Não duvide: questão social enfraquece Europa

"Ao votar pela saída da União Europeia, eleitores ingleses seguiram uma trilha que guarda muitas semelhanças com o caminho do eleitorado grego, que em julho de 2015 disse Não aos programas de austeridade da União Europeia", compara Paulo Moreira Leite, sobre o Brexit; segundo ele, a votação foi resolvida nas regiões mais pobres, pelo voto de eleitores com menor escolaridade formal e cidadãos mais velhos, que mais necessitam dos serviços de bem-estar social, questões que estão na ordem do dia em outros países, devendo ser enfrentadas em breve; "Caso contrário, outros plebiscitos virão," escreve PML

"Ao votar pela saída da União Europeia, eleitores ingleses seguiram uma trilha que guarda muitas semelhanças com o caminho do eleitorado grego, que em julho de 2015 disse Não aos programas de austeridade da União Europeia", compara Paulo Moreira Leite, sobre o Brexit; segundo ele, a votação foi resolvida nas regiões mais pobres, pelo voto de eleitores com menor escolaridade formal e cidadãos mais velhos, que mais necessitam dos serviços de bem-estar social, questões que estão na ordem do dia em outros países, devendo ser enfrentadas em breve; "Caso contrário, outros plebiscitos virão," escreve PML
"Ao votar pela saída da União Europeia, eleitores ingleses seguiram uma trilha que guarda muitas semelhanças com o caminho do eleitorado grego, que em julho de 2015 disse Não aos programas de austeridade da União Europeia", compara Paulo Moreira Leite, sobre o Brexit; segundo ele, a votação foi resolvida nas regiões mais pobres, pelo voto de eleitores com menor escolaridade formal e cidadãos mais velhos, que mais necessitam dos serviços de bem-estar social, questões que estão na ordem do dia em outros países, devendo ser enfrentadas em breve; "Caso contrário, outros plebiscitos virão," escreve PML (Foto: Paulo Moreira Leite)

Para entender o que ocorreu na Inglaterra, que decidiu sair da União Europeia por 51,9% dos votos, é bom lembrar que em julho de 2015 assistimos a um evento semelhante -- e até mais enfático.

Por 61% dos votos, a população da Grécia disse com toda clareza que rejeitava o plano de austeridade que a União Europeia pretendia impor ao país. A cédula  não perguntava, diretamente, se o eleitor queria ou não permanecer na UE. A pergunta era econômica. Mas, por essa via, a resposta teve um sentido obviamente semelhante. Pela segunda vez em menos de um ano, a população de um país europeu disse não.

O resultado nós conhecemos.  

Apesar do tremendo respaldo popular, o governo de Alexis Tsripas, que meses antes vencera as eleições nacionais com base na denuncia do programa econômico da UE, acabou recuando para aplicar as medidas que a maioria da população rejeitava. Uma das vítimas preferenciais do ajuste econômico prolongado aplicado no Velho Mundo após o colapso de 2008-2009, a população grega empobreceu 30%, a partir de uma prática que os países sul-americanos conheceram muito bem, durante a década 1980: apertar os cintos para pagar uma dívida que sempre fica mais cara e mais impagável.

Sabemos que a Inglaterra não é a Grécia, nem pela força de sua economia, nem pelo seu peso histórico,  nem por sua projeção internacional. Não poderia ser dobrada numa simples reunião de autoridades de ar severo e postura implacável, como aconteceu com Alexis Tsripas, que voltou para casa de sorriso amarelo e credibilidade rompida.

Sem maiores disfarces, a soberania dos gregos para escolher seu destino foi ferida -- abertamente, sem disfarces.

Até pelo tamanho do transatlântico inglês, o impacto político e econômico da decisão de ontem será muito mais amplo e duradouro, como informam as Bolsas de Valores de todo mundo.

