Mercado tenta nos jogar areia nos olhos

"A Bolsa sobe e o dólar cai, na crença de que a prisão de Joesley Batista vai dar fôlego a Temer e favorecer a aprovação da reforma previdenciária. Os economistas do mercado tentam turbinar as expectativas positivas, melhorando as estimativas do PIB para este ano e o próximo. Dois enganos", avalia a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Primeiro, porque a segunda denúncia de Rodrigo Janot, a ser apresentada esta semana, terá mais lastro na delação de Lúcio Funaro que na da JBS, e a delação de Funaro é demolidora, especialmente quanto a obstrução da justiça.  Temer só sai ganhando se o plenário do STF decidir que Janot não pode oferecer nova denúncia enquanto não houver decisão sobre a validade da delação da JBS, e isso também não for decidido esta semana"

"A Bolsa sobe e o dólar cai, na crença de que a prisão de Joesley Batista vai dar fôlego a Temer e favorecer a aprovação da reforma previdenciária. Os economistas do mercado tentam turbinar as expectativas positivas, melhorando as estimativas do PIB para este ano e o próximo. Dois enganos", avalia a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Primeiro, porque a segunda denúncia de Rodrigo Janot, a ser apresentada esta semana, terá mais lastro na delação de Lúcio Funaro que na da JBS, e a delação de Funaro é demolidora, especialmente quanto a obstrução da justiça.  Temer só sai ganhando se o plenário do STF decidir que Janot não pode oferecer nova denúncia enquanto não houver decisão sobre a validade da delação da JBS, e isso também não for decidido esta semana"
"A Bolsa sobe e o dólar cai, na crença de que a prisão de Joesley Batista vai dar fôlego a Temer e favorecer a aprovação da reforma previdenciária. Os economistas do mercado tentam turbinar as expectativas positivas, melhorando as estimativas do PIB para este ano e o próximo. Dois enganos", avalia a jornalista Tereza Cruvinel, colunista do 247; "Primeiro, porque a segunda denúncia de Rodrigo Janot, a ser apresentada esta semana, terá mais lastro na delação de Lúcio Funaro que na da JBS, e a delação de Funaro é demolidora, especialmente quanto a obstrução da justiça.  Temer só sai ganhando se o plenário do STF decidir que Janot não pode oferecer nova denúncia enquanto não houver decisão sobre a validade da delação da JBS, e isso também não for decidido esta semana" (Foto: Tereza Cruvinel)

A Bolsa sobe e o dólar cai, na crença de que a prisão de Joesley Batista vai dar fôlego a Temer e favorecer a aprovação da reforma previdenciária. Os economistas do mercado tentam turbinar as expectativas positivas, melhorando as estimativas do PIB para este ano e o próximo.   Dois enganos. Primeiro, porque a segunda denúncia de Rodrigo Janot, a ser apresentada esta semana, terá mais lastro na delação de Lúcio Funaro que na da JBS, e a delação de Funaro é demolidora, especialmente quanto a obstrução da justiça.  Temer só sai ganhando se o plenário do STF decidir que Janot não pode oferecer nova denúncia enquanto não houver decisão sobre a validade da delação da JBS, e isso também não for decidido esta semana.

Depois, as previsões de crescimento não batem com a realidade fiscal, que continua tenebrosa.  Segundo o Globo, o aumento do déficit deste ano em R$ 20 bilhões já foi devorado e o Governo enfrenta novo risco de um “shutdown”, a paralisia dos serviços públicos por falta de recursos. Era previsível .  O governo contou, em seu planejamento, com receitas incertas, como a venda das usinas da CEMIG por R$ 11 bilhões, que continua bloqueada pela Justiça, com a venda da Lotex e com uma adesão ao Refis que frustrada pela demora do Congresso em aprovar o projeto.  Vai precisar de aumentar o rombo fiscal em pelo menos mais R$ 14 bilhões.

STF decide na quarta se Janot pode apresentar nova denúncia contra Temer

O procurador-geral Rodrigo Janot tem até sexta-feira para lançar sua última flecha contra Michel Temer, apresentando a prometida segunda denúncia.  Ele pode, entretanto, ser imobilizado pelo STF, que só na quarta-feira responderá a dois recursos de Temer. O agravo alegando a suspeição de Janto e a questão de ordem pedindo que nenhuma denuncia seja apresentada (ou considerada) enquanto não houver decisão sobre a validade da delação da JBS. Se o plenário acolher a questão de ordem, Janot deixará o cargo sem poder apresentar a nova denúncia. Mas como pelo menos seis dos 11 ministros já fizeram declarações no sentido de que, mesmo com eventual anulação do acordo de delação, as provas continuam valendo,  o mais provável é que não seja aprovado este embargo que  paralisaria Janot.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Jandira Feghali

O massacre como política

Quem deterá o governador Witzel? Com certeza não será sua humanidade, já que comprovou não lhe restar nenhuma. É preciso transformar nossa indignação em protestos e ações institucionais e políticas...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247