O Brasil não precisa de um presidente pária

Enquanto a conscientização das competência e capacidade não forem restabelecidas por quem produz a riqueza deste País, a classe trabalhadora, Bolsonaro e Ernesto Araújo a farão pensar que ela é como eles, dois capachos que andam e falam

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Na tarde de quinta-feira (22), o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, deu uma declaração quase inocente, não fosse o cargo que ocupa, pela qual admite a condição do desgoverno Bolsonaro e revela a mentalidade colonialista da classe dominante que dá sustentação ao governo. Ao tentar contradizer opiniões acerca da atual subterrânea política externa brasileira, disse que, se as ações do Brasil no cenário internacional fazem deste País um pária, que ele assim o seja. A sabujice de Araújo se equipara à de um certo chanceler dos governos Fernando Henrique Cardoso, que tirava os sapatos para entrar nos EUA. Cronologicamente, 17 anos separam FHC de Bolsonaro. Porém, ideologicamente, são irmãos siameses, dóceis subservientes ao Norte.

Segundo Araújo, as críticas ao governo se dão em razão da liberdade que o Brasil adquiriu a partir da posse de Bolsonaro. A liberdade de romper com uma exitosa política externa multilateral, construída ao longo dos governos do Partido dos Trabalhadores, tendo à frente o ex-ministro Celso Amorim, que defendeu os interesses do Brasil, sem falar grosso com a Bolívia e nem falar fino com os EUA. A liberdade de submeter o Brasil às vontades do presidente Americano, Donald Trump. Araújo e Bolsonaro transferem o seus complexos de vira-latas para os brasileiros, impondo a subalternidade como uma condição aceitável e, até mesmo, louvável. O sentimento de patriotismo que pretendem inocular na população é o prazer de bater continência para a bandeira dos EUA. É um governo que projeta com clareza a frustração da classe dominante brasileira e de parte da classe média, de não terem nascido estadunidenses.

Durante os governos do PT, o Brasil ganhou projeção internacional, não como pária. Pelo contrário, como nação altiva e soberana. E esses foram um dos motivos do golpe, de 2016. Lula e Dilma optaram pela integração da América Latina, por relações mais próximas com a África, Oriente Médio, China, Rússia, União Europeia. Os presidentes do PT rechaçaram a Alca, um tratado imposto pelos estadunidenses cujas condicionalidades ampliariam a dependência do Brasil à economia dos EUA. Os governos do PT foram no caminho inverso, propondo o fortalecimento do Mercosul no sentido de fortalecer o bloco latino americano. Lula e Dilma investiram na proteção do pré-sal e na competência da Petrobras para explorá-lo.

Uma das primeiras medidas do golpista Temer foi retirar da nossa petroleira a prerrogativa de operadora exclusiva da nossa maior reserva de petróleo, abrindo espaço às empresas estrangeiras. Bolsonaro dá continuidade a essa política servilista, esquartejando e enfraquecendo a petroleira brasileira, permitindo que outros países levem o óleo cru e nos revenda refinado, quando o Brasil ainda possui refinarias que podem gerar empregos e produzir mais tecnologia. Araújo e o presidente desmerecem a coragem e a competência dos brasileiros, que construíram e fizeram crescer as grandes empresas nacionais, como Eletrobras, Correios, Casa da Moeda, Banco do Brasil, Caixa, entre tantas outras. Não há, na história da humanidade, nação que tenha se desenvolvido submetendo-se a outras. Nenhum povo é respeitado quando se prostra diante de outro.

Os brasileiros não podem aceitar passivamente que um governo os exponha a uma condição de povo marginal, de segunda classe. Uma gente com baixa autoestima não construiria acelerador de partículas, 18 universidades, 173 campi universitários, canal de transposição de água para mais de 12 milhões de brasileiros, quase quatro milhões de habitações, portos. Nem desenvolveria tecnologia própria de enriquecimento de urânio e, muito menos, construiria submarino nuclear para proteger suas fontes de energia. Porém, enquanto a conscientização das competência e capacidade não forem restabelecidas por quem produz a riqueza deste País, a classe trabalhadora, Bolsonaro e Ernesto Araújo a farão pensar que ela é como eles, dois capachos que andam e falam.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247