Não há projeto de nação viável com um Congresso como o atual

"Brasil não poderá fugir ao acerto de contas com a eleição para o Congresso Nacional e demais casas legislativas", escreve o jornalista Bepe Damasco

www.brasil247.com - Análise da PEC do voto impresso pelo plenário da Câmara
Análise da PEC do voto impresso pelo plenário da Câmara (Foto: Divulgação)


Por Bepe Damasco 

Se quiser fazer a necessária revolução social e democrática em direção a uma sociedade efetivamente mais justa e soberana, com base no desenvolvimento inclusivo e sustentável, o Brasil não poderá fugir ao acerto de contas com a eleição para o Congresso Nacional e demais casas legislativas.

Não é possível mais conviver com uma maioria parlamentar como a atual, na Câmara dos Deputados e no Senado da República, desprovida de quaisquer compromissos populares e nacionais, com rala convicção democrática e que faz da farra das emendas parlamentares e do abocanhamento de cargos na máquina do governo a própria razão de ser do mandato.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A distorção é flagrante: a população brasileira composta em sua maioria por trabalhadores pobres é subrepresentada de forma acentuada no Legislativo, dominado por lobistas do capital financeiro, do agronegócio e das grandes corporações. As bancadas da bíblia, da bala, da saúde e da educação privadas e outras excrescências pouco ou nada republicanas completam o quadro dantesco do Congresso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foram três parágrafos chovendo no molhado, dirão muitos. Mas foi apenas para enfatizar que já passou da hora de a esquerda e os setores democráticos encararem de frente uma realidade: não há projeto de nação viável quando uma escumalha dá as cartas no parlamento.

Quando o placar eletrônico da Câmara dos Deputados registrou 229 votos favoráveis ao retrocesso medieval do voto impresso, uma sensação dupla me assaltou: a de alívio pelo fato de o governo fascista estar longe de ter votos para mudar a Constituição em pontos que abalem a ordem democrática; e a de preocupação com o endosso de mais de duas centenas de deputados ao arreganho autoritário e golpista do descerebrado que ocupa a presidência da República.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Do impeachment sem crime contra a presidenta Dilma ao apoio de parte expressiva dos deputados à campanha caluniosa para tentar desmoralizar a urna eletrônica; da entrega do pré-sal às petroleiras estrangeiras à reforma da previdência, passando pela reforma trabalhista e pelo congelamento dos investimentos sociais previsto pela emenda 95, o Congresso de tudo tem feito para degradar as condições de vida do povo e solapar a soberania do país. Isso para falar só dos últimos cinco anos.

Por óbvio, a questão histórica da má qualidade do voto envolve múltiplos fatores e tem raízes profundas nos problemas educacionais do país, no baixo nível de consciência política da nossa gente, na miséria e na pobreza extremas que favorecem a compra e venda de votos, dentre outras mazelas.

Contudo, urge que a esquerda, especialmente seu maior partido, o PT, abandone a retórica em torno da importância vital da eleição de fortes e numerosas bancadas e adote ações práticas para atingir esse objetivo. Além qualificar as chapas com lideranças emergentes das mulheres, dos negros e jovens, além de figuras reconhecidas na sociedade como artistas, acadêmicos e personalidades de amplos setores da via nacional, é preciso mais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Não basta dizer que a eleição de deputados e senadores é tão importante quanto à de presidente da República. Somente com a adoção de uma política resolutamente voltada para esse fim, incluindo recursos financeiros, tempo de rádio e TV, assessoria para atuação nas redes sociais e, sobretudo, apoio político das direções, será possível dar um salto quantitativo e qualitativo na formação das bancadas parlamentares do campo progressista.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email