O Brasil refém de Eduardo Cunha e o STF amarela

Enrolados nas suas capas pretas, como "vacas sagradas", (assim denominados pelo jurista e ex-senador Paulo Bisol), os ministros do STF permitem que um bandido de alta periculosidade como Eduardo Cunha, faça o Brasil refém dele e faça o impeachment da presidenta Dilma

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Quer dizer que o STF também adota o critério da seletividade nas decisões de quem investigar, o mesmo do juiz Sergio Moro, de setores do MPF e da PF?

Investigam preferencialmente quem é do PT ou do governo do PT. Para eles, os "homens e mulheres da teoria do dominio do fato", contribuição de campanha ao PT é propina e Lula, o escolhido para liquidar, seria o final da linha da investigação.

Se for alguém do PSDB ou que apoia o golpe, arquivam os processos. Para esses, contribuição de campanha é contribuição de campanha, não é propina.

Enrolados nas suas capas pretas, como "vacas sagradas", (assim denominados pelo jurista e ex-senador Paulo Bisol), os ministros do STF permitem que um bandido de alta periculosidade como Eduardo Cunha, faça o Brasil refém dele e faça o impeachment da presidenta Dilma.

Permite que o senador Renan Calheiros, sobre o qual pesa denúncias gravíssimas de corrupção, investigado pelo Ministério Publico, também dirija o impeachment no Senado, sob ameaça e chantagem de Eduardo Cunha.

Aliás, o presidente do Senado Renan Calheiros e o vice-presidente da República, Michel Temer, aparentam estar subordinados aos desígnios de Eduardo Cunha. Afinal, tudo indica que Cunha é o chefe da arrecadação do PMDB e Temer e Renan devem saber de tudo, ter se beneficiado, e devem tremer diante de Cunha e suas ordens.

Com as omissões e decisões, o STF, com toda pompa e glamour do olimpo da mediocridade ativa, também se prepara para entrar parar a lata de lixo da história.

A imprensa que serve ao golpe se encarrega da narrativa do grotesco espetáculo, vira notícia nas maiores redes internacionais de TV, rádio, jornais, revistas e internet, do mundo, pela criminosa manipulação da informação e transformação em instrumento do golpe "moderno". (A imprensa senhorial brasileira esta sendo condenada por unanimidade no mundo).

O Brasil vive uma derrocada institucional ameaçadora, de difícil recuperação. O estrago na credibilidade das instituições é algo tão devastador aos olhos dos brasileiros e do mundo que o Brasil sofrerá consequências imprevisíveis nas relações políticas, comerciais e econômicas internacionais.

O fato de ser a sétima economia do mundo com uma população de mais de duzentos milhões de habitantes e de ter se tornado vítima de um sofisticado golpe de Estado, o Brasil deixa o mundo em alerta, tamanha a audácia da trama com aparência de legalidade apresentada por setores conservadores e criminosos ecrustrados nas instituições da República.

O poder das grandes corporações internacionais, os interesses envolvendo grandes negócios, domínio de cadeias produtivas como a do petróleo, comunicação, energia e outros, e a vulnerabilidade institucional do país, demonstra que o modelo político vigente está perdendo para a força dos grandes negócios internacionais e para a bandido gemia nativa.

O governo da distribuição da renda, da superação do apartheid social e da inclusão está sendo deposto por gangsters que prestam serviços à especulação financeira internacional e aos grandes negócios de corporações internacionais, principalmente de petróleo. Para essa gente, o povo que se dane

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email