Neofascismo eleitoreiro: direitos humanos atrapalham os generais

"O General mandou e o governo atendeu. Após o comandante do Exército, general Villas Bôas, afirmar que os militares precisam de 'garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade', o Planalto anunciou o fim do Ministério dos Direitos Humanos", diz o colunista Guilherme Coutinho; "Ao demitir Luislinda Valois, Eliseu Padilha confessou que a pasta de Direitos Humanos perderá status e será apenas uma secretaria do Ministério da Justiça. Afinal, Direitos Humanos e intervenção militar não combinam"

"O General mandou e o governo atendeu. Após o comandante do Exército, general Villas Bôas, afirmar que os militares precisam de 'garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade', o Planalto anunciou o fim do Ministério dos Direitos Humanos", diz o colunista Guilherme Coutinho; "Ao demitir Luislinda Valois, Eliseu Padilha confessou que a pasta de Direitos Humanos perderá status e será apenas uma secretaria do Ministério da Justiça. Afinal, Direitos Humanos e intervenção militar não combinam"
"O General mandou e o governo atendeu. Após o comandante do Exército, general Villas Bôas, afirmar que os militares precisam de 'garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade', o Planalto anunciou o fim do Ministério dos Direitos Humanos", diz o colunista Guilherme Coutinho; "Ao demitir Luislinda Valois, Eliseu Padilha confessou que a pasta de Direitos Humanos perderá status e será apenas uma secretaria do Ministério da Justiça. Afinal, Direitos Humanos e intervenção militar não combinam" (Foto: Guilherme Coutinho)

O General mandou e o governo atendeu. Após o comandante do Exército, general Villas Bôas, afirmar que os militares precisam de “garantia para agir sem o risco de surgir uma nova Comissão da Verdade”, o Planalto anunciou o fim do Ministério dos Direitos Humanos. Ao demitir Luislinda Valois, Eliseu Padilha confessou que a pasta de Direitos Humanos perderá status e será apenas uma secretaria do Ministério da Justiça. Afinal, Direitos Humanos e intervenção militar não combinam. E tendo Michel Temer que fazer essa escolha, optou pelo discurso eleitoreiro de acabar com as quadrilhas nos morros cariocas – quando, na verdade, o quer é manter a sua própria no poder.

A primeira intervenção federal da jovem história de nossa República não ocorreu por acaso em ano eleitoral. Michel Temer, se sentindo acuado pela tensão revolucionária vinda diretamente dos morros, resolveu agir por antecipação a uma possível comoção social.  Ao mesmo tempo, extremamente impopular, ele tenta capitalizar votos, visando uma possível candidatura em 2018, usando duas táticas muito conhecidas em governos fascistas: a militarização do Estado e a eleição de um inimigo comum:  neste caso, os criminosos (exclusivamente) advindos das favelas cariocas.

Basta observar a visibilidade que Bolsonaro ganhou nos últimos anos, apenas repetindo esse mesmo discurso, para ver que ele costuma funcionar, ao menos com uma parcela da população. Aliás, o próprio Bolsonaro já reivindicou a exclusividade do discurso fascista para a campanha de 2018. “Temer já roubou muita coisa aqui, mas o meu discurso ele não vai roubar” disse em uma de suas redes sociais, se referindo à intervenção federal. Em uma disputa eleitoral, onde há briga pela autoria de discurso fascista, os Direitos Humanos ficam mesmo em segundo plano. Infelizmente essa é a realidade do país atualmente.

Soldados não são treinados para realizar prisões ou solucionar conflitos. Soldados são treinados para defender fronteiras e para matar. E ao deslocar essa força para atividades diversas de suas precípuas, as consequências são inimagináveis. A vigilância atenta dos Direitos Humanos, tanto em nível nacional, como dos organismos internacionais, seria essencial para diminuir o máximo possível o derramamento de sangue inocente, invariavelmente negro e pobre. Mas entre salvaguardar os agentes dessa intervenção, dando-lhes maior liberdade de ação ou fortalecer o controle de uma ação tão perigosa, Temer parece já ter feito a sua escolha: aquela que mais lhe favorece.

 

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Bolsonaro governa em coalizão. Com os filhos
Alex Solnik

Filhos afundam governo Bolsonaro

Alex Solnik, do Jornalistas pela Democracia, avalia que "o governo Bolsonaro é o primeiro da história republicana no qual os filhos são os três principais favorecidos em todas as circunstâncias,...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247