O acordo com os supermercados

www.brasil247.com - Pessoas fazem compras em supermercado de Londres
Pessoas fazem compras em supermercado de Londres (Foto: REUTERS/Kevin Coombs)


Rio - Na quinta-feira passada, o presidente Jair Bolsonaro (PL) pediu aos donos de supermercados que diminuam seus lucros a fim de conter a carestia e, assim, evitar a eleição de Lula (PT).

Bolsonaro e Paulo Guedes falaram em um encontro da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O presidente disse que se os supermercados continuarem aumentando os preços como estão aumentando, isso seria um convite à inflação. Para dramatizar sua luta e mostrar que o governo está preocupado com a inflação, o ministro da Economia disse aos empresários do setor:

"Empresários precisam entender que temos que quebrar a cadeia inflacionária. Estamos em hora decisiva para o Brasil. Nova tabela de preços só em 2023, depois da reeleição do presidente. Trava os preços, vamos parar de aumentar os preços". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Foi de cortar o coração ver a empatia, o sofrimento e a cara de preocupação dos donos de supermercados com a inflação e com o pedido indireto para que empresas deem dinheiro para a reeleição do presidente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Claro que tudo isso é sarcasmo. Mas a demagogia eleitoreira do 'Posto Ipiranga' mexeu até com a cabeça do capitão.

O presidente acreditou e tratou de abastecer sua despensa. A cena, naturalmente, passa-se no Palácio da Alvorada. O presidente está dormindo com a primeira-dama, Michelle Bolsonaro:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Michelle, acorde, vamos fazer compras.

- Compras? Claro, querido! Estou mesmo precisando de uma bolsa nova. Como você adivinhou? Por falar nisso, vi uma Bvlgari em liquidação por R$32 mil. E, como vamos faturar no cartão corporativo, podemos levar também uma Prada, uma Chanel, uma Hermès, uma Judith Leiber, uma Fendi e uma Louis Vuitton.

- Bolsa?! Quem falou em bolsa? Vamos ao supermercado. Vamos fazer as compras do mês. Toma! - disse o presidente, entregando quatro notas de 100 a primeira-dama.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Quatrocentos reais!?? - indagou Michelle. - Por acaso você já entrou alguma vez na vida em um supermercado? Até as sacolas de supermercado estão com preço de bolsa de grife.

- Tem muita gente vivendo com os quatrocentos reais do Auxílio Emergencial, taokey? Ninguém passa fome neste país! Zero! - disse o presidente, confirmando o que disse o senador Flávio - o filho Zero Um - negando que 33 milhões de brasileiros estejam passando fome.

- Tá brincando!? Querido, seu filho não consegue ver indício de corrupção no gabinete dele, vai ver o aumento do preço da cesta básica? Desculpa, mas o nome disso é estelionato eleitoral: fazer demagogia e mentir agora para tudo explodir depois da eleição.

- Isso daí já é outra ‘cuestão’. Os donos de supermercados prometeram segurar os preços, taokey? Vamos aproveitar e comprar coisa pra cacete!

- O único lugar onde com quatrocentos reais você compra ‘coisa pra cacete’ é no sex-shop - ironizou a primeira-dama.

- Vamos cortar todos os produtos que estão subindo de preço. Precisamos dar exemplo para a população. Mostrar que dá para encher o carrinho com o Auxílio Emergencial.

Michelle pegou um carrinho e enveredou pelos corredores do supermercado:

- Vamos pegar os tomates - disse a primeira-dama.

- Ficou louca? No acumulado de 12 meses, o tomate aumentou 94,55%.

- Tudo bem, pegue as batatas…

- Nem pensar! Já viu o preço da batata! Aumentou 27,15% - disse o capitão.

- Ok, vamos trocar pela cenoura.

- Esquece. A cenoura é a vilã da inflação.

Michelle balança a cabeça, negativamente, e coloca um pacote de café no carrinho.

- Não, Não! O café subiu 64,66%. Quer que as pessoas nos acuse de ostentação? Nós podemos ser sequestrados, se nos pegarem na rua com um pacote de café nas mãos.

- Açúcar!?

- Não. O açúcar aumentou 35,68%.

Michelle ameaçou pegar um litro de óleo.

- Esquece! O óleo aumentou 23,75%

- Margarina, pode?

- Corta, também!!

- Mas, Jair, a gente já cortou praticamente tudo!

- Por falar nisso, viu que estão fazendo liquidação de pés de galinha?

- Jair, você detesta pés de galinha!

- Detesto, mas meu país em primeiro lugar! - disse. - No ‘Peg & Pag’, aqui ao lado, tem um grande estoque de ossos. Pergunte ao cozinheiro se ele pode fazer alguma coisa com isso.

- Pelo amor de Deus, Jair. Ninguém come isso!

- Não come? Em que país você vive!? Você não assiste TV?

- Está bem, Jair. O que é que a gente pode comprar?

- Paulo Guedes me disse que o pescoço da galinha está barato.

- Tem certeza? Não vai furar o teto de gastos?

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email