O Brasil é um pária no mundo?



Pária é «indiano não pertencente a qualquer casta, considerado impuro e desprezível pela tradição cultural hinduísta Por extensão de sentido, trata-se de «pessoa mantida à margem da sociedade ou excluída do convívio social».

O ministro das relações exteriores, Ernesto Araújo, disse que “não importa que o Brasil pareça “um pária” no mundo se for para defender a liberdade”. Referia-se às inúmeras análises de conhecedores da história diplomática sobre a atual política externa do Brasil. Quando Araújo foi nomeado ministro-chefe do Itamaraty, os diplomatas de carreira ficaram perplexos. Uma pessoa sem trajetória que pudesse justificar a responsabilidade pela interlocução internacional. O Brasil tem uma longuíssima tradição de diplomacia, sendo referência internacional. Sempre praticando uma estratégia pragmática, que resultou, por exemplo, no reatamento das relações com a China em 1974, no governo Geisel. O Brasil foi um dos principais atores da fundação da ONU, sendo que a Assembléia que constituiu a Organização foi presidida por Oswaldo Aranha, chefe da delegação brasileira nesse encontro.

Nos governos Lula e Dilma, o Brasil ganhou mais destaque no cenário mundial, pela defesa de políticas internacionais de combate à fome no mundo e de um comércio mais justo entre os países. Ademais, o Brasil foi decisivo para as negociações do Acordo do Clima, cujo objetivo é reduzir as emissões de gases que afetam a condição da atmosfera e interferem decisivamente no aquecimento global. Celso Amorim é uma das figuras mais destacadas desse período, respeitado em todo o mundo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Embalado pelas ideias retrógradas de Donald Trump, derrotado e desmoralizado pelos episódios de violência terrorista que provocou no Capitólio, Bolsonaro e Araújo conduziram uma política externa que isola o Brasil na maioria dos temas em debate nos fóruns internacionais. Com ofensas e piadas de mau gosto, coloca em risco inclusive o Acordo Comercial Mercosul-União Europeia, que seria um trunfo de sua diplomacia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por mais que cometa imbecilidades, Bolsonaro não conseguirá destruir a imagem que o Brasil tem, historicamente. Mas, no tempo presente, a consequência de suas irresponsabilidades já prejudicam o Brasil e o nosso povo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Líderes europeus e entidades de defesa do meio ambiente já anunciam estratégias de redução de consumo de produtos agrícolas do Brasil, em razão do posicionamento do Brasil nesse tema. A China já demonstra priorizar a relação com Argentina e países da África, para reduzir a dependência de soja e algodão brasileiros.

E, diante de inúmeras ofensas, a China não demonstra boa vontade no fornecimento de insumos para vacinas ao Brasil. Além disso, a Índia demonstra insatisfação com o voto do Brasil, alinhado a Trump, no caso da suspensão temporária das patentes de vacinas, durante a pandemia. O Brasil votou contra, mesmo sendo diretamente interessado na proposta, apenas para agradar ao demente que presidiu os EUA até esta semana.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ou seja, o Brasil parece buscar obsessivamente a condição de isolamento, de pária, de fundamentalismo tolo. As relações internacionais não podem ser conduzidas com radicalismo, nem com convicções religiosas. Nunca é demais lembrar quem tomou a iniciativa de reatar relações dos EUA com a República Popular da China. O republicano Richard Nixon mandou, em missão secreta, Henri Kissinger para dialogar com Zhou Enlai e, posteriormente, com o próprio Mao Zedong, para reduzir as tensões e reabrir relações comerciais. Nixon caiu, com o escândalo de Watergate, e Gerald Ford deu sequência. O democrata Jimmy Carter avançou ainda mais e Bush pai consolidou os avanços, já com Deng Xiaoping no comando do país asiático. Tudo isso com a questão de Taiwan, da guerra do Vietnam e com os episódios da Praça Tiananmen como obstáculos aparentemente intransponíveis.

O impeachment de Bolsonaro parece ser a única forma de retomar as condições de restabelecer a dignidade da Presidência da República, diante da crise sanitária, da decadência econômica e da inviabilidade administrativa do governo. Mas especialmente para que o Brasil volte a ser respeitado como país equilibrado e responsável na diplomacia internacional. Não, não queremos ser párias. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email