Ministro da Justiça está com amnésia seletiva

Jornalista Alex Solnik escreve em novo artigo no 247 que o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, "precisa se afastar ou ser afastado para tratamento da amnésia seletiva que 'não teve nenhum problema' em expor"; Solnik analisa declarações desencontradas sobre os episódios dos massacres de detentos em Roraima e no Amazonas; "seu esquecimento' resultou em uma chacina no presídio daquele estado com 33 mortes horripilantes que não serão esquecidas, diz Solnik sobre o pedido que Moraes não atendeu de envio de ajuda a Roraima em 2016

Jornalista Alex Solnik escreve em novo artigo no 247 que o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, "precisa se afastar ou ser afastado para tratamento da amnésia seletiva que 'não teve nenhum problema' em expor"; Solnik analisa declarações desencontradas sobre os episódios dos massacres de detentos em Roraima e no Amazonas; "seu esquecimento' resultou em uma chacina no presídio daquele estado com 33 mortes horripilantes que não serão esquecidas, diz Solnik sobre o pedido que Moraes não atendeu de envio de ajuda a Roraima em 2016
Jornalista Alex Solnik escreve em novo artigo no 247 que o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, "precisa se afastar ou ser afastado para tratamento da amnésia seletiva que 'não teve nenhum problema' em expor"; Solnik analisa declarações desencontradas sobre os episódios dos massacres de detentos em Roraima e no Amazonas; "seu esquecimento' resultou em uma chacina no presídio daquele estado com 33 mortes horripilantes que não serão esquecidas, diz Solnik sobre o pedido que Moraes não atendeu de envio de ajuda a Roraima em 2016 (Foto: Alex Solnik)

"Na última quinta-feira (5) o sr. havia dito que Roraima não havia pedido socorro aos presídios e depois saiu um ofício provando que tinha pedido. O sr. não caiu em contradição"?

"Não, eu não caí em contradição. Lembrei de um dos pedidos e esqueci do outro. A governadora (Suely Campos, do PP) esteve no ministério duas ou três vezes. Não tenho problema nenhum em dizer que eu esqueci. O outro pedido foi para agir como agente penitenciário e foi negado".

Esse trecho da entrevista do ministro da Justiça Alexandre de Moraes aos repórteres Gustavo Uribe e Leandro Colon, publicada hoje na Folha de S.Paulo é uma confissão de que alguma coisa está errada com a cabeça do ministro e ele precisa se afastar ou ser afastado para tratamento da amnésia seletiva que "não teve nenhum problema" em expor.

Não ficou claro se ele não atendeu à governadora porque se esqueceu do pedido ou se esqueceu do que ela tinha pedido ao falar aos jornalistas.

A gravidade da questão está em que um dos pedidos da governadora ("agir como agente penitenciário") ele não atendeu e não esqueceu, mas o mais urgente deles – convocação da Força Nacional para garantir a segurança dos presos – ele não só não atendeu como deletou do cérebro.

O seu "esquecimento" resultou em uma chacina no presídio daquele estado com 33 mortes horripilantes que não serão esquecidas.

Manter no governo um ministro com esse perfil é um perigo não só para a administração, mas para todos os brasileiros. Sabe-se lá o que ele poderá esquecer das próximas vezes.

Se não tomar providências Temer vai confirmar, mais uma vez, que gosta de viver perigosamente.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

blog

A penúria das esquerdas

"A partir de 2015 as esquerdas perderam as ruas, algo que já vinha sendo sinalizado desde 2013, e até agora não conseguiram recuperá-las e nem ter uma presença significativa", afirma o colunista...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247