“Nova política”: Renan-5 & Maia-3, Ciro & PSL, MDB & BBB, os de sempre...

"Na Câmara, está tudo certo para Rodrigo Maia (DEM-RJ) assumir pela terceira vez a presidência da Câmara. Esta é a 'Nova Política', cantada em prosa e verso nas fake news das redes sociais, que prometiam acabar com a corrupção, lembram-se?", questiona Ricardo Kotscho, do Jornalistas pela Democracia; "Os de sempre juntaram-se novamente, agora em torno de um governo de extrema-direita, pela primeira vez na nossa história", afirma; "Não corremos mesmo nenhum risco de alguma coisa melhorar. É um cenário de fim de feira, apesar de ainda estar no começo"

“Nova política”: Renan-5 & Maia-3, Ciro & PSL, MDB & BBB, os de sempre...
“Nova política”: Renan-5 & Maia-3, Ciro & PSL, MDB & BBB, os de sempre... (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Ricardo Kotscho, no Balaio do Kotscho e para os Jornalistas pela Democracia

Demorou demais, mas janeiro, enfim, acabou _ e até agora sobrevivemos.

Hoje, 1º de fevereiro de 2019, será empossado o exército de deputados e senadores eleitos sob a bandeira da nova ordem bolsonarista.

Segundo as últimas informações de Brasília, Renan Calheiros (MDB-AL) será eleito pela quinta vez para a presidência do Senado.

Na Câmara, está tudo certo para Rodrigo Maia (DEM-RJ) assumir pela terceira vez a presidência da Câmara.

Esta é a “Nova Política”, cantada em prosa e verso nas fake news das redes sociais, que prometiam acabar com a corrupção, lembram-se?

Os de sempre juntaram-se novamente, agora em torno de um governo de extrema-direita, pela primeira vez na nossa história.

Lá estão irmanados o PDT de Ciro Gomes com o PSL de Bolsonaro, o eterno MDB com a bancada BBB, da bala, bíblia e boi.

A única novidade que vejo é Ciro Gomes ter rompido com a esquerda para ser candidato de oposição em 2022. Candidato de quem, em nome do quê?

O campo governista já está congestionado de candidatos: o superministro Moro, o governador Doria, o apresentador Huck, entre outros.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

Pela esquerda, PT, PSOL e Rede se uniram ao PSB, que o PDT cortejava, para lançar Marcelo Freixo (PSOL-RJ) contra Maia, deixando Ciro pendurado na brocha junto com o PCdoB de tantas glórias e tradições.

Só restaria a Ciro ser candidato do governo, mas, se Bolsonaro sobreviver até 2022, certamente sua tropa o obrigará a disputar a reeleição.

Para quem acha que é muito cedo para pensar na sucessão presidencial, lembro que Jair Bolsonaro se lançou candidato logo após a eleição de 2014.

No começo, ninguém o levou a sério, achavam que ficou louco, mas ele foi montando em silêncio seu bunker nas redes sociais e, de repente, sem o apoio de nenhum grande partido, disparou nas pesquisas, após a misteriosa facada de Juiz de Fora e a interdição de Lula pela Justiça de Moro, com Supremo e com tudo, agora com assessoria militar.

Três vezes candidato derrotado a presidente, Ciro poderá ter o mesmo destino de Marina Silva, também três vezes candidata, que na última eleição teve 1% dos votos e elegeu um deputado.

Ciro queria isolar o PT e acabou falando sozinho, juntando-se a tudo o que a velha política tem de pior. Juro que não consegui entender a jogada.

Fora disso, não vejo nada de novo neste grande teatro de fancaria montado no Congresso Nacional, com novos e exóticos cacarecos, que já estão disputando o butim.

Sempre me lembro daquele grande sábio, o dr. Ulysses Guimarães, quando lhe perguntavam o que achava da Câmara que presidiu na Constituinte:

“Espera para ver o próximo… Vocês ainda sentirão saudade…”

Tinha toda razão meu profético parceiro da campanha das Diretas Já. Sempre dá para ser pior.

Não corremos mesmo nenhum risco de alguma coisa melhorar. É um cenário de fim de feira, apesar de ainda estar no começo.

Basta dar uma olhada na cara e no prontuário da maioria dos eleitos.

***

Não deixem de ler as colunas de Fernanda Torres e Vladimir Safatle, na Folha, e de Eliane Brum, no El País.

São pungentes retratos em branco e preto da tragédia brasileira, depois de um mês da era bolsonarista.

Como se esperava, a Bolsa subiu e o dólar caiu, para a alegria de rentistas, especuladores e entreguistas, na grande liquidação do que restou do nosso país.

Do outro lado do muro do mercado, o Brasil vai se degradando mais a cada dia, com os três poderes afundados na lama da promiscuidade.

Os milicianos venceram. Salve-se quem puder.

Vida que segue.

(Conheça e apoie o projeto Jornalistas pela Democracia)

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247