Não votem nada, por favor!

"O volume de absurdos legislativos aprovados por metro cúbico no Congresso nunca foi tão alto", diz a jornalista Helena Chagas. "É por isso que até mesmo os eternos defensores das reformas acham que é melhor ficar todo mundo quietinho, sem apertar a tecla do painel, até 2023, quando haverá um novo governo e um novo Congresso"

www.brasil247.com -
(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Helena Chagas, do Jornalistas pela Democracia

O apelo não é da oposição,  como seria de se esperar, mas de insuspeitos economistas alinhados a agendas de reformas liberais, como o pesquisador da FGV Fabio Giambiagi e outros. Depois da medida provisória de privatização da Eletrobras eivada de jabutis do Centrão, da proposta de reforma administrativa que não inclui o Judiciário e aumenta privilégios das áreas segurança e do projeto que financia programas sociais do governo com fontes de receita que ainda não existem, caiu a ficha.

Para o bem do Brasil, seria melhor que o Congresso, sobretudo a Câmara dos Deputados, ficasse ali paradinha, só recebendo seus salários e verbas de gabinete, do que votar mais alguma coisa. Comandado pelo líder do Centrão e presidente da Casa, Arthur Lira, o rolo compressor dos deputados vem passando por cima de tudo para assegurar vantagens a quem tem o poder hoje em Brasília: eles mesmos. 

PUBLICIDADE

Com a faca e o queijo das emendas de relator, e os poderes de vida e morte sobre Jair Bolsonaro dados pelo controle daquela gaveta cheia de pedidos de impeachment, Lira e seu grupo são os senhores do universo legislativo e fazem o que querem, ora atendendo e ora pressionando o governo.

Na segunda-feira, fizeram um agrado ilegal à equipe econômica, aprovando projeto que permitirá que o novo Bolsa Família turbinado seja financiado com recursos previstos no projeto que faz mudanças no Imposto de Renda. Vejam bem: no projeto, pois ele ainda não foi aprovado pelo Senado e ainda é um lote na lua. Essas receitas só irão se materializar quando, e se, a matéria for aprovada pelos senadores, e nos mesmos termos em que saiu da Câmara. E se não for? Ninguém sabe.

PUBLICIDADE

E não falamos aqui dos recursos destinado a bases de deputados do Centrão, e nem de benefícios dados a setores e empresas amigas. O volume de absurdos legislativos aprovados por metro cúbico no Congresso nunca foi tão alto. É por isso que até mesmo os eternos defensores das reformas acham que é melhor ficar todo mundo quietinho, sem apertar a tecla do painel, até 2023, quando haverá um novo governo e um novo Congresso.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email