Ninguém aguenta mais Temer: saída está em disputa

"Nem as elites que puseram o miserável no poder o aguentam mais; a disputa agora é sobre como será a saída do governo Temer. As elites tramam novos golpes como o parlamentarismo e uma eleição sem Lula", afirma o jornalista e colunista do 247 Mauro Lopes; "a saída democrática com eleições livres e antecipadas depende dos debaixo", diz ele 

"Nem as elites que puseram o miserável no poder o aguentam mais; a disputa agora é sobre como será a saída do governo Temer. As elites tramam novos golpes como o parlamentarismo e uma eleição sem Lula", afirma o jornalista e colunista do 247 Mauro Lopes; "a saída democrática com eleições livres e antecipadas depende dos debaixo", diz ele 
"Nem as elites que puseram o miserável no poder o aguentam mais; a disputa agora é sobre como será a saída do governo Temer. As elites tramam novos golpes como o parlamentarismo e uma eleição sem Lula", afirma o jornalista e colunista do 247 Mauro Lopes; "a saída democrática com eleições livres e antecipadas depende dos debaixo", diz ele  (Foto: Mauro Lopes)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Nem quando o cerco contra Dilma foi mais dramático, com toda a campanha das mídias e boicote do empresariado e dos banqueiros vivemos algo parecido com o que estamos passando agora com o governo do golpe.

A situação chegou a tal ponto que as elites, que puseram o miserável lá, já não suportam mais o des-governo (leia aqui reportagem do 247 sobre isso)

Há chance de virar o jogo, mas o refluxo dos movimentos sociais não ajuda. E o descolamento de parte das elites do projeto do golpe não nos ajudará em nada, sem essa força dos debaixo.

Eles já tramam saídas para a crise sem o povo. Não se trata de um golpe militar sangrento -mesmo porque, sem uma força popular organizada de resistência, o recurso à força fica dispensado.

Eles estão com dois projetos em andamento, como o 247 revelou hoje (aqui): 1. nesta tarde de terça (29) decretar a liquidação jurídica da candidatura de Lula no TSE, com chance de afastar Bolsonaro do páreo também; e 2. acabar com as eleições diretas pra presidente e instalar o parlamentarismo, como em 1961. Cármen Lúcia está operando neste sentido.

Essa turma tem nojo e medo do povo.

Não é à toda que o presidente do TSE, Luiz Fux, ameaçou ontem: "[a greve] acendeu um sinal quanto à própria realização das eleições" (aqui).

No colapso do golpe, as elites tramam novos golpes.

A saída democrática significa convocar eleições presidenciais livres, com a possível antecipação do pleito e o direito de Lula concorrer. Ela só acontecerá com base em muita pressão e numa mudança expressiva da correlação de forças.

Os dias à frente continuarão de alta tensão.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email