Na reconstrução do Brasil, a esquerda precisa ser tolerante e abrigar até quem "ajudou" no retrocesso

Este posicionamento à esquerda de radicalidade neste momento pouco ajuda ou contribui, ao contrário afasta, porque o Pais precisa ampliar os apoios para reconquistar os avanços atacados pela era Bolsonaro.

Na reconstrução do Brasil, a esquerda precisa ser tolerante e abrigar até quem "ajudou" no retrocesso
Na reconstrução do Brasil, a esquerda precisa ser tolerante e abrigar até quem "ajudou" no retrocesso

Em plena época de Semana Santa, quem sabe não é chegada a hora de algumas reflexões que permitam a recomposição do Brasil por uma nova postura da esquerda passando a ser mais tolerante, do que inquisidora, até com quem se equivocou ao considerar novo o retrocesso consolidado no atual governo.

Para não ficar apenas na tese, tomemos como referência palpável o caso do diretor de cinema, José Padilha, que ao rever seu conceito sobre o ex-juiz Sérgio Moro fazendo "mea culpa" por ficar contra Lula, ao invés de ser atacado fortemente bem merecia reconhecimento e acato.
Fundamentalismo inconsequente.

A história ao longo do tempo tem exposto inúmeros casos de intolerância da esquerda reproduzindo a cultura Stalinista de achar inimigo quem não comunga com suas teses.

Nos tempos de hoje, sobretudo, este posicionamento à esquerda de radicalidade neste momento pouco ajuda ou contribui, ao contrário afasta, porque o Pais precisa ampliar os apoios para reconquistar os avanços atacados pela era Bolsonaro.

À Esquerda e seu projeto inclusivo de poder se faz fundamental entender e conviver com outras bases sociais de centro e até da direita nacionalista, como se dá com as Forças Armadas.

A hora é de atrair e consolidar apoios para os passos seguintes de reconquista do Poder via Democracia e conquista majoritária da sociedade.
Este é o maior desafio.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247