Não se pode matar a cultura de uma nação

O corte anunciado recentemente pelo presidente Bolsonaro atinge 13 projetos culturais patrocinados pela Petrobras. É parte do desmonte da política cultural do Estado realizada por esse governo e inspirada numa estreita visão ideológica da cultura, que pune quem pensa diferente

Não se pode matar a cultura de uma nação
Não se pode matar a cultura de uma nação (Foto: Adriano Machado - Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ao realizarmos uma breve reflexão do histórico das políticas culturais no Brasil, observamos sua relação direta com projetos de construção de uma identidade e desenvolvimento nacional. Com a Revolução de 1930, sob a liderança de Getúlio Vargas, aceleraram-se as mudanças do país, garantindo ao Estado implementar diferentes políticas públicas de alcance nacional, dentre elas a área da Cultura.

No entanto, apenas em 1985 foi criado o Ministério da Cultura, em um contexto de redemocratização e compreensão de que sua agenda não reside apenas na produção de eventos, mas de preservar histórias, cuidar do patrimônio, valorizar a rica diversidade e dar visibilidade a símbolos que ao longo do tempo foram deixados de lado pelo poder público.

Porém, desde 2016, o Ministério da Cultura e suas agendas passaram a viver sob risco, culminando com a extinção da pasta pelo atual governo. Aí se opõem duas visões que envolvem o papel do Estado e a importância da temática para além dos elementos citados, mas também como alternativa à crise econômica que desemprega milhões de trabalhadoras e trabalhadores no país.

Os ativos produzidos pelas agendas e manifestações culturais geram empregos e envolvem uma importante rede em sua relação. É um erro considerarmos os recursos destinados à cultura apenas como gastos, e não como investimentos, que, além do fortalecimento da identidade nacional, também geram significativos ganhos econômicos e sociais.

O corte anunciado recentemente pelo presidente Bolsonaro atinge 13 projetos culturais patrocinados pela Petrobras, que ele justifica, em mensagem no Twitter, como forma de se “respeitar o dinheiro público”. Na realidade, é parte do desmonte da política cultural do Estado realizada por esse governo e inspirada numa estreita visão ideológica da cultura, que pune quem pensa diferente.

O desenvolvimento da diversidade cultural de nosso povo é essencial à identidade nacional. Sua criação e valores simbólicos não se fazem sem produzir renda, emprego e mercado. Segundo o extinto MinC, a cultura movimentava 4% do PIB até o seu desmonte. Entre 2009 e 2014, os investimentos federais na cultura subiram de R$ 149,1 milhões para R$ 356 milhões, contribuindo para aquecer a economia.

A agenda em questão, sem a devida consideração de seus impactos e importância econômica para o país, nos conduz a um erro de análise, e leva muitos a opiniões equivocadas que ignoram o conjunto de trabalhadoras e trabalhadores da cultura, seu potencial para o desenvolvimento de atividades turísticas e de preservação da memória social brasileira.

Um exemplo importante disto está nas dificuldades que nos levaram à tragédia ocorrida com o Museu Nacional, que, ao longo do tempo, sobreviveu com uma receita limitada, diante do valor do acervo ali preservado. As chamas consumiram muito mais do que peças raras e estruturas; elas destruíram parte de nossa memória histórica.

Em paralelo a isso, a catedral de Notre-Dame, em Paris, ainda estava sendo resfriada quando uma soma que passa dos R$ 3 bilhões já havia sido recolhida com doações para a sua reconstrução.

No caso do Museu Nacional, sete meses depois do incêndio, a maior doação foi de R$ 20 mil, fato que diz muito e nos leva a refletir sobre a valorização e a relação que temos com a nossa história.

São muitos os elementos que nos provocam a olhar para o desafio de propor e fortalecer uma agenda que compreenda a gestão, o fomento e a valorização da cultura em sua transversalidade, seja como ferramenta de combate à violência e defesa da paz, de suporte ao ensino escolar, de geração de emprego e alternativa para esse triste momento que vivemos.

Não podemos, em tempos de crise, encarar com naturalidade que portas que abrem possibilidades sejam fechadas por desacertos ou descompromissos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247