Modelo tributário injusto e desequilibrado precisa ser reformado

O modelo tributário brasileiro é injusto e desequilibrado. A tabela de imposto de renda, por exemplo, não é atualizada desde 2015 e foi corrigida de acordo com o aumento da inflação, que foi de R$ 309,74% entre 1996 e 2018

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Apresentei o PL 3529/2019, para corrigir a tabela do Imposto de Renda, isentando do pagamento aos que recebem até cinco salários mínimos. Não se promove justiça social sem justiça tributária e precisamos equilibrar esse modelo injusto no Brasil. Os que recebem acima de cinco salários até 15 serão desonerados progressivamente em alíquotas inferiores das atuais e quem ganha entre 15 e 30 não seria afetado. Porém, quem recebe a partir de 30 salários terá que contribuir com uma parcela maior.

Diante do ministro Paulo Guedes, me comprometi com o povo brasileiro em apresentar propostas legislativas para, de fato, enfrentar privilégios, sem que, para isso, seja preciso destruir a aposentadoria de quem mais precisa dela.

Fiz questão de apresentar no dia que o relator da Reforma da Previdência apresentou seu relatório , 13/6/19 , cumprindo meu compromisso assumido no debate da CCJC diante de Guedes! Já tinha apresentado o PL 2340/19 para taxar lucros e dividendos e também três projetos pra revogar e ressarcir as perdas da Lei Kandir (desoneração de imposto na exportação dos produtos primários- minérios, proteína vegetal e proteína animal- e os semi elaborados), desoneração que é a responsável pela quebradeira dos entes federados.

O modelo tributário brasileiro é injusto e desequilibrado. A tabela de imposto de renda, por exemplo, não é atualizada desde 2015 e foi corrigida de acordo com o aumento da inflação, que foi de R$ 309,74% entre 1996 e 2018.

Acontece, que se os valores do IR tivessem sido corrigidos de acordo com a inflação, a faixa de isenção (que hoje vai até quem ganha R$ 1.903 por mês) seria ampliada para quem ganha até R$ 3.689.

A desoneração do Imposto de Renda de quem recebe até cinco salários mínimos foi promessa dos dois candidatos que chegaram ao segundo turno da eleição presidencial de 2018- Jair Bolsonaro e Fernando Haddad- e, portanto, aprovar esse projeto é, além de promover justiça tributária, adotar uma agenda chancelada pela população nas urnas."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247