Novos desafios na segurança

Segurança é inteligência, prevenção, mas é também investimento em qualificação de mão de obra, modernização de equipamentos, melhores salários para os policiais e ampliação de estruturas físicas para o setor

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

A segurança pública precisa ser a prioridade zero no Brasil. Na última semana recebi os secretários de Segurança Pública dos quatro estados da região Sudeste. O grupo trouxe uma série de propostas para endurecer as punições a criminosos. São 13 sugestões de mudanças da legislação e cinco administrativas.

Entre as sugestões está a transformação, em crimes hediondos, de roubo com lesões corporais graves e da receptação de produtos para serem aproveitados na indústria ou no comércio. Também seriam agravados os homicídios de agentes do Estado, como juízes, promotores e policiais, e de menores de 14 anos e maiores de 60.

Não sou adepto do direito penal mínimo. Comungo, há muito tempo, desde que tive a honra de ocupar o Ministério da Justiça, da tese que devemos caminhar no endurecimento e no agravamento das penas, dentro do que a Constituição brasileira prevê.

A legislação brasileira, em muitos aspectos, é frouxa: nos crimes hediondos, os condenados cumprem a punição em regime fechado e só é permitida a mudança de regime depois de transcorridos 40% da pena para os réus primários e 60% para os reincidentes. Nos crimes comuns, esse benefício é permitido com o cumprimento de tão só 16% da pena.

O prazo para solicitação de liberdade condicional nos crimes hediondos também é mais rigoroso: 66% contra 33% dos crimes comuns. Deste modo a progressão está facilitando a reincidência.

As estatísticas periódicas sobre o assunto são aterradoras e, por isso, precisamos repensar o modelo da Segurança Pública, hoje uma competência dos estados. Além de mudanças sugeridas pelos secretários, precisamos enfrentar, de uma vez por todas, o modelo de financiamento da Segurança Pública. Eu próprio tenho um projeto de vinculacão temporária do orçamento para segurança pública.

Segurança é inteligência, prevenção, mas é também investimento em qualificação de mão de obra, modernização de equipamentos, melhores salários para os policiais e ampliação de estruturas físicas para o setor.

Acertei com os secretários prioridade para estes projetos e uma sessão temática sobre segurança no dia 15 de julho. Este trabalho, certamente, resultará em ações concretas no combate ao crime.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247