Mídia respalda ‘licença para matar’ de Moro

Por sua obsessão contra Lula e às forças de esquerda e sua adoração ao deus-mercado, a imprensa burguesa transformou o juiz Sergio Moro – chamado por muitos magistrados de juizeco inexpressivo do interior do Paraná – em herói nacional. Na mídia falsamente moralista, ele virou capa das revistonas, manchete quase diária dos jornalões e destaque nos telejornais

Mídia respalda ‘licença para matar’ de Moro
Mídia respalda ‘licença para matar’ de Moro (Foto: José Cruz - ABR)

Por sua obsessão contra Lula e às forças de esquerda e sua adoração ao deus-mercado, a imprensa burguesa transformou o juiz Sergio Moro – chamado por muitos magistrados de juizeco inexpressivo do interior do Paraná – em herói nacional.

Na mídia falsamente moralista, ele virou capa das revistonas, manchete quase diária dos jornalões e destaque nos telejornais.

Foi inclusive agraciado com vários prêmios pelos 'éticos' e bilionários herdeiros de Roberto Marinho, o imperador da Globo.

Essa bajulação talvez explique porque a mídia está pegando tão leve contra o tal "pacote anticrime" apresentado na semana passada pelo justiceiro Sergio Moro, agora superministro da Justiça do bordel laranja e miliciano de Jair Bolsonaro.

O Jornal Nacional da Globo deu longos minutos ao anúncio festivo do projeto.

Já os programas policialescos da rádio e tevê, que babam sangue, elogiaram o pacote anticrime afirmando alegremente que ele dá "licença para matar" às forças policiais.

Nessa babação e bajulação, a mídia punitivista não cumpre seu papel de informar à sociedade sobre os riscos do projeto.

Ela nem dá o devido espaço às vozes críticas, que alertam que as medidas propostas ameaçam até os midiotas que rosnam ódio e que vivem repetindo que bandido bom é bandido morto – desde que não seja um membro de sua família ou patota.

Até figuras que sempre tiveram os holofotes midiáticos, como o advogado Miguel Reale Jr., autor do pedido de impeachment contra Dilma – que acabou ajudando o justiceiro Moro a chegar no bordel de Bolsonaro –, tem criticado o pacote anticrime, mas sem maior ressonância nas emissoras de rádio e tevê.

Em evento do Instituto de Advogados de São Paulo, na quinta-feira (7), ele afirmou na cara do superministro que sua proposta de "antecipar a ida das pessoas para a prisão e retardar a saída não vai resolver absolutamente nada".

Irônico, ele disse que o pacote é "ilusão penal" e o "pior é que ele [Moro] acredita que vai dar certo... Essas medidas não vão nem chegar ao conhecimento dos criminosos. E ninguém comete crime na perspectiva de ser preso".

A "ilusão penal" de Sergio Moro já foi alvo de crítica de boa parte do mundo jurídico. O pacote foi tachado de "panfletário", "inócuo", "flagrantemente inconstitucional", "tecnicamente frágil" e "insuficiente", entre outros adjetivos.

Órgãos como o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Instituto de Defesa do Direito de Defesa, o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais e até a dócil Ordem dos Advogados do Brasil alegam que as mudanças na legislação propostas pelo arrogante superministro não servem para nada e foram obradas de maneira autoritária.

Mas estas críticas não ganham destaque na mídia punitivista, que até parece que já trabalha o nome do superministro para disputar um novo cargo no caso do aumento do desgaste ou da defecção do patrão Jair Bolsonaro.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Brasil, Israel e os anões morais
Mauro Nadvorny

Terceira eleição em Israel

Desta vez, Bibi não tem maioria para desfazer o parlamento e convocar novas eleições. Elas só podem acontecer se nenhum partido que receba o mandato do presidente consiga formar um governo e é isso...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247