Moro destroça Bolsonaro

"E Moro? Pode achar que sairá disso tudo como herói, pronto a assumir uma candidatura em 2022", diz Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia. "Mas não é simples assim. Como neopolítico, ele vai perceber que quem pega uma bazuca para dar um tiro desse alcance sempre paga seu preço. Ele agora vai para o alvo de Bolsonaro e bolsominions"

Sérgio Moro e Jair Bolsonaro
Sérgio Moro e Jair Bolsonaro (Foto: Anderson Riedel/PR | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Helena Chagas, para Os Divergentes e para o Jornalistas pela Democracia

Esperava-se um revólver calibre 22, mas o ex-ministro Sérgio Moro saiu do governo atirando no presidente Jair Bolsonaro com uma bazuca. Moro não fez apenas um discurso de futuro candidato a presidente em 2022, ele destroçou Bolsonaro com uma série de acusações ao revelar que o presidente, sim, demitiu o diretor geral da PF por interferência política – e que ele próprio teria admitido isso nas conversas. Deu mais detalhes dessas razões, contando que as substituições anteriores nas superintendências do Rio e de Pernambuco atenderam ao mesmo objetivo. E revelando que Bolsonaro está muito preocupado com inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal.

Ao afirmar que o importante não é saber quem entra no lugar de Maurício Valeixo, mas sim por quê entra, contou ainda que Bolsonaro manifestou intenção de ter acesso a informações sobre investigações e relatórios de inteligência reservados da PF – o que é, claramente, crime de responsabilidade. Outra grave revelação foi a de que não assinou a demissão de Valeixo publicada hoje no Diário Oficial com seu nome – e que também não foi a pedido. Ou seja, o ministro da Justiça acusa o Planalto de falsidade ideológica.

O mundo político ainda está atordoado pelo tiro desta manhã, mas entre parlamentares experientes já se afirma que Moro, de uma forma ou de outra, acabou com o governo Bolsonaro. Ou por um possível processo de impeachment, que ganha agora contornos reais em função da série de crimes de responsabilidade apontados, ou pelo isolamento total que, mais adiante, poderá levar a isso a partir da desidratação de sua já decadente popularidade.

Neste momento, políticos do PT festejam o fato de Moro ter dito que no governo Dilma, em 2014, a PF teve autonomia para fazer as investigações da Lava jato – que, ao fim e ao cabo, levaram à deposição da presidente.

E Moro? Pode achar que sairá disso tudo como herói, pronto a assumir uma candidatura em 2022. Fez questão inclusive de dizer que continua à disposição para servir ao país. Mas não é simples assim. Como neopolítico, ele vai perceber que quem pega uma bazuca para dar um tiro desse alcance sempre paga seu preço. Ele agora vai para o alvo de Bolsonaro e bolsominions.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247