O Brasil necessita de eleições diretas e voltar a acreditar na política

Convoco a todos para acompanhar e se manifestar sobre o andamento da PEC das Diretas no Congresso Nacional. É importante que ela vá imediatamente à votação no plenário do Senado e que o povo na rua exija dos parlamentares da Câmara dos Deputados que abandonem os interesses escusos e pensem no bem no Brasil

diretas já
diretas já (Foto: Chico Vigilante)

A aprovação da Comissão de Constituição e Justiça do Senado da admissão da PEC que determina a realização de eleições diretas para novo Presidente da República, em caso de vacância do cargo em até um ano do final do mandato é uma grande vitória para o Brasil.

Creio, no entanto, que melhor seria que a PEC previsse convocação de eleições diretas a qualquer momento, em caso de vacância do Presidente da República.

Não há porque burocratizar como estão tentando fazer. O povo não aceita mais os arranjos montados por este Congresso desmoralizado.

Se estamos corrigindo um erro na Constituição por que propor ficar meses e meses para se fazer uma nova eleição?

O que importa é tirar o país da crise na qual ele está metido. E isso só acontecerá passando-se primeiramente e urgentemente por eleições diretas, defendida por 83% dos brasileiros.

O que importa é sair dessa situação de crise de credibilidade, retirando o golpista Temer, rejeitado por 92% da população.

É necessário resistir nas ruas. Não podemos correr o risco de deixar que a política no Brasil, já vista como algo vergonhoso, se desmoralize de vez.

Os que desmoralizam a política querem a ditadura. Não há outra maneira de se fazer mudanças estruturais no país a não ser por meio da política, de eleições diretas, de partidos políticos.

Não nos deixemos enganar, tudo é política: o regimento de um clube, a discussão de como se fazer o bem nas igrejas, as decisões dentro de casa.

Lula diz que se você não gosta de política você vai deixar que a política seja feita pelos que gostam, e se os que gostam levam o país à situação que estamos vivendo, ganhando milhões com a política e não trabalhando pelo interesse da maioria, você não poderá reclamar, porque foi omisso.

O DF é exemplo disso. Aqui existem vários elementos que enriqueceram as margens da ditadura, ganharam bilhões e bilhões e quando veio a democracia, eles que sempre apoiaram a ditadura, se apresentaram como os guardiões da democracia para continuar a ganhar mais dinheiro e desmoralizar a própria democracia, com novos atos de corrupção.

A questão da criminalização da política é tão preocupante que até o papa Francisco se manifestou a respeito recentemente.

“Envolver-se na política é obrigação de todo cristão, que não deve repetir Pilatos e lavar as mãos diante das situações difíceis”, disse o papa. “Temos que nos meter na política porque fazer política é uma das mais altas formas de buscar o bem comum”, resumiu.

O poder de manipulação exacerbado da mídia, o poder distorcido do Judiciário, e a real situação de disseminação da corrupção por todos os poderes no Brasil confunde a maioria e aumenta a necessidade de se entender a importância do papel da política para uma nação.

Convoco a todos para acompanhar e se manifestar sobre o andamento da PEC das Diretas no Congresso Nacional.

É importante que ela vá imediatamente à votação no plenário do Senado e que o povo na rua exija dos parlamentares da Câmara dos Deputados que abandonem os interesses escusos e pensem no bem no Brasil.

Conheça a TV 247

Mais de Blog

Lula volta a frustrar Moro, Rede Globo e PSDB
Mauro Nadvorny

Não é o Lula, é o Lula

Ninguém pode ser condenado sem trânsito em julgado. Em outras palavras, um culpado de um crime qualquer, só pode cumprir sua pena, quando tiver sua condenação confirmada e todos os recursos negados...

Ao vivo na TV 247 Youtube 247