Marta mete os pés pelas mãos ao falar sobre Temer

Para Alex Solnik, colunista do 247, a senadora que ganhou o apelido de "Martaxa" durante a gestão de prefeita de São Paulo "poderá ser conhecida daqui para frente, no PMDB, como 'Martagarela'"; isso porque, neste sábado, na convenção estadual do PMDB, em São Paulo, ela "mais uma vez meteu os pés pelas mãos", segundo o jornalista, ao declarar em seu discurso: "Unidos, construiremos um novo Brasil, sob a liderança do Michel Temer"; "Comportando-se como se fosse peemedebista histórica, tomou para si a missão de massagear o ego do presidente do partido, sem se dar conta de que, com isso, estaria alimentando uma intriga desnecessária com o governo do qual, afinal, ele é o vice-presidente, para o bem e para o mal e em cujo prato ela, afinal, comeu", comenta Solnik

Para Alex Solnik, colunista do 247, a senadora que ganhou o apelido de "Martaxa" durante a gestão de prefeita de São Paulo "poderá ser conhecida daqui para frente, no PMDB, como 'Martagarela'"; isso porque, neste sábado, na convenção estadual do PMDB, em São Paulo, ela "mais uma vez meteu os pés pelas mãos", segundo o jornalista, ao declarar em seu discurso: "Unidos, construiremos um novo Brasil, sob a liderança do Michel Temer"; "Comportando-se como se fosse peemedebista histórica, tomou para si a missão de massagear o ego do presidente do partido, sem se dar conta de que, com isso, estaria alimentando uma intriga desnecessária com o governo do qual, afinal, ele é o vice-presidente, para o bem e para o mal e em cujo prato ela, afinal, comeu", comenta Solnik
Para Alex Solnik, colunista do 247, a senadora que ganhou o apelido de "Martaxa" durante a gestão de prefeita de São Paulo "poderá ser conhecida daqui para frente, no PMDB, como 'Martagarela'"; isso porque, neste sábado, na convenção estadual do PMDB, em São Paulo, ela "mais uma vez meteu os pés pelas mãos", segundo o jornalista, ao declarar em seu discurso: "Unidos, construiremos um novo Brasil, sob a liderança do Michel Temer"; "Comportando-se como se fosse peemedebista histórica, tomou para si a missão de massagear o ego do presidente do partido, sem se dar conta de que, com isso, estaria alimentando uma intriga desnecessária com o governo do qual, afinal, ele é o vice-presidente, para o bem e para o mal e em cujo prato ela, afinal, comeu", comenta Solnik (Foto: Alex Solnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

"Unidos, construiremos um novo Brasil, sob a liderança do Michel Temer."

A ex-sexóloga, ex-mulher de Eduardo Suplicy, ex-petista, ex-ministra de Dilma, ex-prefeita e ex-lulista Marta Suplicy continua se superando.

Ingressou no PMDB há apenas um mês, mas já se notabiliza por jamais conseguir dizer a coisa certa, no lugar e na hora certas.

Ao discursar na festa de filiação ao novo partido, avisou que deixava o PT para lutar contra a corrupção e cobriu de elogios vários peemedebistas ali presentes citados na Lava Jato, dentre os quais Eduardo Cunha, cujo desmascaramento, por ele mesmo denominado "Lava Cunha" deu-se nos dias seguintes.

Diante do que, Marta, já desvencilhada do figurino de paladina anticorrupção, recolheu-se em respeitoso silêncio.

Hoje, na convenção estadual do PMDB, em São Paulo, mais uma vez meteu os pés pelas mãos.

Comportando-se como se fosse peemedebista histórica, tomou para si a missão de massagear o ego do presidente do partido, sem se dar conta de que, com isso, estaria alimentando uma intriga desnecessária com o governo do qual, afinal, ele é o vice-presidente, para o bem e para o mal e em cujo prato ela, afinal, comeu.

Tudo o que Temer quer atualmente é que esqueçam dele, está fugindo dos holofotes, esperando a poeira baixar, mas ela o colocou no centro da roda novamente, num papel que poderá ser interpretado, por seus inimigos, como de conspirador.

Ao proferir a frase que está lá em cima entre aspas – "unidos, construiremos um novo Brasil sob a batuta de Michel Temer" - ela seguiu à risca, mas ao contrário os conselhos do famoso best-seller "Como fazer amigos e influenciar pessoas" transformado por ela numa espécie de "Como criar desafetos e afastar amigos".

A continuar assim, ela, que durante a gestão de prefeita de São Paulo foi chamada de "Martaxa", poderá ser conhecida daqui para frente, no PMDB, como "Martagarela".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247