Novas façanhas, velhas mentiras

Assim como fez com a “remodelação” da Educação de Jovens e Adultos, com o fechamento de escolas e de turmas na rede estadual de ensino, Leite aproveita-se do momento atual de pandemia para colocar em prática mais uma de suas “façanhas” – como diz em seu logo governamental “Governo do RS – Novas Façanhas” (como se as velhas já não nos tivessem tirado o suficiente) – a privatização da Corsan.

www.brasil247.com - Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul
Eduardo Leite (PSDB), governador do Rio Grande do Sul (Foto: Reprodução (Facebook))


No ano de 2018, durante sua campanha eleitoral, o atual Governador do Estado do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), prometeu não privatizar a Corsan – empresa estatal que realiza o abastecimento de água e o saneamento de 317 municípios gaúchos. Prometeu, mas anunciou que não irá cumprir (não que isso surpreenda muito a quem conhece o jeito tucano de governar, mesmo que alguns no segundo turno eleitoral tenham votado nele acreditando em tal promessa). Mesmo assim, atitude merecedora de denúncia. 

Assim como fez com a “remodelação” da Educação de Jovens e Adultos, com o fechamento de escolas e de turmas na rede estadual de ensino, Leite aproveita-se do momento atual de pandemia para colocar em prática mais uma de suas “façanhas” – como diz em seu logo governamental “Governo do RS – Novas Façanhas” (como se as velhas já não nos tivessem tirado o suficiente) – a privatização da Corsan. 

Com 55 anos de existência, a Corsan vem enfrentando já há algum tempo as estratégias básicas que se fazem presentes antes do processo mesmo de privatização se iniciar formalmente. Sucateamento, diminuição de recursos e investimentos, precarização das estruturas, difamação dos servidores, e por fim, divulgar em larga escala (com ajuda da grande mídia) o quanto a empresa traz prejuízo para o poder público, o quanto de déficit esta empresa deixa aos cofres públicos e como sua venda para uma empresa privada melhoraria os serviços prestados e as finanças governamentais. Nesta perspectiva de sucateamento, a Corsan sofre com a falta de servidores. O governo por sua vez, sob a liderança de Eduardo Leite, ao invés de investir recursos na melhoria dos serviços, realizar concursos públicos para nomeação de servidores especializados, contrata temporariamente e agora vem buscando a terceirização de funcionários para preencher essa demanda, seguindo assim a regra neoliberal de quebrar para vender. Segundo o Governador, os servidores da empresa não serão demitidos, o que é difícil de acreditar, sendo que, além de novas façanhas, o governador também é bom em velhas mentiras.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Quebram para vender e usam o discurso falacioso e mentiroso do déficit de caixa e do prejuízo aos cofres públicos para justificar a privatização de um serviço essencial, que é a distribuição de água e o saneamento da população gaúcha. Alguns municípios do Estado já testaram esse remédio e os efeitos colaterais foram inúmeros: a água a que a população tem acesso é nitidamente imprópria para o consumo, os preços cobrados são abusivos, há baixa qualidade nos serviços prestados, etc. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Entretanto cabe destacar que, além de mentir ao afirmar em sua campanha política que não privatizaria a Corsan, Eduardo Leite mente também ao afirmar que a empresa precisa ser vendida por gerar déficit aos cofres públicos. Os dados apresentados pelo Sindiágua – Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Purificação e Distribuição de Água e em Serviços de Esgoto do Estado do Rio Grande do Sul – demonstram que desde 2017 a Corsan vem obtendo lucros líquidos anuais na casa dos 300 milhões de reais. Demonstrando assim que o governo estadual mente, e que a Corsan é uma empresa estatal autossuficiente e que ainda deixa para os cofres públicos dinheiro excedente para ser utilizado em outros setores sociais que necessitam de investimentos. Segundo o Sindiágua ainda, em 2020, ano em que fomos assolados pela pandemia de Covid 19, a Corsan isentou a conta de água de famílias incluídas em programas de baixa renda; e a Corsan ainda oferece isenção filantrópica para entidades como ONGs, hospitais, associações e escolas. Mas o estado de bem-estar social não interessa ao governo neoliberal de Eduardo Leite, e vendê-la está no topo de sua agenda.

Para privatizar é necessário que a população seja consultada, mas Eduardo Leite, usando a desculpa da pandemia, tenta burlar essa necessidade, afirmando inclusive que falta ao povo maiores esclarecimentos sobre os dados para que saibam votar corretamente caso seja realizado um plebiscito. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Posto isso, e sabendo que a Corsan se mantém financeiramente, seria como vender seu carro para andar de Uber depois. É ilógico e insensato, mas não para a mão neoliberal, para ela o estado precisa ser mínimo e o lucro máximo. 

Sendo assim, hoje mais do que ontem, é preciso que divulguemos essa realidade; é preciso que mostremos à população a real situação vivenciada pela Corsan; é preciso que defendamos a água como um bem público, não como uma mercadoria; é necessário que sejam expostas e denunciadas as mentiras contadas pelo governador. 

Em defesa da água, contra a privatização e o desemprego, precisamos mostrar a realidade, e reafirmar ao governador Eduardo Leite que SEGUIREMOS LUTANDO E RESISTINDO. Agora é hora de mobilizar os trabalhadores e trabalhadoras da Corsan, os trabalhadores e trabalhadoras de modo geral, para empunharmos a bandeira do público e impedirmos esse processo de privatização. Agora é a hora de gritarmos “Água não é mercadoria! Não à privatização da Corsan!”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Precisamos inundar as redes de verdades sobre a Corsan, antes que a sede de lucro dos neoliberais nos afogue em altos preços e serviços ruins. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email