Há sinais essenciais que devem ser observados, porém. Como registra a Economist, o voto para sair da União Europeia foi majoritário nas regiões mais pobres. Também ganhou terreno entre os trabalhadores com menor educação formal e também entre os mais velhos -- aqueles que mais necessitam dos programas de bem-estar social, questionados desde o longo reinado de Margaret Thatcher, em processo de esvaziamento contínuo nos últimos anos. De 2010 para cá, em novo governo conservador, o repasse de verbas destinadas aos serviços de assistência em geral sofreu um corte acumulado de 40%. Você faz ideia do que é isso, certo?

Foi aí que o plebiscito se resolveu, democraticamente, num "voto contra" que ignorou a maior parte das forças políticas estabelecidas e, supostamente, mais influentes. 

O eleitorado acertou a testa do primeiro-ministro David Cameron, que já anunciou a renúncia. Mas também atingiu a liderança do Partido Trabalhista, inclusive sua ala esquerda, que fez campanha pelo Sim mas não foi seguida por boa parte dos eleitores tradicionais.

Uma cena semelhante se repetiu na Grécia de 2015, não custa lembrar.  Ali, a  vitória do Não e a eleição do primeiro ministro Alexis Tsrípas, meses antes, expressaram a derrota do conservadores e também do partido social democrata.   

Como se vê em vários países europeus, o plebiscito inglês confirmou o crescimento -- cada vez mais preocupante --  de movimentos fascistas e assemelhados. Inspirando-se em lideres do passado europeu, que tantos males já causaram a humanidade,  ganham terreno a partir de um discurso racista e excludente, criminosamente manipulado em momentos em que se tenta apontar para bodes expiatórios e produzir lances demagógicos. 

Esse comportamento é especialmente inaceitável em se tratando da Inglaterra, cuja prosperidade histórica tem relação direta com o passado de potência colonial. Essa herança histórica gera obrigações maiores em relação a população de antigas colônias. São vítimas prioritárias de manifestações racistas depois de ter sido, no passado, alvo prioritário da pilhagem de suas riquezas e seu futuro.

Há outro ponto, também, que envolve o sistema político europeu. Aqui é bom lembrar que as comparações entre a União Europeia e o Mercosul têm menos sentido do que se imagina. O Mercosul é uma união aduaneira, com cláusulas de comércio e outras garantias comuns, que envolvem o respeito absoluto pela identidade de cada país e sua soberania, começar pela moeda nacional.

A União Europeia envolve um projeto ambicioso, que inclui inclusive um Banco Central único e a moeda única. Possui regras que limitam cotas de produção em setores da economia, definindo a parte que cabe a cada país -- e nós sabemos muito bem como essas tratativas, que envolvem interesses de todo tipo, inclusive preservação de emprego, costumam se resolver.

Os 28 países convivem num sistema de soberania relativa, onde uns são mais soberanos do que outros, naturalmente.

As instituições que governam o Velho Mundo são organismos burocráticos, não-eleitos, que tomam decisões acima do voto do cidadão comum, mas que terão peso decisivo sobre a vida de cada família europeia. Na prática, alinham-se com governos de países economicamente mais poderosos, a começar pela Alemanha, e servem de correia de transmissão para interesses do grande capital financeiro e dos grandes potentados privados.

Primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel está longe de responder, humildemente, pelo destino de apenas 1/28 da União Europeia. Tem a palavra final sobre o presente e o futuro de cada país e de todo Continente, como se pode comprovar, amargamente, pelas respostas recessivas impostas depois do colapso de 2008-2009, que transformaram a Europa na ponta de lança de uma recessão que colocou a economia mundial no fundo do poço de hoje. Como todos se recordam, teve um papel decisivo para impedir qualquer saída negociada para a economia grega.

Não há dúvida de que o voto pela saída da União Europeia tem uma base material -- a falta de emprego e de perspectiva para os cidadãos mais pobres. Essa situação serve de pasto para o fascismo, na repetição de um fenômeno visto, estudado e explicado pelos estudiosos da ascensão de Adolf Hitler na Europa, a começar por Hannah Arendt.

Esta é a questão que terá de ser enfrentada, pois aí está a raiz do mal estar. Caso contrário, outros plebiscitos virão.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Ao vivo na TV 247 Youtube 247