Militares fazem jogo de desestabilização e tumulto a 48 horas das eleições

"É inaceitável conviver com a participação indevida e inconstitucional dos militares como juízes do exercício da soberania popular", escreve Jeferson Miola

www.brasil247.com -
(Foto: Agência Brasil)


Por Jeferson Miola, para o 247

Em nota à imprensa, Exercito classifica como fake news matéria do Estadão que informa que Alto Comando “garante” que “quem ganhar leva a Presidência”. A matéria diz, ainda, que o Exército “se afasta da auditoria de votos” exigida por Bolsonaro.

No comunicado, o Comando do Exército “manifesta total repúdio” ao conteúdo da matéria jornalística, e diz que “os dados apresentados na matéria são inverídicos e tendenciosos”.

O Exército também comunica que “as medidas judiciais cabíveis estão sendo estudadas” em relação ao jornal devido à referida publicação.

A matéria do Estadão foi ao ar às 10:59h [30/9] e até pelo menos às 19:35h, continuava como destaque principal da capa da edição digital do jornal, o que significa que o veículo sustenta o conteúdo publicado.

Em se tratando de Forças Armadas, não surpreende que conteúdos sejam vazados em off e depois desmentidos ou relativizados por meio de comunicados oficiais em on.

O dado concreto é que as Forças Armadas não têm absolutamente nenhum direito de se intrometer – seja em modo off ou em modo on – em assuntos de domínio exclusivo do poder político e da sociedade civil. Menos ainda para dizer que garante ou que repudia a escolha soberana do povo por meio do voto popular.

No entanto, por meio das suas cúpulas partidarizadas, as Forças interferem de modo ilegal e inconstitucional na política. E na arena da política, empregam as táticas e estratégias que foram adestrados a adotar no campo de batalha – diversionismo, camuflagem, operações psicológicas, confusão, tumulto, distração do inimigo etc.

A menos de 48 horas da proclamação do resultado eleitoral, não poderia ser mais inoportuno este jogo de desestabilização e tumulto promovido pelos militares.

É inaceitável conviver com a participação indevida, indesejável, imprópria, atentatória, ilegal e inconstitucional dos militares como juízes do exercício da soberania popular.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email