Marcos Valério delata FHC e Aécio. E daí?

Nenhum chefão do PSDB foi para a cadeia até hoje, o que confirma uma brincadeira que circula pela internet: para não ser investigado, julgado, condenado e, muito menos, preso, basta você se filiar ao PSDB!

Nenhum chefão do PSDB foi para a cadeia até hoje, o que confirma uma brincadeira que circula pela internet: para não ser investigado, julgado, condenado e, muito menos, preso, basta você se filiar ao PSDB!
Nenhum chefão do PSDB foi para a cadeia até hoje, o que confirma uma brincadeira que circula pela internet: para não ser investigado, julgado, condenado e, muito menos, preso, basta você se filiar ao PSDB! (Foto: Altamiro Borges)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O publicitário Marcos Valério ganhou os holofotes da mídia ao denunciar o chamado “mensalão petista”, o que gerou grave crise política logo no primeiro mandato do ex-presidente Lula e levou para a cadeia várias líderes petistas – entre eles, o ex-ministro José Dirceu. Já naquela ocasião, ele deixou implícito que o esquema de desvio de verbas para as campanhas eleitorais teve início em Minas Gerais, durante a gestão do cambaleante Aécio Neves. Mas o “mensalão tucano”, que a imprensa venal apelidou marotamente de “mensalão mineiro”, sempre foi abafado. Aos barões da mídia interessava satanizar o PT e blindar os seus serviçais do PSDB. Agora, porém, Marcos Valério parece estar disposto a revelar toda a sujeira do ninho tucano.

Segundo reportagem da Folha deste sábado (22), o publicitário acaba de firmar um novo acordo de delação premiada com a Polícia Federal. Ela dá detalhes de como funcionou o “mensalão mineiro” e atingiria em cheio tucanos de alta plumagem, como Aécio Neves, FHC e José Serra. “A colaboração com a PF incorpora 60 anexos (relatos de episódios de supostas irregularidades) que haviam sido rejeitados pela Procuradoria-Geral da República e pelo Ministério Público de Minas Gerais. O novo acordo ainda ampliaria a lista de implicados. A delação, assinada neste mês, foi enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF) e depende de homologação. Não está claro quais episódios serão considerados e investigados pela PF”.


Ainda de acordo com a matéria, assinada pela jornalista Carolina Linhares, o publicitário “escreveu a delação à mão na prisão e teve os anexos posteriormente digitados... Condenado a mais de 37 anos de prisão pelo mensalão, Valério também é réu acusado de operar desvios por meio de suas agências de publicidade, a SMP&B e a DNA Propaganda, para financiar a fracassada campanha de reeleição do então governador mineiro, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998. Uma planilha assinada pelo publicitário aponta que a campanha recebeu cerca de R$ 10 milhões (R$ 33 milhões hoje) em desvios de estatais como a Cemig, Copasa, Furnas, Comig, Eletrobras, Petrobras, Correios, Banco do Brasil e Banco do Estado de Minas Gerais”.

“De acordo com o controle de Marcos Valério, foram arrecadados e distribuídos ao menos R$ 104 milhões (R$ 346 milhões corrigidos) na campanha. A lista de recebedores inclui políticos e membros do Judiciário. Segundo a narrativa do publicitário, o esquema de empréstimos fraudulentos do Banco Rural e um repasse de R$ 1 milhão da Usiminas via caixa dois beneficiaram também as campanhas de FHC (1998), Aécio (2002) e Serra (2002)”. A Folha faz questão de registrar, por razões óbvias, que o publicitário também citou Lula, José Dirceu e outros dirigentes petistas, mas o foco desta nova delação seriam os tucanos.

“Os anexos afirmam que Serra atuou, após perder a eleição presidencial de 2002, para resolver pendências do Banco Rural e, em troca, teve R$ 1 milhão de dívidas de campanha pagos pelo banco por meio da SMP&B... Durante o governo FHC, afirma, a DNA propaganda repassou a Aécio Neves 2% do faturamento do seu contrato com o Banco do Brasil, que havia sido arranjado pelo senador com o aval do ex-presidente... Valério afirmou ainda que Aécio encontrou-se, em Belo Horizonte, com a diretoria do Banco Rural e com os então deputados Eduardo Paes (PMDB-RJ) e Carlos Sampaio (PSDB-SP), da CPI dos Correios, de 2005, para blindar investigações sobre a campanha de Azeredo”. Como se observa pela matéria da Folha, a delação é inflamável.

A questão é saber se a Polícia Federal e o Ministério Público – sempre tão generosos com o tucanato – vão levar a sério as novas revelações do publicitário. Como já antecipa a própria Folha tucana, “não está claro quais episódios serão considerados e investigados pela PF”. Como lembra ainda o jornal, “as tratativas para delação começaram ainda em meados no ano passado. Um ofício de junho do Ministério Público de MG pede que os relatos sejam enviados à PGR por tratarem de políticos com foro privilegiado no STF. A Procuradoria chegou a enviar representantes a Minas, mas não levou o acerto adiante. Nova tentativa com a 17ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de BH foi recusada em março deste ano”.

 
Enquanto isto, os tucanos permanecem livres e soltos – e ainda dão cínicas declarações sobre a ética na política. Nenhum chefão do PSDB foi para a cadeia até hoje, o que confirma uma brincadeira que circula pela internet: para não ser investigado, julgado, condenado e, muito menos, preso, basta você se filiar ao PSDB!

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247