Moro liquida Jair Messias

"Com o que se ouviu de Moro não resta dúvida de que Jair Messias está liquidado. Resta saber quanto tempo ele aguentará na poltrona presidencial", escreve o jornalista Eric Nepomuceno sobre o ex-ministro da Justiça

Jair Bolsonaro e Sérgio Moro
Jair Bolsonaro e Sérgio Moro (Foto: REUTERS/Adriano Machado | Alessandro Dantas)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Eric Nepomuceno, para o Jornalistas pela Democracia 

Sergio Moro mostrou ao país um Sergio Moro em estado puro. Agindo exatamente como agiu quando era juiz de primeira instância, despediu-se do cargo conquistado como prêmio por ter impedido Lula da Silva de ser eleito em 2018 manipulando e distorcendo a verdade.

A cachoeira de autoelogios que despejou sobre a própria cabeça carece de verdade. De tudo que ele disse sobre sua atuação, talvez uns trinta por cento sejam reais. O resto apenas reforça o seu lado pulha.

Seja como for, o fato é que com o que se ouviu de Moro não resta dúvida de que Jair Messias está liquidado. Resta saber quanto tempo ele aguentará na poltrona presidencial.

Que ele quer porque quer interferir na Polícia Federal para proteger as falcatruas de seu filho Flávio e as loucuras de Carluxo todo mundo sabia ou deveria saber. Ouvir isso, porém, do até agora ministro da Justiça escancara as porteiras para um processo de destituição do psicopata que já conseguiu sacramentar-se como o pior presidente da história da República e que hoje é considerado o pior do mundo.

O oportunismo de Moro ficou estampado na frase de despedida, em que ele se diz à disposição do país. É o passo inicial da sua candidatura em 2022, se é que haverá eleições: espaço entre a saída de Bolsonaro e uma virada política radical da parte tanto dos fardados quanto dos empijamados estreitará e muito. 

O desvario do presidente demente fará mais do que aprofundar seu isolamento. Tirando o trio de filhos hidrófobos resta a ele apenas e tão somente o apoio dos militares palacianos. Até quando?

Com relação a Moro, resta ver por quanto tempo ele continuará aliando uma popularidade que não faz mais do que deixar claro que o número de brasileiros que ignoram a realidade é altíssimo ao apoio de que ainda disfruta no Congresso.

Os meios hegemônicos de comunicação, que fazem que informam enquanto deformam uma opinião pública já bastante ignorante, com certeza reforçarão seu apoio ao magistrado parcial, manipulador e desonesto. 

Esses mesmos meios, com as organizações Globo na cabeça, e que foram essenciais para a eleição de Jair Messias, há muito mudaram de trincheira e lançam um bombardeio incessante contra o presidente demente. A partir de agora, não farão mais do que intensificar seu poder de fogo.

Com relação a Sergio Moro, vale recordar que ele não sai do ministério para entrar na história: sai para tentar escrever um capítulo novo e mais pesado da sua própria história.

Vai continuar sendo o mesmo pulha de sempre, que para isso ainda não inventaram remédio algum. Também continuará sendo o jeca deslumbrado e medíocre, mas agora com mais espaço pela frente.

Pobre país, este meu...

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247