Moro e Globo insuflam manifestações contra posse de Lula

É um absurdo sem tamanho, e tem a clara intenção de estimular uma convulsão social. Moro que já perdeu a competência sobre a questão, agiu como um ditador vingativo e irresponsável. E a Globo, com toda a cobertura do dia e da noite de terca,15/3, queria um coisa só: impedir a posse de Lula, noticiando protestos em vários cidades na noite de terça

A divulgação das gravações telefônicas com conversas entre Dilma e Lula, Jacques Wagner e Lula, entre outros, determinada pelo juiz Sérgio Moro é mais uma de suas arbitrariedades. É um ato criminoso, pelo qual deve ser punido.

É um absurdo sem tamanho, e tem a clara intenção de estimular uma convulsão social. Moro que já perdeu a competência sobre a questão, agiu como um ditador vingativo e irresponsável.

E a Globo, com toda a cobertura do dia e da noite de terca,15/3, queria um coisa só: impedir a posse de Lula, noticiando protestos em vários cidades na noite de terça.

O ministro da Justiça foi conclusivo a respeito: O que Moro fez foi errado. Não poderia ter divulgado as gravações.

No caso de encontro fortuito de provas, ou seja se num diálogo de uma pessoa investigada encontram-se fatos de pessoas com foro privilegiado o que o juiz tem que fazer? encerrar o processo e encaminhar para o foro privilegiado.

É bom deixar claro para quem ainda tem dúvidas. Lula não é réu em nenhuma ação. Não existe ação penal contra o ex-presidente Lula.

Ele está sendo investigado porque todos sabemos que a única intenção da direita e das elites neste país é criar denúncias contra Lula que o impeçam de ser candidato em 2018.

Conversas normais de articulação política num momento em que a guerra da direita contra o PT está declarada, foram insistentemente interpretadas pela Globo e Globonews ao vivo de Brasília , como uma trama ilegal e várias vezes qualificada de "ato desesperado" de Lula .

A alegação de Moro sobre os motivos da liberação dos grampos não convence. Segundo ele, "quando a diligência acaba vem tudo a público... e o sigilo ter caído é importante diante de um cenário de tentativa de obstrução da Justiça com a aparente intenção de influenciar os ministros do STF, Rosa Weber e Ricardo Levandowisky.

Moro agora, além de aspirante a salvador da pátria da corrupção pretende ser o defensor do STF ? Não carece. Ninguém colocou em dúvida a autoridade judiciária máxima do Supremo. Lula tanto crê nisso que prefere ser julgado pelo STF do que por Moro.

A defesa de Lula queria simplesmente que Rosa Weber definisse a quem cabe investigar seu cliente e para que a eventual prisão de Lula transformada em disputa aberta entre entre São Paulo e Curitiba, tivesse fim.

A perigosa estratégia de Moro e da direita funcionou pela lado ruim. Manifestantes se juntaram diante do Palácio do Planalto e do Congresso Nacional um dia antes da data prevista para a posse de Lula como ministro da Casa Civil de Lula e tudo indica que pretendem tumultuar a posse.

Nada de surpreendente uma vez que a ação de Moro durante toda a campanha de impeachment tem se encaixado perfeitamente na estratégia da direita de derrubar Dilma e inviabilizar a volta de Lula e o projeto petista de poder.

No mesmo roteiro golpista a Fiesp estampou sua fachada na Avenida Paulista na noite de terça com uma imensa faixa preta iluminada com os dizeres Renúncia Já. Manifestantes protestaram diante da sede da Federação das Indústrias contra Dilma e Lula.

O ministro Gilmar Mendes, soldado tucano e principal articulador no governo FHC das privatizações de estatais brasileiras, também atacou Lula, afirmando que sua nomeação põe em risco a imagem de credibilidade do STF.

Na verdade Lula só quer que o STF defina que jurisdição deve tratar das denúncias contra ele, para que não seja investigado simultaneamente por mais de uma, como ocorreu.

Por outro lado, qualquer cidadão preferiria ter seu julgamento feito em primeira instância uma vez que a partir dai teria condições de apelação nas demais instâncias até chegar ao STF.

Somente quem conhece a sanha direitista e entreguista de Moro e tudo o que ele é capaz de fazer para alcançar seus objetivos não quer cair em suas garras.

Se Gilmar não gostou da nomeação de Lula, que peça demissão de seu cargo vitalício no STF , apresente um programa político, participe de uma campanha eleitoral e se submeta às eleições. Se for eleito presidente da República – o que duvido muito – aí sim poderá nomear ministros de estado.

Proponho que todas as medidas judiciais e administrativas cabíveis sejam adotadas para a reparação da flagrante violação da lei e da Constituição da República, cometida pelo juiz Moro, autor do vazamento. A democracia pede passagem.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247