Médicos no híbrido entre casta com meritocracia

O Mais Médicos deixou de ser um programa para atender áreas e pessoas totalmente excluídas de um serviço cada vez mais elitista, para se transformar numa gambiarra; ou seja, sabemos que as vagas deixadas pelos cubanos não serão efetivamente ocupadas por médicos brasileiros

Precisamos continuar falando sobre médicos, sobre Mais Médicos, sobre reserva de mercado, meritocracia e ascensão. Ainda não sabemos até quando a ressaca da saída dos médicos cubanos vai passar. Mas, sentimos as suas consequências numa rapidez que impressiona.  Os jornalistas Vinicius Sassine e Daniel Marenco, do jornal O Globo, foram enviados até Teresina de Goiás (GO), onde testemunharam como o peso inconsequente das palavras de Bolsonaro pode deixar quilombolas desassistidos, Teresina de Goiás é uma das áreas mais pobres e isoladas do Centro-Oeste, mas recebia a visita de médicos cubanos regularmente.

Outros dois municípios que abrigam comunidades kalungas, Cavalcante e São João D`Aliança não conta com nenhum médico. Cada localidade tinha dois cubanos. O resultado veio a galope. Brasileiros que estavam em tratamento respiratório, por conta dos insalubres trabalhos em minério de ferro, e pacientes com hanseníase estão agora à mercê da própria sorte -- que como sabemos, depende da sensibilidade de um governo antipovo que está por vir.

Este cenário de desolação não verte lágrima dos olhos de quem pressionou para que os médicos "voltassem para Cuba" ou daqueles que questionaram a melhor medicina do mundo oriunda do país com altíssimo grau de longevidade. Não sensibiliza os médicos brasileiros, em boa parte adeptos do esquema praia-surf-chope das grandes cidades, e que jamais se sentiriam atraídos para se deslocar aos rincões.

O Mais Médicos deixou de ser um programa para atender áreas e pessoas totalmente excluídas de um serviço cada vez mais elitista, para se transformar numa gambiarra. Ou seja, sabemos que as vagas deixadas pelos cubanos não serão efetivamente ocupadas por médicos brasileiros. Portanto, o tronco que fazia o Mais Médicos ter seu real sentido já está no chão. A reserva de mercado buscada a sangue nos olhos pelas sociedades de medicina está mais estreita, fortemente delimitada,com alto poder de barganha tanto para atendimentos particulares quanto sobre os planos de saúde.

Como podemos ver até aqui, a implosão do Mais Médicos não irradia somente às comunidades kalungas em Goiás ou nas tribos longínquas e apartadas. Mexe diretamente naquele que precisa de saúde privada também. E assim, vai se tornando um serviço que poucos poderão pagar e ampliando as fronteiras da desigualdade. A lei da oferta e da procura tornará os serviços médicos caríssimos, mais do que já são. Não vamos nem entrar na questão do SUS, outro alvo dos que querem fechar ainda mais o círculo da reserva de mercado. Aí, definitivamente o Brasil entrará numa zona de vulnerabilidade sanitária jamais vista.

Em meio a esta destruição, ainda sentimos o coração bater. Espasmos de resistência que resulta de uma política de tornar possível o sonho de pessoas de origem pobre de se tornar médico. Isso ainda é possível de ver neste cenário de Mad Max, que tende a se acentuar. Nesta segunda-feira (26), um grupo de estudantes de Medicina foi graduado na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), em Mossoró., Gente de origem simples, sem sobrenome pomposo ou associada à alguma dinastia nobre. É o caso de Caionara Angélica da Silva (foto), que dedicou o diploma à sua mãe Teresinha Angélica da Silva. “Foi ela quem me inspirou a fazer Medicina”, disse a filha de uma agricultora e viúva que  criou sozinha três filhos com o trabalho da lavoura, na pequena cidade de Baraúna (RN). 

Estes novos médicos querem disputar uma vaga do simulacro do Mais Médicos. Certamente com maior sensibilidade, advinda das ligações com a  origem. Isso pode significar ato de resistência considerando que são eles o resultado de um projeto progressista, depois sabotado, que possibilitou que algo aparentemente impossível pudesse virar realidade.

O fim do Mais Médicos, como realmente conhecemos, e os o número cada vez menor de médicos que emanam das classes humildes tendem a ser substituídos pelo discurso da meritocracia. Isso lembra a bela entrevista concedida pelo ex-ministro Fernando Haddad na Folha de S. Paulo desta segunda-feira (26). "O Brasil, estruturalmente, é um híbrido entre casta com meritocracia. Se admite que o indivíduo ascenda. Mas sozinho. Desde que a distância entre as classes permaneça".

As iniciativas de reserva médica de mercado aliadas a um Estado ultraliberal deixarão a sua sociedade dependendo da "sorte ou do seu esforço individual". O Estado estará cada vez mais à parte deste processo e do seu sentido de ser, mas as castas estarão lá. Se alguém subir algum degrau, muitos irão aparentemente se alegrar desde que não ameace as classes, nem seus interesses. Se surgir alguém para insurgir, como o presidente Lula, que este seja condenado à prisão perpétua. Que o sonho seja condenado à prisão perpétua. E as bases assimétricas da meritocracia vão ditar o resto.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247