações entre as Unidades Básicas de Saúde. O projeto contou com investimentos de mais de R$ 8,1 milhões (valor de 2008) do Mistério da Saúde, mas foi marcado por favorecimentos, fraudes e falhas contratuais, o que veio a ser descoberto após auditoria realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"As ilegalidades atingiram a licitação desde o início. A empresa vencedora teve acesso às regras da licitação – e se adaptou a elas – antes de o edital ser publicado, tanto que o orçamento apresentado foi exatamente igual ao montante de recursos disponibilizados pela Prefeitura. Após a publicação do edital, cláusulas restritivas limitaram a concorrência e direcionaram o certame ao consórcio Contisis (composto pelas empresas Telemídia, Estrela Marinha e Avansys) que, mesmo sem preencher requisitos mínimos e após apresentar documentos falsos, assinou o contrato com o município.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"De acordo com as investigações, o consórcio liderado pela Telemídia foi criado "única e exclusivamente" para vencer a licitação e, depois, subcontratar serviços da empresa portuguesa Alert – terceirização proibida pelo edital da licitação, mas que foi efetuada, segundo apurado, por influência e no interesse pessoal do ex-secretário de Saúde, Luiz Henrique Mandetta".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quando o relatório da CGU veio à luz, denunciando que apenas quatro dos 12 módulos contratados foram implementados, a empresa contratada para gerir a Gestão de Informações em Saúde, a Telemidia, já tinha recebido R$9.626.898,53 ou 96% do total e o contrato havia sido renovado seis vezes durante a gestão do prefeito Nelson Trad Filho, primo de Mandetta. A 9 de maio de 2015 o Ministério da Saúde determinou que a prefeitura de Campo Grande o ressarcisse em $14,8 milhões (juros e correção monetária) num prazo de 30 dias. Com déficit de $158 milhões, a prefeitura conseguiu parcelamento em 60 meses. A 24 de julho de 2015 o MPF pediu a punição de Nelson Trad Filho e Luiz Henrique Mandetta e mais 24 servidores envolvidos no caso de acordo com a Lei de Improbidade Administrativa, "que prevê aos infratores a condenação em multa, perda de função pública e suspensão de direitos políticos, independentemente de ressarcimento à União".

O relatório da CGU também cita Mandetta como favorecido em viagens bancadas pelo dono da Telemidia&Technology International Comércio e Serviços Ltda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Esse é um trecho do currículo do homem a quem o próximo governo pretende entregar um ministério com orçamento de R$130 bilhões.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email